Onde eu posso encontrar uma namorada

A Internet é muito prática para encontrar uma namorada, pois existem os sites que são destinados a isso mesmo, encontrar pessoas para uma relação séria. Assim, ao acessar esses canais as outras pessoas que ali estão sabem o que você quer e você sabe o mesmo delas. Como Conseguir uma Namorada Lésbica. Encontrar potenciais parceiros pode ser uma tarefa desafiadora, especialmente para pessoas mais tímidas e ansiosas. As coisas são ainda mais complicadas para as mulheres lésbicas, devido à incerteza... 2. Onde encontrar uma namorada. Se você está decidido a arrumar uma nova namorada é preciso saber onde procurar, em geral, os lugares para conquistar mulheres e ter casos passageiros não são os mesmos em que você pode encontrar uma gata disposta a namorar. Onde posso encontrar uma namorada para socializar mulher? Em lady-magazine.com - 10 maneiras de encontrar um melhor amigo vive. amigos de busca em realidade e on-line - conselhos importantes sobre como encontrar um melhor amigo. Melhor amigo, às vezes - esta é a única pessoa,você pode confiar os segredos mais íntimos. Onde posso encontrar um namorado - Want to meet eligible single man who share your zest for life? Indeed, for those who've tried and failed to find the right man offline, online dating can provide. Join the leader in footing services and find a date today. Join and search! Rich man looking for older man & younger woman. I'm laid back and get along with everyone. Não sabe onde encontrar mulheres para namoro? O fato é que há diversas mulheres solteiras em busca de seu grande amor. E também há aquelas que não estão buscando, mas que se apaixonarem-se, se envolverem de verdade com alguém, não pensariam duas vezes na hora de assumir um relacionamento sério. As redes sociais estão cada vez mais em voga e encontrar namorada no Facebook é cada vez mais comum e simples. Se também já pensou em utilizar o Facebook para conhecer o seu novo amor, veja qual a melhor forma de o conseguir fazer com sucesso. Porque é fácil encontrar namorada no Facebook O Facebook, […] Continuar a ler Porque é fácil encontrar namorada no Facebook. O Facebook, tal como outras redes sociais, serve para manter o contacto com pessoas que já conhecemos, mas também para conhecer novas pessoas. Como podemos pesquisar vários perfis e falar em privado com aquelas que nos parecem ideais para nós, é mais simples iniciar uma conversa. Como Conseguir uma Namorada. Você pode até achar que conseguir uma namorada é uma tarefa hercúlea, mas não é bem assim! Não desista. Comece por conhecer mais garotas em grupos de estudos, eventos e por meio de seus amigos. Em seguida, seja... Conquistar uma mulher requer paciência e dedicação da sua parte. Se não quer gastar mais de 10 minutos a tentar conquistar uma mulher, então pode esquecer! Onde procurar uma nova namorada. Se não saber onde encontrar namorada é a sua desculpa preferida para continuar sozinho, então nós vamos resolver esse problema!

Vocês podem ajudar a mim e a minha noiva?

2020.09.21 12:59 salveaminhavida Vocês podem ajudar a mim e a minha noiva?

Olá a todos. Essa é uma conta joga fora, pois tenho medo de me expor por agora e estou aqui para pedir uma ajuda a quem puder me ajudar. Eu me chamo Marcelo (nome fictício) e moro em um bairro pobre do interior de SP. Moro aqui desde 2014, quando perdi o meu emprego no interior de MG. Vim para cá ao ficar desempregado, para ficar perto da minha namorada, a única que eu tive na vida (e dei muita sorte em encontrar ela, é uma das pessoas mais especiais que conheço). Tenho 29 anos, 1,80 de altura e peso 200+ kg.
Como você já pode imaginar, o problema com o qual eu preciso de ajuda é esse. Tenho obesidade mórbida grau III e a minha namorada também. Ela é secretária de uma médica e através do seu trabalho conseguiu um grupo de profissionais que estão nos ajudando através de um trabalho voluntário. Eu e ela temos psicóloga (uma diferente para cada), uma endocrinologista e uma nutricionista. Graças ao trabalho dessas pessoas, tivemos grande evolução através de uma reeducação alimentar que tem surtido muito efeito, apesar de infelizmente não ser o suficiente.
Bom, antes dessa pandemia eu estava com um trabalho maravilhoso para uma empresa canadense. Tinha passado no processo seletivo em janeiro desse ano e comecei a trabalhar, até que quase 3 meses depois o projeto foi encerrado devido ao cenário mundial. Durante o tempo em que trabalhei, pude investir pesado na nossa saúde, custeando sempre os exames necessários, fazendo minha reposição hormonal com testosterona (minha produção é extremamente baixa, devido à obesidade), pagando transporte de ida e volta para uma academia de hidroginástica e fazendo hidroginástica. Vejam, antes da pandemia já estávamos sendo acompanhados por essa equipe de profissionais da saúde, mas a reeducação alimentar, além de ainda ter sido por pouco tempo, ou seja, não tínhamos avançado tanto nessa questão, não estava sendo suficiente. Foi quando começamos a fazer hidroginástica que pudemos ver que era possível emagrecer, pois ambos tivemos bons resultados durante esse tempo. Foi a prova que a gente tanto precisou para enxergar que poderíamos recuperar a nossa saúde sem enfrentar uma fila gigante e um procedimento extremamente invasivo.
Aí veio a pandemia, perdi meu trabalho. Meu pai me ajudava com o que podia, minha mãe também. E então dois meses depois, perco o meu pai. Ele era advogado, mas nunca teve dinheiro. Morava de aluguel e apesar de ter muitos processos, a maioria era pro bono, pois o que ele mais gostava de fazer era ajudar o próximo. Com isso, não deixou nada para mim. O que estava difícil ficou ainda mais (mas reconheço que tem muita gente em uma situação financeira pior que eu).
Com tudo isso o nosso tratamento ficou estagnado, até que a nossa nutricionista me deu a ideia de usar meu tempo ocioso para fazer uma hortinha em casa. Então fiz isso e aí vieram mais resultados da reeducação alimentar, pois passei a comer alimentos que nunca gostei (mais uma vitória e mais uma prova de que a gente consegue chegar lá).
Como você talvez possa imaginar, nós não temos indicação médica de fazer o que é simples e acessível, que é caminhada. Na real até tentamos, apesar dos riscos, mas toda vez que a gente tentou eu me acidentei e fiquei com a perna roxa por alguns dias ou semanas. A indicação para o nosso caso é algo que possa nos trazer segurança, como a hidroginástica que estávamos fazendo. Com a pandemia, além de não sair de casa por estar no grupo de risco (minha namorada trabalha presencialmente no consultório da médica, ela está tendo o Uber de ida e volta custeado pela patroa), também não vou conseguir aderir novamente à hidro. Para uma pessoa como eu, já é difícil encontrar força para me deslocar diariamente, mas ainda vivi situações tristes e extremamente constrangedoras por lá.
Aderir à uma atividade física é difícil para mim. Mas há uma que me trás alegria e prazer em fazer e é por isso que resolvi vir aqui pedir ajuda. Antes de vir para Ribeirão Preto, somente um exercício me trazia prazer: andar de bicicleta. Eu pedalava 40 kms, andava sempre sozinho, mas a cidade que morava é pequena e não tão perigosa como aqui. Na real eu adoraria poder ter uma bike novamente e sair andando na cidade, mas andar aqui com uma bike que aguente o nosso peso é o mesmo que sair com uma placa escrito “venha nos assaltar”. Então eu venho aqui pedir uma bicicleta ergométrica que aguente o nosso peso, pois ao contrário do que acontece normalmente quando alguém compra um equipamento desse para usar em casa, onde acaba virando um móvel para roupas usadas, nós vamos conseguir usar diariamente. O meu sonho hoje é poder colocar isso na sala de onde moramos (moramos com os meus sogros, mas eles já deixaram a gente colocar uma na sala, caso possamos ter uma) e gastar umas 2 horas do meu dia pedalando. Sem a dificuldade de estar em público, sem o gasto com transporte, sem os problemas ao enfrentar uma academia, vamos conseguir resultados e vamos conseguir sair dessa.
O uso desse equipamento tem o aval das profissionais que nos ajudam e posso me comprometer a digitalizar um laudo e enviar aos que eventualmente nos ajude. Eu encontrei somente uma única bike ergométrica no Brasil que aguente o nosso peso. Tenho pesquisado há algum tempo e o custo dela é simplesmente algo que nos impossibilita de adquirir. É a Kikos KR 13.6. No entanto eu não me importo se houver de alguma outra marca, a única coisa que eu quero é poder colocar ela na sala e começar a pedalar todo dia.
O que eu proponho é o seguinte: enviar o laudo da médica com a indicação de uso da bicicleta ergométrica, enviar uma carta da equipe de profissionais que nos ajudam de forma voluntária explicando o trabalho delas, enviar os nossos dados pessoas, criar um grupo de Whatsapp com os que puderem ajudar para relatar periodicamente os resultados, fazer um vídeo comprovando o local em que moramos e a nossa condição financeira e doar o equipamento quando não precisarmos mais (ou quando pudermos adquirir um equipamento mais barato que aguente o nosso peso futuramente). Em troca o que eu peço é a ajuda financeira para a aquisição da bike (ou a doação direta de qualquer bike que nos aguente), sigilo e compreensão. Eu tenho muito medo de me expor, já estive próximo do suicídio no ano passado e o meu maior medo é ser exposto e voltar a passar o terror que passei. Essa conta é joga fora justamente por isso. Tenho medo dos usuários de outras subs que lurkam por aqui e sei que já irão usar esse post de forma negativa nessas outras subs.
Eu sei que a situação financeira está difícil para todo mundo e sei que é muito provável que não consiga ninguém que possam nos ajudar com isso. Mas a nossa situação se agrava a cada dia e eu sei que a gente consegue sair dessa com a ajuda de quem puder.
Muito obrigado.
submitted by salveaminhavida to desabafos [link] [comments]


2020.09.04 21:06 Level-Account-7474 vivendo um paraíso e ao mesmo tempo um inferno

Antes de falar toda o meu "romance", eu deixo claro que dependo dos meus pais, não tenho dinheiro para nada, e também a história provavelmente vai ser clichê para vocês e longa, "sad but true".
Por volta de maio, eu começei a conversar com uma menina que é da umbanda, o terreiro dela é aqui perto da minha casa e sempre observava ela passar na frente da minha casa e achava/acho ela bonita, e pela primeira vez na vida tomei coragem e inicie uma conversar com uma menina(claro, no começo era online kkk pelo ins, mais ainda vale, pq não tinha coragem para nada), passando um tempo a gente decidiu se encontrar pessoalmente( nesta hora já tinha percebido que ela estava interessada em mim) então convidei ela para vim aqui na minha casa, a gente sentou na porta da rua e conversamos por horas( cerca de duas horas e meia).
Mais foi no dia do nosso primeiro encontro( como amigos ainda) que a minha família começou a infernizar minha vida, eles sabiam quem era é da onde era a menina( pq eles sabem todos os membros do terreiros aqui perto de casa, só para ficar falando mal, odioooooo), quando ela foi embora e eu entrei para dentro de casa e ocorreu uma confucao enorme, eles dizendo que eu estava indo para o caminho de satanás( não posso ir para o caminho de um ser que não existe, sim eu sou ateu, mais ainda não falei sobre meu ateísmo e minha família"cristão"), depôs disso ocorreu mais confucao, afinal, agora estou namorado essa menina, gosto muito dela.
OBS: meus pais só fazem discursos de ódio contra outras práticas espirituais dentro de casa, fora eles são as pessoas mais falsas possíveis.
mais o que mais me deixou triste foi anteontem que a minha namorada disse que estava no hora das nossas famílias se conhecerem, mais o que me deixa triste é saber que eles podem vim aqui( minha casa) e conhecer minha família, mais depôs meus pais vão cair encima eles falando várias barbaridades.
o que eu devo fazer? enrolo minha namorada ou conto toda a verdade?
submitted by Level-Account-7474 to desabafos [link] [comments]


2020.08.22 02:53 RainLyrics Conflito interno , tenho 19 anos e estou perdido na vida

Atualmente tenho 19 anos e concluí o ensino secundario em ciências e tecnologia no entanto nunca parei para pensar no meu futuro e acabei o 12ºano com média de 11.
La cheguei ao 12º ano, o tempo voou, pelo caminho fiz amigos para a vida e conheci uma rapariga incrível em todos os sentidos com que comecei a namorar, nunca me tinha sentido tão bem, até começar a pensar no futuro, estar com os amigos ou a namorada e a certa altura eles falaram dos seus planos para o futuro e questionarem-me a cerca dos meus e eu não saber bem o que responder deixava-me agoniado , mas o golpe maior foi num dia em que fiquei de dormir em casa da minha namorada , nessa noite ao jantar com os pais dela quem me fez essa pergunta foram eles...tanto eu como a minha namorada ficamos sem reação, ela sabia perfeitamente que eu arranjava sempre desculpas, mas que com os pais dela nunca iria resultar, enfim que situação, acabou ela a responder por mim....na maneira mais sofisticada possível que eu "não sabia", que ambiente, só queria fugir dali, passei a noite toda acordado a pensar naquela situação, não sabia sequer o que queria da vida e ali ao meu lado estava uma rapariga com a vida toda pensada, nos dias seguintes a situação não melhorou, sentia que a vida de toda gente estava a seguir o rumo certo e depois sobrava eu, ali encalhado sem saber para onde me virar, não consegui suportar a situação e num dia algures em março acabei com ela...que sentimento...senti-me completamente podre...nem lhe conseguia olhar na cara enquanto ela chorava, la me fui embora enquanto ela olhava para mim a chorar e perguntava o porque, que situação, menti a minha mãe e la disse que ia dormir a casa de um amigo,na verdade, com os trocos que tinha apanhei o bus para a praia, era fim da tarde/noite e la me fui deitar na areia enquanto chovia, claramente não consegui dormir ali, doía-me o peito e estava frio ainda assim la andei ali até ao horário do ultimo autocarro só para me aperceber que não tinha dinheiro para voltar, enfim comecei a andar por ali, a certa altura tive a vontade 2 horas e tal sem encontrar ninguém a caminhar nos passadiços de madeira, até me lembrar de ir para casa, demorei quase 4 horas a pé, nos dias seguintes também fui cortando o contacto com os amigos mais próximos, não queria que percebessem o quão triste a minha vida era.
Já la vai uns quantos meses, ela e alguns amigos ainda tentam fazer contacto comigo, ainda penso nela e nas pessoas que deixei para trás, passo os dias sem fazer nada, na expectativa de talvez vir a tomar uma decisão, parece que nunca tive tanto tempo como agora, no entanto sinto um desconforto autentico, como se ainda fosse a tempo de ter um futuro.
Sinto-me perdido de varias maneiras e não estou a conseguir lidar com a vida , gostaria de receber alguns conselhos.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATUALIZAÇÃO
Ainda não consigo acreditar, dificilmente consigo-vos expressar o quanto me custou mentalmente pedir ajuda, ontem a noite após ter escrito tudo o que tinha a expressar e após o dilema entre publicar e não publicar la tentei publicar, na qual a publicação foi removida automaticamente, comecei a rir que nem um perdido, enfim la tentei outra vez e la foi removida automaticamente outra vez...desisti e la me fui deitar, hoje ao ir ao telemóvel reparo nas notificações...nem acreditava, tinha ido dormir a acreditar que não tinha publicado nada, nem sequer pensava em voltar a tentar. Fui lendo os comentários ao longo do dia e assim que possível tentar atualizar a minha publicação, entre concelhos, experiências de vida, pessoas a oferecerem-se para me ajudar e a pedir mais informações sobre a minha situação decidi que devia falar um pouco mais do que me levou a esta situação.
Vivo apenas com a minha mãe, o meu pai morreu quando eu tinha 3 anos e a minha mãe 26, desde que me lembro ou pelo menos desde o meu pai ter morrido que temos problemas financeiros, diria facilmente que a única família que tenho é a minha mãe e uma prima dela que vemos ocasionalmente, ainda assim dificilmente sentia alguma diferença entre eu e as outras crianças até chegar aos meus 13 anos, de alguma maneira começava-me a afetar o aperceber-me que era pobre, a minha mãe fartava-se de trabalhar e ainda assim vivíamos desde que me lembro nesta casa velha, pequena e cheia de humidade, não me faltava nada mas vivíamos com o mais básico que existe, por essa altura la me deixei afetar por isso e cai numa fase rebelde, fiz a minha mãe chorar bastante e la chumbei o ano embora as minhas notas de anos anteriores fossem 4/5s , passando esta fase, novo ano, as minhas notas voltam a ser 4/5s ate completar o 9ºano ,entro no ensino secundário e a mentalidade muda, já falam em fazer medias para mais tarde se ir para universidade, no entanto nos não temos condições financeiras para eu ir para a faculdade, nunca sequer for uma possibilidade discutida, porque razão devo me chatear a estudar?Lá prossigo o secundário, altura em que se começa a ir sair mais e a gastar algum com os amigos, no entanto não posso pedir dinheiro a minha mãe para isso...não sou capaz, entre o meu 11º e 12º ajudava as vezes num cafezito e fazia de ajudante de trolha de um senhor que conhecia para ganhar algum, nunca contei isso aos meus amigos ou namorada...preferia inventar sempre algo, estou no inicio da minha relação e acontece que acabo por ir a casa dela...claramente já sabia que os pais dela tinham posses, era fácil para mim perceber isso no entanto o que pensava ser a realidade estava noutro nível, só a sala da casa dela era maior que a minha casa, os pais dela eram pessoas de estudos, bem educadas que viviam numa outra realidade, isso mexeu muito comigo, a partir dai comecei a esconder ainda mais a minha vida dos outros, em momento algum convidei a minha namorada ou amigos para irem a minha casa, e la ia vivendo ate chegar ao mês de março, por essa altura a minha relação com ela tinha crescido de tal maneira que eu tinha a certeza que ela estava completamente apaixonada por mim e eu por ela, não conseguia pensar noutra coisa, estávamos sempre juntos, ela já falava no nosso futuro e eu acompanhava, estávamos em sintonia, no entanto sempre que tínhamos essas conversas eu ficava apreensivo, de que maneira conseguiria suprimir as expectativas dela? Ela sempre soube o que queria para ela, no entanto eu deixei andar, nunca me preocupei com o meu futuro, eventualmente como já disse...acabei com ela , provavelmente por sentir que não a conseguiria acompanhar.

submitted by RainLyrics to portugal [link] [comments]


2020.08.07 13:22 silveringking É imperativo eu encontrar alguém

OK face à minha desestruturação, decidi tomar uma decisão, vai ser imperativo eu encontrar alguém. E antes que comecem com histórias de eu estar desesperado por namorada, digo desde já que eu raramente tenho paciência para o sexo oposto. A razão pela qual eu preciso de alguém é a minha desestruturação, vou precisar de alguém meigo e compreensivo e que ao mesmo tempo me consiga defender em caso disto repetir. A questão é que nem sei onde procurar. Só sei é que não posso voar sozinho, desta vez sobrevivi mas quase morri no processo. Daí que acho imperativo ter sempre alguém que me deia a mão. Não me dou com a minha família paterna e a minha mãe afastou a materna. Alguém tem alguma dica? Nota: Não estou a pedir por uma super modelo sueca que me faça as vontades todas, só decidi tentar encontrar alguém com quem me possa relacionar e que me possa dar a mão em caso de doença. Lembrem se que eu quase morri desta vez. Aliás perdi uns 30kg. Fui umas 5 vezes ao hospital. E não significa que a amizade e a ajuda não seja mútua.
submitted by silveringking to portugueses [link] [comments]


2020.08.06 06:08 denesfernando Sou Babaca Por Querer Que O Namorado Da Minha Amiga Não Passe Mais A Quarentena Aqui E Volte Pra Casa Dele?

Olá Luba, editores, gatas e Turma. Essa história que vou compartilhar aqui é recente, ainda estou tratando em terapia, mas ela começa um pouquinho lá atrás.
Um ""pouco"" de background para situar a todos de onde tudo isso começou.
Em 2013 comecei namorar um cara que vou chamar de Karen, por ele ser muito, mas muito CUSÃO (inclusive, ele se parece muito com você Luba e por vocês serem tão idênticos, eu passei um bom tempo sem assistir o canal, pois não conseguia te ver sem lembrar dele). Mas, enfim, em 2015 ele e o grupo da faculdade dele decidiram morar todos juntos em uma casa perto da faculdade, pois estava exaustivo para todos trabalharem em pontos distintos da cidade (São Paulo, para se alguém quiser se situar).
Então, em janeiro de 2016, eles se mudaram e eu ia para lá aos fins de semana, até que acabei me mudando para a casa em Junho do mesmo ano, no dia do meu aniversário.
Pois bem, foi uma fase horrível da minha vida por causa do meu ex, terminamos em maio de 2017 e tive que sair da casa. Esse meu ex era um abusador, um aproveitador, a pior pessoa que eu poderia ter conhecido na minha vida. Os abusos psicológicos que ele cometeu comigo, afetaram totalmente minha confiança e em como eu viria a me relacionar com outros caras, fora as crises de ansiedade que eu arrasto até hoje.
Mas então, eu fiquei amigo dos amigos dele da faculdade e em especial da Karls que virou minha melhor amiga.
Em 2017 eles terminaram a faculdade e em 2018 o contrato da casa venceu e eles finalmente poderiam se mudar, áquela altura ninguém suportava mais olhar pra cara do Karen.
Então, foi nesse momento, que a Karls e o Akarls me chamaram para vir morar com eles numa nova casa. Sem o Karen. E hoje nós três vivemos como uma família feliz com os nossos pets.
2019
Eu conheci um cara, eu vou chamar ele de Lars.
Lars e eu começamos a trocar mensagens, se conhecer, nos aproximarmos. Até então, antes dele, todos os outros caras que eu acabei ficando, não davam certo, (tem muito gay problemático nessa cidade). Mas Lars foi diferente, conforme nos conhecíamos, ele ia transpondo todas as muralhas que eu usava como defesa, pois meu maior medo seria voltar para um relacionamento abusivo, tóxico e doentio.
Com o Lars eu fui bem devagar, realmente queria conhecer ele, pra ver se o que eu estava sentindo era o certo e se ele não iria me fazer mal.
Nesse tempo conhecendo ele, eu desabafava com Karls todas as minhas inseguranças, pois ela tinha vivido todo o meu drama com o meu ex, ela sabia dos meus medos, receios, inseguranças em me relacionar com alguém e ela me dava todo o apoio, pra poder voltar a acreditar e saber que nem todo mundo é igual o Karen, que na verdade eu dei azar com o Karen, mas que não seria assim de novo.
Depois de tantos embates sobre minhas agruras eu acabei me desarmando e me permiti começar algo com o Lars.
Um mês e meio depois, finalmente decidi trazer ele em casa, para conhecer meus amigos e 😏.
Então, foi nesse fim de semana de novembro de 2019 que coisas aconteceram.
Depois de ficarmos, acabei aceitando os meus sentimentos por ele, pensei que depois de tanto tempo solteiro, passando por aventuras fracassadas com pessoas que não se encaixavam, onde a química só proporcionava uma reação inicial. Ali estava talvez o momento de poder compartilhar momentos com alguém.
Mas aquele início de sonho desmoronou muito rápido. No domingo quando ele estava pra sair para trabalhar, Lars me contou que iria para o Beto Carrero com um amigo. Fui pego de surpresa, pois ele não havia mencionado nada nas nossas conversas durante a semana.
Na época, Lars trabalhava como bartender numa cafeteria e reclamava de trabalhar muito, não ter finais de semana livres e só folgar nas segundas-feiras.
Como não tínhamos oficializado nada, nossa primeira vez foi na noite anterior e o fato de estar disposto a querer começar a construir uma relação tinha sido algo que eu havia arrazoado no meu coração, achei absurdo demais eu questionar porque ele não tinha me falado nada antes.
Tudo bem, ele iria no Beto Carrero com um amigo, logo após sair da cafeteria. Pegaria o ônibus na estação do Tietê no domingo a noite, passaria o dia no parque, já que a folga seria na segunda, e na segunda a noite ele voltaria e iria trabalhar na terça-feira de manhã. Eu, pelo menos, imaginei que seria assim.
Na segunda-feira, eu fui trabalhar normal, vi as fotos dele no Beto Carrero, os stories no Instagram aparentemente nada de estranho, mas a primeira coisa que me chamou a atenção foi o fato dele não ter postado um único story com o amigo, mas até aí, se eu encucasse com isso, seria uma atitude tóxica e eu não queria isso. Numa relação deve existir confiança.
Nós não nos falamos o dia inteiro, pois eu não iria ficar o importunando num passeio como aquele, que ele aproveitasse o máximo possível. Foi quando às 18:00 eu resolvi mandar uma mensagem para ele, já que eu estava saindo do trabalho.
A mensagem era mandando um "oi" e desejando que ele tivesse se divertido bastante e fizesse uma viagem tranquila de volta.
Foi quando ele me respondeu que não voltaria aquela noite, que ele iria para Balneário Camboriú com o amigo passear de barco. Eu fiquei completamente sem reação, foi um choque. Ele só reclamava de como o trabalho explorava ele, não era flexível e do nada, de uma viagem totalmente espontânea que aconteceu aleatoriamente pra aproveitar um dia de folga num bate e volta, surgiu uma folga no dia seguinte.
Eu não tive como não ser arrastado de volta para os tempos do Karen, onde eu fui trouxa por anos, onde ele matava aula pra transar na escada da faculdade, dizia que ficava até mais tarde no serviço pra não pegar trânsito, mas na verdade ia para dates furtivos de apps de pegação (inclusive tenho uma história ótima com relação a isso da época do Karen), enfim, meu cérebro e meu coração ligaram o sinal vermelho, as sirenes começaram a zunir no meu ouvido, a última coisa que eu queria era ser enganado como fui na minha última relação.
Voltando, Lars não falou mais nada depois disso, fui pra casa naquele dia. Na terça-feira de manhã, outro sinal de alerta, não tinha nenhuma mensagem no celular. Isso poderia ser irrelevante, se a gente não tivesse passado o último mês e meio, trocando várias mensagens e memes da hora que acordava até a hora de dormir. Me senti mal, a conversa tinha morrido da noite para o dia, fiquei angustiado, pois eu estava começando a gostar dele e aquilo mudou da noite para o dia.
Terça-feira se foi, ele em Balneário Camboriú, fotos e stories no Instagram se seguiram e nada desse amigo misterioso.
Finalmente, a noite ele estava voltando e mandou uma mensagem dizendo que estava exausto, mas estava voltando. Nesse momento, minha mente já tinha formulado mil e uma histórias, mas resolvi ser prudente, apesar da angustia que estava sentindo.
Foi difícil dormir aquela noite, na manhã seguinte, ele mandou uma mensagem dizendo que havia chegado, estava exausto, mas estava indo trabalhar.
Nossa conversa, já não era a mesma, algo tinha mudado, as palavras ou a ausência delas são um termômetro para o coração, escrever para outra pessoa é um ato de conexão e o nosso elo havia se rompido.
Foi quando resolvi confrontá-lo.
Segue abaixo a conversa no whatsapp:
[28/11 11:56] Denes: Desculpa, Lars.
[28/11 11:56] Denes: Eu não sei de fato o que aconteceu
[28/11 11:56] Lars: Pelo o que ?
[28/11 11:56] Denes: mas desde terça que eu sinto que nossa conversa morreu
[28/11 11:56] Lars: :(
[28/11 11:56] Lars: Eu que peço desculpas
[28/11 11:57] Denes: se vc puder me dar uma luz
[28/11 11:57] Lars: Questão de conversa tbm não sei ... :(
[28/11 11:58] Lars: Não quero ser cuzao contigo
[28/11 11:58] Denes: me diz o que tá acontecendo
[28/11 11:59] Lars: Gosto olhando no olho
[28/11 11:59] Lars: Gosto de vc
[28/11 11:59] Denes: talvez não haja olho no olho se eu não entender o que está acontecendo
[28/11 12:00] Denes: eu tb descobri que estou gostando de vc
[28/11 12:00] Denes: descobri de uma maneira bem ruim
[28/11 12:00] Denes: só quero que vc me diga
[28/11 12:00] Denes: sem medo
[28/11 12:02] Lars: Eu recebi uma ligação de alguém antes de viajar que me deixou balanceado
[28/11 12:02] Denes: prossiga
[28/11 12:02] Lars: Não gosto da ideia por aqui
[28/11 12:03] Lars: Mas tá bom ...
[28/11 12:03] Denes: por favor, agora que começou, não pare
[28/11 12:03] Lars: Pouco antes de conhecer vc eu tinha acabado um relacionamento ...
[28/11 12:03] Denes: hum
[28/11 12:04] Lars: E tipo ainda algo que me deixa balançado e tal ...
[28/11 12:05] Denes: entendi
[28/11 12:05] Denes: ah...
[28/11 12:05] Lars: E tipo não quero mentir pra vc
[28/11 12:05] Lars: Nem ser um cuzao contigo me entende
[28/11 12:05] Lars: Quero ser sincero sempre
[28/11 12:05] Lars: Não só com vc mas comigo mesmo
[28/11 12:06] Denes: então, o livro de Harry Potter que está com vc, foi um presente de um amigo meu que faleceu esse ano, será que posso pegar com vc na catraca amanhã da Santos Imigrantes
[28/11 12:06] Lars: Sim ... Claro ... Mas queria conversar mais com vc pessoalmente
[28/11 12:06] Lars: Se não se importar
[28/11 12:07] Lars: Tenho um presente pra vc
[28/11 12:07] Denes: eu vou me importar
[28/11 12:07] Denes: por favor, sem presentes
[28/11 12:07] Lars: Tudo bem :(
[28/11 12:09] Denes: amanhã as 8:30 te encontro na Catraca
[28/11 12:09] Lars: :( eu lhe entendo sabe ... Mas confesso que gosto de vc e queria que vc permanecesse na minha vida independente de qualquer coisa
[28/11 12:09] Denes: não será possível
[28/11 12:09] Lars: Tudo bem eu entendo vc ... :(
[28/11 12:09] Lars: Me desculpa
[28/11 12:10] Denes: te encontro amanhã na catraca sem falta
[28/11 12:21] Lars: Hj vc sai que horas do trabalho?
[28/11 12:24] Denes: Desculpa, Lars. Mas eu só pretendo te encontrar para pegar o meu livro. Não, temos nada para conversar. Você não me deve satisfações, justificativas ou esclarecimentos. Apenas o meu respeito. Mas, mesmo assim. Esse ponto final precisa ser colocado.
[28/11 12:25] Lars: Tudo bem eu entendo e respeito vc ... Falei de hj pq posso te entregar hj o livro
[28/11 12:25] Lars: Ele está comigo aqui no trabalho
[28/11 12:26] Denes: Eu saio às 18:00
[28/11 12:26] Lars: Posso te entregar hj o mesmo horário ... Na estação melhor pra vc
[28/11 12:27] Denes: Que horas na Santos Imigrantes vc vai passar por lá?
[28/11 12:27] Lars: Umas 19h a 19:30
[28/11 12:28] Lars: Mas espero a sua hora
[28/11 12:28] Denes: Okay, as 19:00 estarei lá
[28/11 12:28] Denes: Se chegar antes estarei sentado em algum dos bancos da plataforma
[28/11 12:29] Lars: Tá bom
[28/11 12:29] Lars: Sei o que vc vai falar ... Mas desculpas :(
Quando ele falou dessa ligação do ex e ficou balançado, eu senti uma enxurrada de sentimentos negativos, o tsunami de chorume que eram as mentiras do Karen voltando a tona. Todas as desculpas esfarrapadas, parecia que eu estava vivendo tudo outra vez.
Eu estava cego, na gana de não querer cometer os mesmos erros do passado, acabei sendo seco, duro e intolerante, condenando um pelos erros de outro.
Eu já tinha sentenciado dentro de mim que aquela viagem foi algo que ele tinha programado com o ex e que tinha ido com ele e que eles tinham se acertado e que ele queria me manter como step se nada desse certo. Enfim…
Nesse mesmo dia, fui buscar o meu livro (um fato curioso, esse livro que foi presente de um amigo que veio a falecer em 2019, foi um presente pra me lembrar o quanto eu sou uma pessoa corajosa, era a edição de 20 anos da Pedra Filosofal nas cores da Grifinória e dentro ele escreveu a famosa frase da Luna "As coisas que perdemos sempre acabam voltando para nós. Mas nem sempre na forma em que pensamos." https://imgur.com/a/ebJFd2U
Ironicamente, quando paro pra olhar isso em particular, penso na grande ironia de tudo.
Eu cheguei antes na estação, fiquei esperando, sentado num banco na plataforma, vendo vários trens passando, várias pessoas descendo na estação vindo depois de mais um dia de trabalho. A minha ansiedade estava a mil, eu queria chorar, estava angustiado com tudo aquilo, pior, sem entender como "tinha cometido" o mesmo erro outra vez.
Ele chegou uns 15 minutos depois, estava com o livro na mão, eu peguei o livro e então ele me estendeu os braços pedindo um abraço, fiz com ele o que eu devia ter feito com o Karen, olhei para ele com a minha pior cara de desgosto e nojo e falei "Adeus", virei as costas e deixei ele lá.
Hoje, não me orgulho do que eu fiz, sinto vergonha quando penso, mas para que vocês entendam aquele gesto, mesmo ele não sabendo, era algo traumatizante, no término com o Karen, quando coloquei minhas malas e meus livros no táxi, ele chegou até mim e na maior cara de pau, na sua maior interpretação pra burguês ver, ele me pediu um abraço e o trouxa aqui cedeu esse abraço, então ele sussurrou no meu ouvido "Sou eternamente grato por tudo o que a gente viveu e você vai sempre poder contar comigo para o que você precisar" e quando eu precisei o que eu ouvi? "Não tenho obrigação nenhuma de te ajudar."
Quando eu saí da estação, bloqueei o Lars em todas as redes sociais, Facebook, Instagram, Whatsapp e até o número dele pra ele não me mandar SMS ou ligar. Não queria nunca mais ouvir falar dele pelo resto da minha vida.
Alguns dias se passaram e a Karls me contou que Lars havia mandado mensagem para ela no Instagram dizendo que estava preocupado comigo, queria falar comigo e eu irredutível falei que nunca mais queria saber nada a respeito dele.
Então ali eu tinha colocado uma pedra em cima desse assunto, vida que segue.
Dezembro de 2019
Karls é uma garota muito linda, mas em todos esses anos de amizade ela só se envolvia com os piores caras do Tinder, uma fase da vida dela que fazemos piada, mas que se você olhar atentamente, era bem triste.
Ela tinha o sonho de conhecer um cara bacana, compartilhar momentos, viver toda aquela fantasia de namoro, dormir abraçada, assistir anime, cantar músicas da Disney e cozinhar todos os pratos possíveis de todos os programas de culinária que existem no mundo.
Depois de anos, esse cara apareceu. Vamos chamá-lo de Darls.
Darls é um cara super carismático, que faz amizade por onde ele passa, falador, contador de piada, solicito, uma pessoa que todo mundo iria adorar ter como amigo.
JANEIRO 2020
Parecia que Darls sempre esteve nas nossas vidas, Akarls e eu o recebemos de braços abertos, pois víamos o quanto ele fazia Karls feliz.
Logo ele começou me pedir dicas e mais dicas de coisas que fariam a Karls feliz e nesses 5 anos de amizade eu era a pessoa que mais sabia de tudo o que a Karls gostava.
FEVEREIRO 2020
Eles oficializaram o namoro, (meio rápido, mas…), então ela entrou numa tour para conhecer todas os amigos dele, pois ele queria apresentar a namorada para as pessoas importantes na vida dele.
Darls mora a 35km de distância, num bairro distante, 2 horas de viagem no mínimo, mas ele sempre estava vindo passar mais tempo aqui.
MARÇO 2020
Pandemia chegou, isolamento social foi instaurado, pessoas em casa. Eu sou editor de vídeo, então estou trabalhando em casa desde que esse inferno começou. E quem acabou vindo para cá, também? Exatamente, Darls.
A companhia dele era agradável, e por vermos Karls feliz, nada objetamos, aceitamos naturalmente a estadia dele aqui. Mesmo que nunca tenhamos conversado isso entre nós, foi natural olharmos para a felicidade dela.
ABRIL 2020
Um mês de quarentena, eu sou uma pessoa ansiosa. Solteiro que passou da barreira dos 30, já havia sentenciado que não conheceria ninguém e morreria só, pois já estava sem esperança de conhecer alguém em um mundo sem um vírus mortal, imagina em um mundo onde estar perto 2 metros de alguém pode ser sua sentença de morte.
Eu comecei entrar numa crise terrível, comecei trabalhar demais, a fazer 12 horas de trabalho por dia e no meu tempo vago eu comecei a assistir todos os filmes e curtas gays já foram produzidos no mundo. E nisso, fiz a burrada de assistir um filme que superestimei por anos.
Brokeback Mountain.
'O que eu fiz da minha vida?'
Eu fiquei tão mal, mas tão mal, que naquela noite eu fui dormir chorando e os dias que se seguiram eu tive tanto remorso pelo final daquele filme, que certo dia eu comecei chorar na frente da Karls e do Darls enquanto a gente almoçava.
No final de abril, meu tio implorou que eu fosse na casa dele, pois estava tendo um problema entre minha mãe e minha irmã e ele estava preocupado da minha mãe acabar se metendo em um avião e vindo pra São Paulo no meio de uma pandemia. Fui, como se eu já não estivesse colapsando, ainda tinha que resolver o problema de outras pessoas.
Naquela semana, eu assisti um vídeo, tenho 80% de certeza que foi no LubaTV os outros 20% acho que foi no canal do Henry Bugalho, que falava sobre perdão, algo do tipo "se não perdoamos, do que adianta pedirmos desculpas" e eu já estava muito reflexivo.
De noite, eu estava no apartamento do meu tio, quando recebi uma notificação de que alguém tinha me seguido no Twitter.
Abri a notificação e vi que era o Lars me seguindo quase 6 meses depois. Ele não tinha twitter e tinha criado uma conta por causa da quarentena.
Minha primeira reação foi bloquear ele, mas aí bateu aquele turbilhão de coisas acumuladas nessa quarentena. O final de Brokeback Mountain, a fala sobre perdão e um detalhe sobre o Lars que pesou muito, ele tem diabetes, acho que é um tipo raro, ele desenvolveu super novo, ele toma dois tipos de insulina, ele é grupo do risco.
Sentei no sofá e me perguntei, 'o que ele queria depois de todos esses meses? Ele não entendeu o meu "Adeus"?'
Pois, bem. Fui até o Instagram, desbloqueei ele e mandei a seguinte mensagem:
"O que você quer?"
Ele levou uma meia hora pra me responder, o 'digitando…' parecia eterno.
Resumindo, ele falou que se importava muito comigo, que eu marquei a vida dele, que nunca quis se distanciar de mim, que jamais foi a intenção me magoar com o que quer que tenha acontecido e que nunca dei a oportunidade dele se explicar.
E eu respondi, que não importava o que ele tivesse para me dizer, não ia mudar a opinião que eu tinha sobre ele.
Ledo engano, meus caros.
Fui dormir às 4 da manhã, tirei tudo de dentro de mim, tudo o que eu inventei na minha cabeça. Porque no meu relacionamento anterior eu ouvi tantas mentiras, que acabei jurando que qualquer um iria mentir para mim, era o único referencial que eu tinha.
Só para que vocês saibam, era realmente um amigo, as fotos que ele tirou junto com o amigo no Beto Carrero, foram todas no celular do amigo a folga da Terça-feira, o chefe dele estava devendo uma folga para ele e como ele não iria poder tirar essa folga a mais do que as que estavam previstas para Dezembro, o chefe deu a folga pra ele na terça para que ele aproveitasse mais um dia de viagem. E sim, o ex dele ligou, ele ficou balançado, pois eles tinham tido uma história recém terminada, mas ele me contou, primeiro porque eu insisti, mas também porque ele não queria mentir pra mim, já que eu tinha todo esse problema com mentiras, então ele queria ser honesto comigo desde o início e que nunca foi a intenção dele voltar com o ex, tanto que ele não voltou, ele queria estar comigo, e que mesmo tendo passado todo aquele tempo ele nunca tinha me esquecido e não tinha desistido de mim.
Eu falei para ele que não sabia como reagir a tudo aquilo, disse que não sabia se seria capaz de confiar nele. E que ele não tivesse esperança, mas que eu iria refletir sobre tudo aquilo.
Então eu voltei pra casa e compartilhei a história com Karls e Darls.
Karls ficou meio com o pé atrás, mas Darls me apontou os erros que eu cometi, me fez enxergar o quanto eu tinha exagerado pelo medo e desconfiança que eu tinha, que não tinha nada a ver com Lars e minha ficha caiu.
Agora, tudo o que me restava era o meu orgulho, eu precisava passar por cima disso.
Voltei a conversar com Lars, aos poucos, foi difícil no início, mas ele foi muito tolerante, eu expliquei que não estava sendo fácil voltar a conversar com ele, mas que compreendi que muito daquela situação era culpa minha.
Ele começou a me mandar mensagens de manhã e a noite, de bom dia e boa noite e esporadicamente algum meme. Foram duas semanas conversando quando houve a necessidade da gente se ver. Eu não sabia como iria reagir.
Sim, ele viria aqui em casa no meio de uma quarentena, mas antes que cresça os julgamentos, moramos próximo um do outro, ele viria a pé, sem pegar nenhuma condução e num horário de pouco fluxo.
MAIO 2020
Então comuniquei que ele viria aqui em casa para Karls, Akarls e Darls. Aparentemente, achei que todos tinham recebido a notícia de bom grado.
Ele veio, a primeira coisa que ele fez foi ir para o banheiro tomar banho, com Covid não se brinca. Depois, sentamos e conversamos, e mais uma vez, eu falei tudo de novo, dessa vez olhando no olho, colocando tudo a limpo, uma conversa franca, contei de todas as impressões que eu tive de tudo o que aconteceu, como a narrativa se construiu na minha cabeça e porque agi da maneira que agi.
Em contra partida, ele disse que estava tudo bem, disse que ficou muito chateado, mas os amigos dele conversaram com ele dizendo que tinha um motivo para eu agir como eu tinha agido. Ele me falou que nunca me esqueceu e queria ter uma oportunidade de conversar comigo e esclarecer as coisas, pois sabia que tudo tinha sido um grande mal entendido. Ele falou que mandou várias mensagens para a Karls, mas não obteve resposta. E quando ele me mandou o convite no Twitter, ele disse que seria a sua última tentativa de se aproximar de mim, se não desse certo, ele mesmo desistiria de tudo.
Ele passou três dias aqui em casa, eu não me abri tanto com ele com relação a isso, mas eu senti muito remorso por como as coisas aconteceram por minha causa.
Outra coisa, lembra na mensagem, quando ele falou que tinha um presente para me dar e eu falei que não queria? Ele trouxe o presente, ele guardou o presente todo esse tempo e disse que toda vez que via o presente, ele lembrava de tudo o que a gente viveu e a coisa que ele mais queria era me dar esse presente, que ironicamente ele comprou na viagem para o Beto Carrero.
Era um funko do Harry Potter, já que eu amo muito Harry Potter. (Não, não sou transfóbico, eu amo Harry Potter desde 2000). http://imgur.com/gallery/cah0Ry7
Ele voltou pra casa dele. Continuamos a nos falar, reatar laços, ter essa troca.
Compartilhei minhas impressões com Karls e Darls, eu estava relutante, desacreditado. As pessoas subestimam relacionamentos abusivos, mas a gente carrega coisas por anos, os estragos são terríveis, estava eu provavelmente estragando uma oportunidade de ser feliz por medo de ser feliz.
As coisas foram devagar, estávamos conversando de nossas rotinas na quarentena, ele o quanto sentia falta do trabalho e não aguentava mais assistir séries e eu o quanto estava trabalhando e engordando, já que editor de vídeo trabalha em casa, praticamos isolamento social antes disso "estar na moda" (✌️ salve editores do canal, eu juro que tô escrevendo essa história que já passa de 4 mil palavras, pensando se realmente o Luba lerá essa história na Turma-Feira, fico imaginando no trabalhão que vocês vão ter pra editar, se eu puder pedir, posta a Timeline pra eu ver como ficou no final, curto muito timelines [Sim, pra quem não entende, isso é meio creep]).
JUNHO 2020
Lars voltou, veio para estar comigo no meu aniversário, inclusive ele me presenteou com Find Me do André Aciman, ele disse que queria me dar a muito tempo, pois em novembro do ano passado eu estava lendo Call me by your name e eu estava namorando pra comprar o livro quando fosse lançado, mas não deu nem tempo dele poder comprar na época.
No meu aniversário, resolvi cozinhar para comemorar, fazer escondidinho de frango. Eu estava de folga e queria fazer algo especial para Karls, Darls, Akarls e Lars. Eu passei a tarde e começo da noite cozinhando e Lars me ajudando.
Então, aconteceu o estopim de todo o caos.
Karls e Darls desceram e viram que o escondidinho não estava pronta ainda, ela fechou a cara e disse "Nossa, ainda não está pronto?". Depois eles fizeram um sanduíche e comeram e subiram, bastou aquilo pra me entristecer, até entendo que ela poderia estar com fome, mas ela bater porta de armário e a porta da geladeira acabou todo o meu ânimo, me senti super mal.
Comi aquele escondidinho triste, o clima na mesa estava tenso e na boa o que era pra ser uma comemoração no que eu acreditava ser entre família, foi a porcaria de um jantar de aniversário que eu perdi tempo fazendo.
Lars voltou pra casa dele, continuamos nos falando e estreitando os laços, aproveitando a companhia um do outro, e finalmente no meio de toda essa situação de merda que estamos vivendo no planeta, senti uma esperança de que talvez tudo daria certo, pelo menos uma vez.
Mais uma vez, ele veio passar o fim de semana aqui em casa, e foi divertido, assistimos filme, contamos piadas e o melhor, eu estava podendo dormir abraçado com ele, por a cabeça no travesseiro e não me sentir só.
JULHO 2020
O mês do caos, eu odeio Julho, por tantos motivos, sério. Eu tenho inúmeras histórias de desgraças nesse mês que PQP (Gif da Xuxa).
Lars me mandou mensagem dizendo que ele teve uma briga terrível com o sobrinho dele, na briga eles só faltaram sair na porrada, ele falou que estava mal por estar na casa da irmã dele e por toda essa indisposição com o sobrinho que tem 18 anos e é um completo folgado. Ele disse que iria procurar um lugar pra ficar, mas até lá, ele perguntou se poderia ficar aqui até encontrar esse lugar.
E como eu já fui colocado pra fora de casa pelo meu tio e me vi sozinho, eu sei o quanto é importante ter alguém pra estender uma mão amiga nessa hora.
Eu respondi que sim, mas que ia comunicar o Karls e o Akarls. Expliquei a situação Lars e eles falaram que tudo bem.
A Karls começou a fazer um freela permanente em um grande estúdio aqui de SP, então ela já não estava ficando em casa e quando estava, ficava a maior parte do tempo com o Darls, que ficou aqui em casa, mesmo ela trabalhando regularmente, já que as coisas estão flexibilizadas por aqui.
A princípio, Lars ficaria aqui até dia 10, ele tinha acertado de ir morar com um pessoal que ele achou num grupo do Facebook, mas o lugar onde esse pessoal ia morar não deu certo, pelo o que ele me contou, foi lance com a Porto Seguro, ele ficou decepcionado, porque os meninos eram legais. Então, ele voltou para a busca de encontrar um lugar pra ficar, eu inocente disse que ele poderia ficar o tempo que precisasse.
Interiormente, eu queria me redimir por toda a injustiça que foi o nosso início, queria fazer certo dessa vez, pois ele estava sendo bom pra mim e eu nunca tinha tido isso, esse convívio.
Enquanto ele estava aqui, comecei a ter companhia para o almoço, passei a comer direito, já que ele é obrigado a comer certo por causa da diabetes, eu estava até me alimentando nos horários certos. As noites assistíamos séries abraçados, até a hora de dormir. Parecia um oasis no meio de todo esse inferno que estamos vivendo, por um único instante eu esqueci de tudo de ruim.
Nesse período, ele estava procurando vários quartos, mas só encontrava cativeiros sendo alugados por mercenários.
Conforme o mês ia passando, Karls estava bem estressada com tudo e quando estava todo mundo na cozinha, ela parecia evitar querer falar com ele. No início, eu pensei que fosse TPM ou alguma coisa em particular dela com Darls.
Mas eu tive certeza que era alguma coisa com o Lars, no dia que estávamos jantando e ela veio informar que o botijão de gás tinha acabado e ela tinha comprado um novo, mas ela insinuou que estávamos cozinhando demais. Eu fiquei, sem reação, pois não esperava por aquilo, como eu falei, ela e o Darls estavam fazendo todas as receitas que existiam na internet, como que o Lars 10 dia aqui era a causa do botijão ter acabado?
Então aquilo começou a ficar espinhoso e o meu erro foi não ter confrontado. Eu comecei a me sentir acuado com o Lars e não sabia o que fazer, ele já estava numa puta situação frágil por ter saído da casa da irmã por indisposição com o sobrinho e a coisa que eu mais queria era que ele se sentisse confortável na minha própria casa.
No meio de tudo isso, ele voltou a trabalhar e eu passei a acordar cedo junto com ele, pra tomar café e abrir o portão pra ele poder sair, num desses dias, eu levantei e fui no banheiro e enquanto eu usava, a Karls bateu na porta perguntando quem é que estava lá dentro de uma maneira meio ríspida, no caso era eu, mas o Lars viu a situação toda, ele não me falou, mas eu reparei que ele parou de tomar banho de manhã antes do trabalho. Dizia ele que o banho da noite era suficiente.
Depois, ele parou de tomar café da manhã, disse que tomaria café na cafeteria que ele trabalha.
A próxima coisa que aconteceu foi um dia que eu estava na cozinha e fui informado que Karls e Akarls decidiram que não iríamos mais fazer as compras de mercado juntos. E que só manteríamos os produtos de limpeza e higiene e que o resto era cada um por si.
Confesso, que na hora não compreendi o que estava acontecendo, eu estava muito desligado, na verdade não acreditava que os meus amigos estavam me excluindo por causa do Lars, eu estava sendo ingênuo, pois não imaginaria que aquilo estava acontecendo.
No meio desse caos todo, Lars, virou pra mim e disse que a irmã dele pediu que ele fosse na casa dela. Então ele iria direto do trabalho e dormiria lá no sábado para o domingo, já que estaria de folga e voltaria pra cá no domingo a noite.
Só que ele não voltou, ele disse que a irmã dele pediu para que ele dormisse lá mais uma noite. Pensei, okay, ele vem então amanhã direto do trabalho pra cá, mas aí ele não veio na segunda, foi quando o peso de tudo bateu.
A essa altura eu já estava angustiado com tudo aquilo e direcionei minha frustração para o lado errado, em vez de confrontar quem estava causando toda essa situação insatistória, eu cobrei dele, porque ele não estava aqui. Perguntei, porque ele não queria estar mais aqui. Ele falou que queria. Então, eu perguntei porque o domingo, virou segunda e agora a segunda virou terça? Ele hesitou, aí eu perguntei se era por causa da Karls e ele disse que só não queria incomodar ninguém.
Eu fiquei mal, por ele se sentir mais incomodado na minha casa do que na casa da irmã dele com o sobrinho folgado que estava fazendo da vida dele um inferno.
Fiquei desapontado, ele veio na quarta, conversei com ele, disse que iria conversar com a Karls sobre toda essa situação. Mas já era tarde.
Era a última semana de Julho, e antes mesmo que eu pudesse conversar com a Karls, Akarls chegou dizendo que não dava mais para dividirmos a conta de água como estávamos fazendo, por 3, teríamos que dividir por 5, já que a conta ficou mais cara.
Na sexta-feira daquela semana, Lars encontrou um quarto numa casa que ele meio que alugou as pressas e ele se mudaria na primeira segunda de agosto. Quando eu pude confrontar Karls, no sábado, sobre tudo aquilo, já era tarde. Falei que fiquei chateado deles quererem repartir a conta da casa por 5 com o Lars pelo mês que ele passou aqui, mas isso nunca foi nem cogitado nos 5 meses do Darls aqui. Falei que fiquei decepcionado por ela não ser capaz de enxergar a minha felicidade. Por não ser capaz de ver o quanto eu estava feliz, como eu enxerguei a felicidade dela com o Darls e o recebemos de bom grado dentro de casa por causa da felicidade dela. Disse que foi muito cômodo pra ela ter alguém pra poder dormir junto, assistir coisas juntos, ter os momentos a dois e quando eu pude ter o mesmo, ela não olhou para mim com os mesmos olhos.
Enfim, Lars se mudou, tomei esse tempo que poderia estar assistindo uma série com ele para escrever tudo isso. Angustiado e decepcionado. Darls não tem culpa de nada do que está acontecendo, mas agora acho completamente injusto ele estar aqui e o Lars não estar, não sei o que fazer, minha vontade é de falar, "acabou a quarentena para os dois, pode voltar para sua casa". Me sinto injustiçado e triste por alguém que eu amo tanto, não ter sido capaz de enxergar que eu estava feliz. É isso, estou esperando a próxima sessão da minha terapia e Karls e Darls estão lá no quarto dela e eu estou só.
E para finalizar, essa foi minha conversa agora a pouco com o Lars.
Lars https://imgur.com/gallery/PRrxEI6
submitted by denesfernando to TurmaFeira [link] [comments]


2020.08.05 16:01 LiviLuthorDanvers Ex namorada abusiva ainda se acha o amor da minha vida

Ok, pensei muito antes de mandar isso aqui, mas uma história dessa não deve ser desperdiçada. Então, por favor façam essa história chegar no Luba, pelo amor de Rao
Bora lá. Olá, Luba, editores, gatas, falecidos papelões, possível convidado and turma que está a lever.
Contexto da história: minha ex terminou comigo de uma forma muito escrota, descobri que ela ja estava noiva de outra garota, ela me disse que eu era doente por amar tanto ela e que eu precisava me tratar. Tinha bloqueado ela meses atrás, mas vieram me falar que ela precisava falar algo muito importante comigo, então eu desbloqueei ela. Agora bora pra história, irei transcrever a conversa aqui.
Ela- **** Preciso conversar com você. Ai mas como está?
Eu- Bem e vc? Sobre o que quer falar?
Ela- Muito mal. Mas acho que isso não ti interessa
Eu- Vdd, não me interessa. Então... O que quer falar?
(Duas horas depois)
Não tenho tempo pra mistério. Não quero ser grossa, mas vc sabe o que fez, o que falou, então não vamos fingir que somos amigas, certo?
Ela- Não ti preocurei pra brigar. Comigo ficaram guardadas momentos lindos do nosso romance. Serio, não imaginei que depois de tanto tempo você voltaria me tratar com cinco pedras na mão. Bom dia!
Eu- Olha... eu não vou nem comentar. O que vc queria falar?
(Três horas depois)
Olha, eu vou dormir. Quando eu acordar espero que vc tenha dito o que vc quer tanto falar comigo. Como ja disse antes, não tenho tempo pra mistério.
Ela- Olha meu amor. Não fale desse jeito comigo okay? Do jeito como me trata, me deixa sem forças pra falar o porquê ti procurei. É uma pena ter gastado o seu tempo a toa Tenha um bom dia. E esqueçe o que ia falar. O seu clima comigo não ajuda.
Eu- Só fala o que vc quer tanto falar.
Ela- A gente se fala quando estiver disposta em conversar comigo.
Eu- Só fala logo. Para de rodeio. Quanto mais mistério vc faz, mais irritada e sem paciência eu fico.
Ela- Você ainda está magoada comigo?
Eu- Sim.
Ela- Gostaria que me perdoasse. De todo o coração. Com toda a sinceridade 😔
Eu- Era sobre isso que vc queria falar comigo?
Ela- É o começo pra poder dizer o que tenho a falar. Mas é importante a sua resposta.
Eu- Certo... Vc tem o meu perdão, pq não quero ficar remoendo isso pelo resto da minha vida.
Ela- Obrigada se é que o seu perdão é sincero. Não quero mais perder a ligação com você. Desde que você me deixou, não sou mais feliz. Sonho com você todas as noites como antes. Pra mim é importante ti falar disso.
Eu- Ta bom. Mas onde vc quer chegar? Humm. E o que vc quer que eu faça em relação a isso? Ja te dei o meu perdão.
Ela- É tudo que queria falar pra você. Que você ainda vive em mim. Eu estou doente de saudades de você. Mas entendo se nao quiser saber mais nada de mim. (Ela mandou um áudio dizendo que talvez esse ano poderia vir para o Brasil e que quer me conhecer)
Eu- Olha, não quero ser grossa, mas não quero me encontrar com vc, não quero te ver. Estou muito bem com a minha namorada e não quero que isso seja abalado por um fantasma do meu passado.
Ela- Tudo bem. Fantasma. Hum ok. Posso ligar pra você? Me liga quando puder.
Eu- Estou ocupada agora.
Ela- Tá. Ainda vai me ligar?
Eu- Minha namorada está aqui em casa. Estou ocupada.
Ela- Está bem! Tranquila, eu super entendo. Sem problema.
Dois dias depois
Ela- Mulher, preciso ti ouvir. Você se esqueceu que sou amor da sua vida? Nem essa garota, nem o tempo vai mudar os meus sentimentos por ti.
Eu- Não é mais. Vc perdeu esse posto quando me tratou daquela forma, vc perdeu toda e qualquer chance de voltar a ter algo comigo quando me tratou assim. Deixei isso bem claro
Ela- Eu não perdi nada amor. Apenas eu era imatura e precisava me organizar e entender o que realmente queria. Eu quero ti amar como nunca. Não me negue.
Eu- Não Me Chama De Amor Vc perdeu por ser imatura, por se comportar como uma mimada que achava que poderia usar as pessoas e descartar quando não serviam mais.
Ela- Chamo e repito. Amor da minha vida. Por favor ****, Eu nunca descartei você. Você me deixou e sumiu do meu coração que tanto se completava por você. O meu coração e eu, sentimos a sua falta.
Eu- É, vc não me descartou. Só me chamou de doente e disse que eu precisava me tratar. Ahhh disse também que ficou comigo por pena. E como cereja do bolo a sua noiva ainda me chamou de câncer. Vc quer mais?
Ela- Sim, quero você. Eu não estou mais pra perder tempo sendo que a minha felicidade é ao teu lado. Me deixe conhecer o mundo de mãos dadas com você por favor😔
Eu- Isso vc nunca mais vai ter. Olha, não quero entrar nessa discussão de novo. É melhor cada uma seguir o seu caminho, eu não sinto mais o mesmo por vc. Sinto muito por isso, mas é a vdd. Eu não amo mais vc, Cals. Encontre alguém que ame vc, que queira ficar com vc e nunca magoe essa pessoa, nunca faça ela sentir o que eu senti quando vc falou tudo aquilo.
Ela- O problema é que você nunca me amou, e nunca sentiu nada por mim. Foi daí que tudo acabou. E se estou aqui, não é porque não deu certo com a **** É por amor puro mesmo.
Eu- Por favor, não me mande mais mensagens. Não quero ter que bloquear vc, se caso vc venha mesmo para o Brasil, não me procure. (Mande um áudio pra ela dizendo que não amo mais ela, que estou feliz com a minha namorada e que não quero mais ela na minha vida)
/Nota: coloca uma música triste/
Ela- Não me fale de amor se bem que não tas mais disposta em me dar. O amor que carrego no peito, não é algo simples entendeu? Você sabe e sempre soube que és a minha pessoa preferida. Ai como queria poder dizer o quanto eu te amo sem usar apenas palavras. Só que algum dia eu dê esse amor alguém que não o merece tanto quanto você. Mas eu não quero mais ninguem a não ser você.. E saiba que está me traindo com outra. Ó meu Deus, que dor💔😔
Eu- Te traindo? É sério isso?
Ela- Serio. E eu aqui morrendo de amor por ti e me fala de outra Sim, você com outra.
Eu- Vc diz tudo aquilo, parte o meu coração, destrói o que restava da minha auto estima e tem a coragem de dizer que eu te trai?
Ela- Você está me traindo com outra. Meu Deus do ceu. Mulher, como pode?
Eu- Olha... eu não te trai E nós não temos mais nada. N A D A Então, só para com isso. Eu sabia que vc não queria só o meu perdão, sabia que de alguma forma ia quer que a gente voltasse (Aqui eu já sabia que daria uma boa história)
Ela- Eu não ti quero distante de mim ok? Bloquear um amor, não é uma opção sábia O que você sente me ferindo? Eu não ti desejo felicidades com outra pessoa porque eu quero você.. Você é minha mulher. Volta pra gente Porque sabe o quanto te amo e ti quero comigo. É demais como fiquei implorando pelo o seu Amor.. Não irei ti forçar, não irei mais insistir na gente. Que seja o que Deus quiser. Não serei a primeira na vida. Isso acontece🙏
Eu- Assim como eu implorei o seu.
Ela- De tudo que você falou pra mim, e de como falou, revela que não me perdoou. Quem perdoa esquece, e não volta remexendo o mesmo. (Realmente, só falei aquilo pra ela não encher mais o saco)
Ela- Não largue nada da sua vida. Definitivamente quem vai embora sou eu. Não sei mendigar ou implorar por amor. Por tanto, pra ti fazer acreditar que também mudei e sou decidida, irei sumir de vez. Ti juro que não irá mais saber de mim. Que o meu sumisso seja motivo de felecidade eterna em sua vida.
Eu- Olha, essa conversa ja durou tempo demais. Tempo esse que eu poderia está conversando com a minha namorada ou fazendo algo melhor que revirar o passado. Eu não te desejo mal, Cals. Só desejo o melhor pra vc, que vc encontre alguém que te ame. Certo, então é isso Vc vai seguir a sua vida e eu vou seguir a minha. É uma pena tudo ter acontecido dessa maneira, mas não dá pra mudar o passado. Realmente te desejo o melhor e que vc fique bem, que encontre quem te ame de verdade pelo o que vc é e não pelo o que vc tem
(Depois ela rearfirmou que iria sumir da minha vida e tudo mais... e no outro dia mandou um oi, ai levou block. Minha paciência acabou)
submitted by LiviLuthorDanvers to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.28 02:46 Background-Fish3121 Ciúmes do pai da enteada

Oi pessoal,
Há mais ou menos 15 anos conheci minha namorada. Ela já tinha uma filha na época, com pouquíssimos meses, recém-saída de um relacionamento conturbado de idas e voltas. Na época, nem eu achei que poderia dar certo, mas o fato é que a coisa foi rolando e cá estamos nós, agora com mais um filho de 5 anos nosso, a menina com 14, e morando todos juntos.
Como ela tem um pai biológico, consentimos que a menina não me chamaria de pai. Eu que dei essa ideia principalmente por não saber como ele reagiria, e por não ter certeza que o relacionamento duraria tanto. Mas, sem qualquer surpresa, eu terminei ajudando muito na criação dela, educando-a, ensinando-a as coisas da vida e se tornando o amigo mais próximo que posso ser. No meu coração, sinto como se fosse minha filha mesmo. Ela me chama pelo nome, e me apresenta como padastro (normalmente) ou pai (mais raramente) para as amigas e pessoas em volta. A família como um todo entende que ela "dois pais", e tenho certeza que ela também sente isso, pois eventualmente diz isso. Para terminar de contextualizar, ela é muito carinhosa comigo, me ama, nos entendemos muito bem e temos um relacionamento digno de pai-filha (e orgulhosamente daqueles modernos, pois sou bem mente aberta). Talvez pela situação, peco no sentido de não dar os devidos limites algumas vezes, peso que termina ficando sobre a mãe, já que o outro pai nunca participou da educação dela nem procurou saber como é feita. A mãe diz que ele é só oba-oba, pega no final de semana e devolve sem ter nenhuma preocupação com as responsabilidades que um filho exige; concordo que ele é sim (nunca perguntou nem demonstrou interesse em nada sobre a criação; acho que só muda se um dia encontrar uma parceira, ter outro filho e não se separar), porém como a mãe e o pai dela não tem uma boa relação, fico sem ouvir o outro lado da história e bater o martelo sobre esse aspecto. Por fim, vale dizer que minha enteada e o pai dela também tem uma boa relação, e apenas imagino como deve ser pra ele também tudo isso, se é que ele pensa sobre (acho que não).
Como a guarda é da mãe, a menina sempre teve mais contato conosco que com o pai, ainda mais que há alguns anos precisou mudar para Natal a trabalho (moramos em Brasília), com visitas mensais e videochamadas para tentar suprir a distância. A menina não toma a iniciativa, é o pai que tem que ligar.
O ponto onde quero chegar: nos últimos anos tenho sentido muito ciúmes da relação dela com o pai. Cada presente que ela ganha, cada conversa animada, tudo isso termina me deixando meio bad, e as vezes fico chateado só por ele ligar (normalmente uma vez durante a semana é uma no fim de semana). Quando tive meu filho, achei que ia deixar essa questão um pouco de lado, mas parece que piorou. Acredito que seja porque depois que ele nasceu eu me aproximei como nunca da minha enteada, com medo de que ela se sentisse rejeitada dada a atenção que o irmãozinho novo naturalmente recebe (se já é comum entre irmão biológicos, imagine nesse caso...), mas divago.
Procurei muito na internet e não encontrei caso parecido com o meu, somente orientações de como ser um padrasto. Aprendi que o correto é não tentar substituir o papel de pai (pois ela tem um), muito menos criticá-lo ou aliená-la parentalmente, porém isso está me consumindo mais do que o normal e tem me incomodado cada vez mais, a ponto de eu achar na minha cabeça que é uma rivalidade (e claro, é óbvio que não é!).
Gostaria de saber a opinião de vocês se alguém tem alguma situação parecida ou dicas de como posso lidar com isso.
Criei uma conta só pra isso porque sabe como é o DF, pra me identificarem não precisa muito.
submitted by Background-Fish3121 to desabafos [link] [comments]


2020.06.24 22:48 whote__ historia nada a ver mas precisava desabafar pq sinto que vou EXPLODIR

Não sei bem por onde começar, mas bem... Oi turma :) Prefiro deixar meu nome em off, queria contar uma historia que aconteceu/vem acontecendo há um tempo e eu sinto que vou sufocar se não conseguir falar isso pra alguem... Eu comecei a namorar um colega de faculdade no começo de 2019, ele tinha uma fama de sempre ser escroto com garotas, de ficar falando mal pelas costas, achei que fosse mentira, até pq na faculdade eu também tinha fama de piranha, mesmo sem ser (só havia ficado com duas pessoas da universidade inteira durante os 3 anos que cursei, larguei logo em seguida o curso). Enfim, mesmo se ele fosse essas coisas, achei que poderia mudá-lo... Bom, no começo era incrível, a gente se divertia muito, nosso ciclo social era o mesmo, então era muito mais fácil. A gente costumava ir muito pra barzinhos, bebia muito, mas eu nunca quis fazer nada a mais com ele, nunca me senti confortavel pra fazer coisas com ninguem e também nunca sequer senti vontade. Até ai tudo ok, até que um dia eu tava muito bebada e pedi pra ele me levar pra casa, encostei a cabeça no vidro do carro e fui dormindo no caminho, quando acordei ele tava me levando pra um motel, e eu entrei em panico e simplesmente desci do carro e sai andando sozinha na rua, de madrugada, até encontrar um posto de gasolina e então pedi um uber de lá. Depois desse dia eu decidi terminar, mesmo gostando muito dele. Passou um tempo, eu tava num role com uns amigos, ai acabaram soltando que ele tava ficando sério com uma menina (que se dizia muito minha amiga), e não faziam nem duas semanas que a gente tinha terminado, e eu no auge do alcool e da minha falta de noção, liguei pra ele, falei que tava com muita raiva, que amava ele, e tudo ele respondendo que se sentia do mesmo jeito, que queria ficar comigo mas não ia terminar com a carls só pq eu tava pedindo pra voltar. Enfim, mesmo com todo esse drama, ele continuou com ela, mas toda noite me ligava, falando que me amava e um monte de coisa linda, tal dia eu resolvi confrontar a menina, pq ela era minha amiga ne? Ela falou que não quis me dizer nada pq não queria me magoar, que ela tava apaixonada por ele e que sim, eles iam acabar namorando. Até que na vespera do meu aniversario, fui num evento na faculdade, que eu ja tinha largado nessa época, e como eram os melhores amigos que tinham organizado, eu fui pra dar meu apoio (e pra beber de graça também ne kkkk). Ele tava lá, e a menina não, acabou que o evento terminou umas 22h e eu disse que queria virar meu aniversário junto com a galera, dai a gente foi pra um barzinho e ficou por lá até meia noite, dai quando a gente tava indo pra cara, ELE insistiu com o pessoal pra deixar eu e meu melhor amigo em casa (pq a gente mora muito perto) dai ele deixou meu amigo em casa primeiro, e eu tava extremamente alterada, dai na hora que ele parou na porta da minha casa ele me beijou, e eu trouxa apaixonadinha deixei, mas ele ainda tava com a garota. Ok né, depois desse dia a gente voltou, só que as coisas ficaram meio estranhas, ele insistia pra me buscar na faculdade todo dia (eu tinha começado outro curso, a aula acabava 23h e ele morava do outro lado da cidade), ele ficava com raiva se eu não respondesse ele no whatsapp quando eu tava no trabalho, ou ficava puto pq quando eu chegava em casa e dormia, e ainda ficava entrando no assunto de sexo constantemente, e eu nao queria, sinceramente nao queria. Minha rotina era extremamente puxada, eu tava treinando pra um campeonato nacional (sou atleta de mma), entao de 7h até umas 10h~11h eu treinava, corria pra entrar no trabalho 12h e saia 19h e depois corria pra faculdade pra entrar 19h e sair 21h, então muitas vezes eu nao queria sair no fim de semana, eu so queria descansar, e ele tinha muita raiva disso. Até que no começo desse ano, bem no começo de janeiro, eu decidi terminar, pq nao tava conseguindo priorizar ele da maneira que ele queria, mas ai começou o problema, primeiro que quando eu falei que queria terminar ele soltou um "eu devia ter escutado meus amigos e nao ter namorado uma puta como voce", e detalhe que ele sempre ficava trazendo coisas do meu passado como se fossem muito erradas, tipo eu ter ficado com pessoas (????) como se fosse super errado... No dia que terminei, ele passou a noite inteira com o carro estacionado na frente da minha casa, e no outro dia e no outro... Começou a aparecer no meu trabalho, no estacionamento da minha faculdade, e foi ai que minha sindrome do panico voltou a atacar, comecei a ter crise de ansiedade, ataque de panico so de ver carro igual ao dele na rua. Então chegou ao ponto que eu não conseguia mais sair de casa, só consegui sair lá pro final de março, depois dos meus amigos insistirem muito, então a gente foi, curtiu uma noite muito daora, foi super divertido, uma dia perfeito. Mas como nada pode ser perfeito, quando a gente tava do lado de fora do barzinho decidindo qual ia ser a rota do uber, ele apareceu la do nada, ninguem tinha falado, ninguem tinha postado nada, eu implorei pros meus amigos nao falarem pra ninguem onde a gente ia estar, mas lá tava ele, sozinho no lugar que a gente tava. Eu comecei a passar mal, e pedindo pra ele ir embora, e ele dizendo que queria conversar comigo e que me deixava em casa, depois dele insistir muito e de contraria todos meus amigos eu aceitei ir com ele pra ver o que ele tinha pra falar, foi a pior ideia da minha vida. Então a gente tava no carro e ele começou a falar como eu tinha sido ingrata, como eu tinha sido uma namorada ruim e eu tava tão focada na conversa que não percebi que de novo ele tinha me arrastado pra um motel, e começou a insistir pra eu entrar com ele pq ele queria so terminar de conversar, e a gente nunca tinha como, e então eu nao aceitei, eu tava com medo, queria ir pra casa, meu celular tava descarregado, e ele começou a insistir que eu subisse, e eu nao queria, até que consegui me soltar dele e, posso estar louca mas posso jurar que ele me empurrou da escada, mas foi meu jeito de fugir e sai correndo até chegar na recepção e pedi pro cara chamar um uber pra mim, meu braço tava doendo muito. Consegui sair de la, cheguei em casa chorando mas não podia contar o que tinha acontecido/o que vinha acontecendo pros meus pais pq eles são muito crentes e iam acabar me culpando por tudo, então inventei uma historia qualquer pra minha mãe pq ela ja tava com muita raiva de mim por estar chegando 4h da manha em casa, então tomei um banho e fui dormir, e com meu braço doendo muito. No outro dia meu braço tava super inchado, minha caixa de mensagem lotada de mensagens dele me xingando. Fui no hospital bater um raio x do braço, descobri que tinha quebrado, acabei perdendo o campeonato que eu tanto treinei pra participar e ficou por isso. Logo em seguida perdi meu emprego por conta da quarentena, tenho zero ideias de como vou pagar minha faculdade proximo semestre, e até hoje recebo constantemente mensagens dele me xingando e no outro dia pedindo desculpas pq ele me ama... Isso consome minha cabeça 24/7, penso nisso o tempo todo, tenho pesadelos todas as noites, então so durmo a base de remedio, e nunca pude contar nada pra minha familia pq eu que estaria errada nisso tudo. Peço desculpas a quem leu até aqui, eu literalmente so precisava desabafar...
submitted by whote__ to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.24 14:48 capslockoff28 Hoje tive um sonho que me fez refletir um pouco como enxergo uma parte da minha vida

Hoje, dia 24 de Junho de 2020, em meio a uma pandemia que estamos convivendo desde março, tive um sonho que me fez refletir sobre minha vida amorosa e como enxergo ela.
Tive um sonho em que nele estava minha ex-namorada (vou chamar de Bianca), e outra garota (muito mais bonita e simpática).
Em certo momento do sonho, me perco das duas e após alguns instantes eu encontro apenas essa garota, sozinha, sem Bianca.
Essa garota me parece ser familiar, creio que já tenha a visto pessoalmente, mas a minha cegueira em querer enxergar apenas uma pessoa (Bianca), não me fez notar o quanto existem outras garotas muito melhores ao meu redor.
Ao encontrar com essa garota logo pergunto por Bianca, e a garota responde que não sabe para onde ela foi, e se soubesse preferiria não falar.
Eu me sinto um pouco triste pois imagino mil coisas, mas logo em seguida a garota me puxa para conversar e me diz que estava interessada em mim desde o momento em que me viu.
E aí que nos abraçamos, beijamos, nos conhecemos, falamos sobre os gostos um do outro até que é a hora de partir e acordar para a realidade.
Ainda tenho lembrança de traços dela em minha mente, era baixinha, branca, cabelos castanhos, sorriso encantador, olhos claros e uma vontade enorme de querer minha companhia ao seu lado.
O que posso refletir desse sonho é que pessoas entram e saem em nossa vida, estou perdendo meu tempo me preocupando com alguém que não está mais nem aí pra mim, enquanto há centenas de garotas ao meu redor com uma vontade enorme de me conhecer. Essa garota do meu sonho representa apenas uma, dentre centenas de outras que já passaram na minha vida e eu não percebi pois estava preocupado demais em dar atenção a alguém que já não mais estava se importando comigo.
submitted by capslockoff28 to desabafos [link] [comments]


2020.06.23 03:01 drek92 (FEIO) Me preocupo com os outros

Bom, não sei por onde exatamente começar. Quinta-feira, da semana passada, apaguei o meu facebook e o Instagram, estava fazendo mal pra minha saúde mental, tinha mania de ficar fazendo comparações tanto esteticamente quando financeiramente, bom, imagino que todos passam por isso. Toda vez que eu postava uma foto, ficava preocupado com quantas curtidas eu tinha, e no final quando eu via quantas eu recebia, ficava um pouco pra baixo. Eu me acho feio, mas em contrapartida, outras pessoas me acham bonito, falam que sou parecido de fisionomia com o Henry Cavill, principalmente com Adam Lavine ou ator da série YOU, da netflix. No tempo de faculdade, eu tinha saído de um relacionamento e uma amiga veio me consolar, me ajudando a superar e etc, e como todos sabem, final de relacionamento a gente sempre pensa: "Ninguém vai me querer, nunca vou encontrar alguém como a fulana, o sexo era muito bom, vou sentir saudade e blá blá blá..." Bom, eu falava pra ela que me acho feio, e ela dava risada, diz que eu deveria começar a olhar pros lados, pq o que eu digo não é verdade e que apenas estou com a autoestima baixa.
Depois dessa introdução, desde que entramos em quarentena, eu refleti várias coisas sobre a minha vida, e até sobre a vida dos outros, enquanto escrevo esse texto, imagino que milhões ou até bilhões de pessoas estão sofrendo por ai, sofrendo por amor, sofrendo por uma morte de um ente querido por causa do Covid-19, sofrendo por discussões com familiares, sofrendo por estar em depressão ou na solidão, sofrendo por não ter amigos ou uma namorada ou alguém pra compartilhar momentos, enfim, diversos sofrimentos que são inúmeras.
O ponto que eu quero chegar é sobre a beleza, sim a beleza física, estética, a beleza exterior. Ultimamente vejo vídeos de psicologos e psiquiatras, nessa quarentena fiz uma maratona de videos do canal Neurovox, do psiquiatra Pedro Calabrez (não sei se vocês conhecem), ele se baseia em tudo que é cientifico, como por exemplo: Como superar uma relação, (nome do vídeo é "a dor do coração partido") E ETC... enfim, esse post não é sobre relacionamento mas sobre as dores das pessoas sobre a estética.
Em algum vídeo dele vejo pessoas totalmente desanimadas com a própria aparência, provavelmente é em algum vídeo sobre se afastar das redes sociais e comparações com outras pessoas nas redes sociais, e isso me levou a pesquisar afundo em blogs, videos no youtube e etc.
Teve um camarada, daqui do Reddit, que escreveu um post dizendo que odeia pessoas bonitas, e etc, cara, aquilo mexeu comigo por dentro. Sou uma pessoa muito empático, e me imaginei na pele dele, e me imaginei na pele de outras pessoas, pessoas que comentam e que eu consigo sentir, através das letras, o sofrimento da pessoa em saber que é feia, que não têm os atributos que a sociedade procura e que nunca irão se relacionar com as pessoas. Hoje foi o estopim pra eu desabafar sobre isso pq estava assistindo um video de um canal Alphalife e o nome do titulo é: " Se Você É Feio, Pobre e Tímido, Faça Isso..." vi os comentários das pessoas e aquilo me deixo tão, mas tão mal que não sei descrever pra vocês. Um dos comentários que me marcou foi de um camarada que dizia assim: "Eu sou muito feio, e sinto raiva de mim, tenho 1,65, tenho uma cabeça pequena, corpo pequeno "meio" que esguio, entrei pra academia pra ver se melhorava mas ficava totalmente desproporcional, parecia que meu corpo crescia mas minha cabeça ficava muito pequena..." e bom ele disse outras coisas que me fez colocar no lugar dele, pelo comentário dava pra ver o sofrimento desse rapaz. Se tiverem sorte procurem lá o comentário....
Tenho amigos e amigas de outros estados, sou de Porto Alegre, e quando comento com eles, quando digo que sou feio, eles tiram sarro de mim, o que mais falam é: "Fulano, tu é o cara mais sortudo desse país, tu mora no paraíso, aliás, se tu morasse aqui, tu farias sucesso com as mulheres", bom, quando dizem que moro no paraíso, vocês imaginam que Rio Grande do Sul só têm pessoas bonitas (bom realmente têm, mas as mulheres se acham e são estupidas só pq são bonitas, têm grana e etc, e isso vale para os homens também).
Como eu falei anteriormente, eu me acho feio, mas outras pessoas me acham bonito, até lindo me chamam. Daí vocês devem tá se perguntando, mas se as pessoas te acham bonito, pq não aceita? a reposta é, não sei, me acho normal, tenho 1,76, sou formado (enfermeiro), tenho 28 anos, faço academia pra manter o corpo em forma e manter minha saúde mental saudável - meus pais tiveram AVC (AVE cientifico); meu pai teve o hemorrágico ficou com sequela, minha mãe o isquêmico, não ficou com sequela - então, tenho a pretensão de ter AVC, e por isso, faço academia, mas não fico tirando foto do espelho pra postar nas redes (não tenho mais). Pela genética, meu cabelo é ralinho (mas tenho cabelo), tenho as "entradas", quase que iguais do ator Henry Cavill ou do ator que faz a série YOU da netflix, (pra terem uma ideia) elas não são tão acentuadas, e nunca me incomodaram, até pq tive 4 namoradas, isso nunca foi um empecilho. Meu pai é feio (sim ele é, até quando jovem, vi por fotos), em contrapartida, minha mãe era linda, ela têm fotos guardadas até hoje, vocês não têm noção de quão linda ela era, ela mesmo dizia que, poderia ter tido qualquer homem aos pés dela, e de fato, as amigas e irmãs dela me falam isso direto. Pode ser que essa "beleza" herdei dela, minha irmã é linda, principalmente quando era adolescente e mais jovem, os caras babavam por ela.
Dito tudo isso, mesmo me achando feio, tenho sorte de ter herdado essa "beleza" da minha mãe, mesmo meu pai sendo feio. Mas o desabafo é, eu sinto pena das pessoa que realmente não conseguem se relacionar, não conseguem uma namorada ou até mesmo sexo pq a outra pessoa se importa muito com a aparência. Bom, a verdade seja dita, sim, principalmente nos dias atuais as pessoas se importam com aparência, ninguém namoraria com alguém feio, alias eu já namorei, sempre caguei pra opinião alheia, e essa questão de que BELEZA É RELATIVO, DESCULPA, MAS NÃO É RELATIVO NADA.
Além de ser um desabafo, gostaria de saber da opinião de vocês? Vocês têm amigos ou amigas que são feios e que, sofrem por isso? Eu sinceramente não consigo me expressar muito bem, mas, o que posso resumir de tudo que falei é, eu fico com muita pena das pessoas que não conseguem se relacionar amorosamente pq a beleza física impede que isso aconteça. Vejo comentários tanto aqui no Reddit, quanto nos videos do Youtube pessoas infelizes com suas aparências. Quando ando pela rua com alguma amiga ou amigo, sempre tem um que fala: "Olha ali, o fulano é feio, não ficaria ou me relacionaria com ele/ela" Daí de imediato eu me coloco na pele da outra pessoa e tento imaginar o quão dolorido isso deve ser, as pessoas falarem isso.
Por mais que eu seja jovem, "bonito" para outras pessoas, formado, tive 4 relacionamentos, pra mim, as 4 ex namoradas eram bonitas, aproveitei o sexo, o sexo era maravilhoso, mas e as pessoas que são "feias", será que elas tiveram esse privilegio de amar e serem amados? Não sei como expressar, com o falei.
Eu tento ao máximo não me comparar fisicamente e financeiramente com outras pessoas, até pq, tem um vídeo desse psiquiatra que mencionei anteriormente que é "PARE DE SE COMPARAR COM OS OUTROS" e " PARE DE SE INTERESSAR PELA VIDA DE PESSOAS QUE NÃO FAZEM DIFERENÇA NA SUA", e esses videos me ajudaram muito, além de me dar forças pra excluir as redes sociais, me dá força de não me comparar com ninguém, mas eu sou tão empático que além de me colocar no lugar da pessoa eu não consigo em não me comparar com outra pessoa, gostaria profundamente que todos, TODOS, fossem bonitos e assim, ninguém sofreria, e teríamos TODOS uma vida feliz aqui na terra, lembrando que estamos apenas de passagem e que a vida está passando rápido demais, quase que em um piscar de olhos, e olha que tenho 28 anos, e to percebendo isso.
Forte abraço pra quem leu.
submitted by drek92 to desabafos [link] [comments]


2020.06.15 20:18 leo_nader EU NÃO SOU O LUBA, MAS TENHO UMA EX-LÉSBICA

(TERCEIRA VEZ QUE TENTO MANDAR ESSA HISTÓRIA, SE O ADM PERMITIR VOU TENTAR ATÉ CHEGAR NELE)
Olá Luba, Misty e Galadriel (Só os gatos merecem oi). Eu sou Carioca, se você quiser pode tacar um sotaque arraxxxxxxtado. Vamos a história... Eu tenho um grupo de amigos que se encontrava num parque aqui do Rio de Janeiro e os encontros desses grupo eram praticamente: futebol, conversa, bebida e pegação. Eu tinha uns 16 anos (Atualmente eu tenho 20) e nunca tinha namorado na vida. Até que uma mina desse grupo ai começou a "zuar" que eu era o namorado dela e pa... Eu ficava desafiando e a mina acabou botando no face... Repercutiu muito com a galera do grupo e a gente acabou começando a namorar mesmo. Ela morava em outra cidade e era mais nova que eu (eu acho que tinha uns 15 anos na época). Então ela não tava podendo ir no parque lá pros encontros, nem se encontrar comigo em algum lugar, então a gente praticamente webnamorou por 1 mês... Ela era super legal comigo, e eu meio que fui passivo nesse namoro, porque tudo que ela falava eu fazia, e eu até comecei uma dieta porque ela queria emagrecer junto comigo, eu era muito submisso e queria fazer de tudo para deixar ela feliz. Até que surgiu a oportunidade da gente se ver finalmente, eu iria na casa dela onde teria a festa de aniversário dela, ela me chamou e chamou minha mãe também, porque elas desenvolveram uma amizade meio que no nível nora e sogra mesmo... Até chegar o dia do aniversário dela, eu fui em vários encontros com aquele grupo do parque lá, e eles já começavam a me zuar com coisas tipo: "cade tua namorada?' ou "como você começa a namorar sem beijar?", essas pilhas que jogavam em mim... Mas eu não ligava e continuava me guardando, mesmo tendo oportunidades de ficar com outras meninas, esse é meu jeito, fielzão mesmo... Até que finalmente chegou o dia de eu ir na casa dela finalmente ter contato com ela e pa, eu peguei um ônibus e uma van para ir pra la... Passou umas horas e eu cheguei lá na cidade dela. Lembra que eu falei que eu era passivo no relacionamento? Eu sempre fui muito tímido quando a questão é beijar, abraçar e essas coisas... E quando eu cheguei la não foi diferente, eu dei um daqueles colares de casal, no meu caso eram dois colares que formavam uma pokebola. Mas na festa ela conversava comigo como se fosse amigo dela, e ficava dando mais atenção pras amigas dela do que pra mim, os parentes dela sabiam que nós estávamos namorando e tal, então ficavam tirando fotos da gente achando fofo e tals... Até que uma tia la pediu pra gente dar um selinho pra fazer foto, e ela negou na hora arregalando os olhos, eu achei estranho, mas preferi não comentar nada porque era aniversário dela. Dai então ela voltou a falar com as amigas dela la sentada no colo de uma das amigas... Até minha mãe já tava achando muito estranho (mães tem radar para bosta) e a gente foi embora, eu decidi terminar com ela assim que cheguei em casa. Ela aceitou o término na hora, mas ela me pediu algo que fez minha dúvida virar certeza: "Eu posso pelo menos fingir que to namorando com você, pros meus pais?" Ela queria que eu ficasse fingindo ser namorado dela para ela usar de desculpa pros pais dela. Eu obviamente falei que não e dai a gente nunca mais se falou. Pouco tempo se passou e ela se assumiu lésbica e começou a namorar com a amiga que ela ficou no colo na festa. Meus amigos até hoje lembram disso e ficam me zuando com esse acontecimento. Na época eu era conhecido como o cara que namora sem beijar, e tudo que eu falava retrucavam com "pelo menos eu beijo antes de namorar". É isso Lubinha, eu também vou morrer sozinho... Sou seu fã desde o vídeo do Flappy Bird anos atrás, espero que leia um beijo se você quiser <3
submitted by leo_nader to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.14 05:19 Salamandra01_ O meu primeiro amor...

Olá, Lubinha, editores maravilhosos e caros telespectadores dessas terras tupiniquins. Queria começar agradecendo por você dar tanto espaço aos seus inscritos e foi por isso que tive coragem de compartilhar uma história muito importante da minha vida com vocês.
Completei o ensino fundamental todo em uma escola particular, pois graças a minha mãe e uma pitadinha de sorte consegui uma bolsa integral lá. E eu agradeço muito por ter estudado lá e conseguido ter uma boa educação, porém nem tudo são flores. Haviam algumas restrições lá e uma delas era justamente o controle sobre relacionamentos. Acontece que a escola não tinha ensino médio e eu tive que vir para uma escola pública aqui do meu bairro.
Quando cheguei lá, estava sem amigos (já que o pessoal da particular nunca fez muita questão de estar comigo, e ainda por morarmos longe), fiquei completamente perdido, afinal o ambiente era totalmente diferente. E foi aí que a minha vida começou a mudar: comecei a perceber que ao responder as perguntas dos professores eu era intitulado de nerd, por causa das minhas roupas mais casuais e por ter estudado numa escola particular eu era o riquinho da turma, e o pior de tudo: eu provavelmente era a única pessoa daquela escola que ainda não tinha beijado. Por sorte, acabei conhecendo bons amigos, inclusive o meu melhor amigo.
Passou o primeiro ano e essas questões estavam me preocupando cada vez mais, até que algo incrível aconteceu: a menina mais linda que eu já tinha visto entrou na minha sala e sentou em uma das mesas. Foi a partir dalí que eu não conseguia mais prestar atenção nas aulas, pois só tinha olhos pra ela. Eu não teria coragem de chegar nela, até mesmo porque a pouco tempo atras eu nem me importava com isso e então não tinha experiência nenhuma. Até que um dia teve uma palestra e ela por coincidência ganhou um livro de poemas. Eu nunca fui o tipo de cara que gosta de ler, mas aquela era a oportunidade perfeita para eu tentar me aproximar. Quando estávamos voltando pra casa eu a chamei, os amigos dela estavam com ela e eu estava morrendo de vergonha, mas tomei coragem e pedi para que ela me emprestasse o livro depois de ler. Foi assim que começamos a nos falar.
Até que um dia aconteceu a festa junina na nossa escola, e eu estava andando pra lá e pra cá com meu amigo, quando do nada eu e ele recebemos um bilhetinho dizendo que tinha alguém interessado em nós. Eu fiquei desesperado tentando encontrar quem mandou aquele bilhete, mas no meu coração eu tinha certeza que foi ela. Então um dia enquanto conversávamos eu tomei coragem e disse: eu gosto muito de alguém, mas eu tenho medo de falar porque pode ser que esse alguém que eu goste na verdade gosta do meu amigo (porque ela poderia ter mandado o bilhete pro meu melhor amigo ao invés de mim). E eu fiquei chocado quando ela respondeu: eu gosto de alguém, mas eu não sei o que fazer porque a minha melhor amiga também gosta dele. Bom... não preciso nem dizer que eu estava num mix de felicidade e preocupação. Conversamos bastante e decidimos que, apesar de inevitávelmente machucar alguém, eu gostava dela e ela gostava de mim, e não seria certo nós nos restringirmos por causa da amiga dela.
Meu primeiro encontro estava marcado, decidimos ir ao cinema. Eu cheguei quase 2 horas antes porque estava muito ansioso. Me levantava do banco e sentava a cada 5 minutos, as pessoas a minha volta deviam achar que eu era louco. Tinham dos caminhos pelos quais ela poderia chegar, eu ficava olhando pros dois lados sem parar, morrendo de ansiedade. Até que eu vejo ela vindo, não consegui me segurar, ela estava tão linda que eu abri um sorriso de uma orelha a outra. Nos cumprimentamos, demos uma volta antes de entrar e finalmente fomos assistir o filme. Quando estava na metade do filme eu sabia o que tinha que fazer, mas minhas pernas tremiam muito e eu não conseguia me mexer, até que eu decidi olhar para o lado e esperar ela me olhar de volta. Acontece que, ela era tão quanto ou mais envergonhada que eu então ela não olhou. Então eu cheguei perto dela e disse que queria beijá-la (kkkkkk nós ficamos rindo por um tempo), até que enfim nos beijamos... não vou mentir, tivemos que tentar umas seis vezes até rolar um semi-beijo (porque ela também não tinha beijado muitas pessoas). Depois daquilo eu abracei ela e continuamos olhando o filme. Por sorte, quando estava quase acabando eu lembrei de pedir pra ela olhar o meu rosto (eu estava cheio de batom kkkk). Saímos junto e voltamos pra casa, não queria estragar o resto do encontro então nem arrisquei tentar mais um beijo.
Bom... foi depois disso que tudo começou a desandar. Um dia enquanto conversávamos ela disse que precisava de um tempo para pensar, e quando ela voltou disse que era melhor nós pararmos. Meu chão desabou, começaram os piores dias da minha vida. Eu continuei ao lado dela como amigo, mas eu só estava me enganando... me machucava ficar ao lado dela só como amigo mas eu também não queria deixar de ser amigo dela. Começou um período de total confusão, ela tinha namorado por pouco tempo com uma menina ha um tempo atrás e parecia que nós estávamos competindo por ela. Isso continuou até o verão quando eu fui pra praia no ano novo, estavam todos comemorando e eu não conseguia parar de chorar pensando nela. Foi quando eu vi uma daquelas brincadeiras por status do Whatsapp onde precisa marcar entre uma semana atrás, um mês atrás, etc. E essa outra menina tinha marcado uma semana atrás para beijo... foi quando caiu a ficha. Não tinha sido eu o escolhido. Eu entrei no pior momento da minha vida, se eu já estava triste depois daquilo eu fiquei destruído. Depois que voltei das férias pedi para ela pra gente assistir um filme que já queríamos assistir há um bom tempo. Me diverti durante a tarde, tentei esquecer tudo o que tinha acontecido. Na hora de ir embora, ela me acompanhou até metade do caminho, eu dei o abraço mais forte que pude dar e me despedi. Fiz isso porque eu tinha tomado uma decisão: eu não queria mais sofrer... aquela era a última vez q a gente se falava.
Chegou o terceiro ano, minha rotina era ir pra escola, voltar pra casa e enterrar minha cabeça no computador fingindo que o mundo não existia. Meu melhor amigo tinha começado a namorar e eu já estava cansado de tudo aquilo. Eu sempre fui meio a moda antiga, e isso era um pensamento que me atrapalhava, porque eu já tinha deixado de ficar com as pessoas porque eu dizia que aquilo era ruim, que era errado ficar com alguém sem ter sentimentos (mas também grande parte era por medo da minha falta de experiência). Então por olhar pro lado e ver todo mundo feliz enquanto eu vivia triste, decidi que iria mudar... que eu nunca mais ia pensar em namorar na vida e que só ia viver de aventuras. Não durou muito tempo, afinal é impossível tentar ser quem você não é, continuava só com um beijo na ficha criminal.
Foi então que minha vida virou de ponta cabeça de novo... eu recebi uma mensagem dela. Foi a mensagem que mais abalou o meu coração, ela estava muito triste comigo por eu ter deixado de falar com ela porque ela realmente gostava muito de mim e eu me afastar dela foi suficiente pra ela perceber isso. Bom... eu fui um cuzão, mas posso me justificar por ter sofrido bastante, eu estava com medo de sofrer de novo, então eu disse pra ela que tinha mudado e que se ela quisesse eu só ia ficar com ela. Mas o sentimento foi mais forte, eu também sabia que gostava muito dela. Até que teve o aniversário do meu amigo, e eu pedi pra ela vir na minha casa antes para nós conversarmos antes de ir. Foi uma conversa bastante estranha, mas no fim decidimos dar uma chance pra nós, no fim eu fiquei tão empolgado que tentei dar um beijo nela, mas ela desviou e me pediu desculpa (o que era completamente compreensível devido a toda situação).
Foi então que começamos a ficar. Apesar disso, nós ainda não tínhamos tanta intimidade e não tinha rolado um beijo de verdade ainda. Eu ia pra casa dela mas nós ficávamos conversando, conversando mas ninguém tinha coragem de avançar. Até que um dia nós decidimos ficar nas escadas do prédio... e foi a mesma coisa, conversamos até a hora de eu precisar voltar pra casa. Eu estava completamente frustado comigo mesmo por mais uma vez não ter conseguido tomar iniciativa. Eu me levantei e nos abraçamos pra nos despedir, quando a luz da escada resolve apagar... nós ficamos um tempo abraçados e aí finalmente rolou. Foi um momento mágico, como se fosse o nosso novo primeiro beijo.
Depois disso começou a melhor parte da minha vida. Eu tinha uma namorada linda e era muito feliz ao lado dela. Então chegou aquele momento da relação onde precisávamos dar o próximo passo, acontece que nós dois tínhamos irmãos e era raríssimo ter um pouco de privacidade. Foi então que eu tive coragem de pedir para o meu pai me ajudar, então um dia marcamos dela pousar aqui. Naquela noite meu pai levou minha família pra sair e eu fiquei sozinho com ela. Estávamos assistindo um filme comendo pipoca, a ideia era esperar o filme acabar mas não tínhamos tanto tempo assim pra esperar. Aquele parecia o filme mais longo do mundo, até que eu olhei pra ela e disse: tu ainda quer ver o filme? (Eu sei kkkkk eu tenho um dom de constranger as pessoas), novamente nos rimos por um tempo até que ela disse que não queria mais assistir. Eu fui até a tv, abri no youtube e disse pra ela: você tem duas opções de playlist, a atual ou a clássica (kkkk bom... isso eu posso explicar, eu sempre comentava com meu amigo que algum dia eu iria fazer amor ouvindo aquelas músicas românticas clichês, porque eu realmente gostava delas). Pra minha surpresa, ela escolheu a clássica. Aquele era o momento mais feliz da minha vida, eu não estava acreditando no que os meus olhos viam, ela usava uma linda lingerie preta e a luz da tv na pele morena dela dava um contraste lindo a beça. Aquela foi a nossa primeira vez, um momento muito especial pra nós dois, a minha primeira vez e a primeira vez dela.
Acho que muitas vezes as pessoas esquecem que sentimentos mudam tudo. Nosso primeiro beijo, nossa primeira vez... obviamente não foram as melhores coisas do mundo, mas para mim e para ela foi, porque não se tratava de beijo ou de sexo, se tratava de amor.
Nós namoramos por bastante tempo, até que os problemas começaram a surgir e as diferenças começaram a nos atrapalhar. Ela era uma pessoa que gostava bastante de sair e eu era uma pessoa mais caseira, que gostava de cinemas, restaurantes, piqueniques. Além disso, eu sou uma pessoa extremamente carinhosa, já ela tinha uma maneira mais sutil de demonstrar carinho. Isso ao longo do tempo começou a ficar cada vez mais evidente, até que começou a machucar. No início nos fingimos que não estávamos vendo, porque amavamos muito um ao outro e não queriamos nem pensar na possibilidade de terminar. Mas infelizmente se tornou inevitável, nós tivemos algumas conversas mas para nós darmos certo era necessário que ambos mudassem, e nós não achavamos certo ter que mudar, afinal um relacionamento só da certo se ambos aceitam e conseguem suportar as diferenças. Foi então que a gente viu que não dava mais certo e resolvemos terminar. No fim, o sentimento não foi de raiva, não foi de tristeza. Decidimos continuar amigos porque a amizade um do outro importa muito pra nós, eu quero que ela seja feliz e sei que ela deseja o mesmo pra mim.
Com essa história gostaria de dizer que ter maturidade significa olhar pra trás e não ter vergonha do passado. Graças a ela eu me tornei uma pessoa melhor e aprendi muitas coisas. Aprendi com meus erros e vou me certificar de não errar da próxima vez. Nunca vou me esquecer dos nossos momentos juntos eu vou guardá-la pra sempre no meu coração.
OBS: sobre os bilhetinhos de festa junina, quando namoramos ela me contou que na verdade o bilhete que eu tinha recebido era da amiga dela e ela resolveu mandar pro meu amigo pela zueira kkk / outra coisa, ela foi muito importante pra eu mudar meu pensamento retrógrado, hoje eu sei que não tem nada de errado em ficar, e que na verdade é até bom pra conhecer a pessoa bem antes de tentar algo.
É isso, te amo Luba! Abraços!
submitted by Salamandra01_ to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.08 07:03 leo_nader EU NÃO SOU O LUBA, MAS TENHO UMA EX LÉSBICA

(SEGUNDA VEZ QUE TENTO MANDAR ESSA HISTÓRIA, SE O ADM PERMITIR VOU TENTAR ATÉ CHEGAR NELE)
Olá Luba, Misty e Galadriel (Só os gatos merecem oi). Eu sou Carioca, se você quiser pode tacar um sotaque arraxxxxxxtado. Vamos a história... Eu tenho um grupo de amigos que se encontrava num parque aqui do Rio de Janeiro e os encontros desses grupo eram praticamente: futebol, conversa, bebida e pegação. Eu tinha uns 16 anos (Atualmente eu tenho 20) e nunca tinha namorado na vida. Até que uma mina desse grupo ai começou a "zuar" que eu era o namorado dela e pa... Eu ficava desafiando e a mina acabou botando no face... Repercutiu muito com a galera do grupo e a gente acabou começando a namorar mesmo. Ela morava em outra cidade e era mais nova que eu (eu acho que tinha uns 15 anos na época). Então ela não tava podendo ir no parque lá pros encontros, nem se encontrar comigo em algum lugar, então a gente praticamente webnamorou por 1 mês... Ela era super legal comigo, e eu meio que fui passivo nesse namoro, porque tudo que ela falava eu fazia, e eu até comecei uma dieta porque ela queria emagrecer junto comigo, eu era muito submisso e queria fazer de tudo para deixar ela feliz. Até que surgiu a oportunidade da gente se ver finalmente, eu iria na casa dela onde teria a festa de aniversário dela, ela me chamou e chamou minha mãe também, porque elas desenvolveram uma amizade meio que no nível nora e sogra mesmo... Até chegar o dia do aniversário dela, eu fui em vários encontros com aquele grupo do parque lá, e eles já começavam a me zuar com coisas tipo: "cade tua namorada?' ou "como você começa a namorar sem beijar?", essas pilhas que jogavam em mim... Mas eu não ligava e continuava me guardando, mesmo tendo oportunidades de ficar com outras meninas, esse é meu jeito, fielzão mesmo... Até que finalmente chegou o dia de eu ir na casa dela finalmente ter contato com ela e pa, eu peguei um ônibus e uma van para ir pra la... Passou umas horas e eu cheguei lá na cidade dela. Lembra que eu falei que eu era passivo no relacionamento? Eu sempre fui muito tímido quando a questão é beijar, abraçar e essas coisas... E quando eu cheguei la não foi diferente, eu dei um daqueles colares de casal, no meu caso eram dois colares que formavam uma pokebola. Mas na festa ela conversava comigo como se fosse amigo dela, e ficava dando mais atenção pras amigas dela do que pra mim, os parentes dela sabiam que nós estávamos namorando e tal, então ficavam tirando fotos da gente achando fofo e tals... Até que uma tia la pediu pra gente dar um selinho pra fazer foto, e ela negou na hora arregalando os olhos, eu achei estranho, mas preferi não comentar nada porque era aniversário dela. Dai então ela voltou a falar com as amigas dela la sentada no colo de uma das amigas... Até minha mãe já tava achando muito estranho (mães tem radar para bosta) e a gente foi embora, eu decidi terminar com ela assim que cheguei em casa. Ela aceitou o término na hora, mas ela me pediu algo que fez minha dúvida virar certeza: "Eu posso pelo menos fingir que to namorando com você, pros meus pais?" Ela queria que eu ficasse fingindo ser namorado dela para ela usar de desculpa pros pais dela. Eu obviamente falei que não e dai a gente nunca mais se falou. Pouco tempo se passou e ela se assumiu lésbica e começou a namorar com a amiga que ela ficou no colo na festa. Meus amigos até hoje lembram disso e ficam me zuando com esse acontecimento. Na época eu era conhecido como o cara que namora sem beijar, e tudo que eu falava retrucavam com "pelo menos eu beijo antes de namorar". É isso Lubinha, eu também vou morrer sozinho... Sou seu fã desde o vídeo do Flappy Bird anos atrás, espero que leia um beijo se você quiser <3
submitted by leo_nader to TurmaFeira [link] [comments]


2020.05.29 16:43 mateusonego Não aguento mais me arrepender

Bom dia, povo! Espero que estejam sobrevivendo aí, e bem.

TL;DR: Ateu mal-acostumado, ainda projeto o julgamento de Deus em todas as áreas e pessoas, e não suporto mais sentir culpa nem arrependimentos - o único futuro que vejo é me isolando e vivendo sozinho, sem interagir nem construir nada com mais ninguém, o que rouba todo o sentido da vida humana. Não sei mais o que fazer comigo.

Bom não tenho certeza do que eu pretendo com isso, mas eu honestamente não faço mais ideia de que direção tomar, e senti que pôr tudo pra fora pode elucidar alguma coisa. Peço desculpas desde já pela bíblia abaixo (quem ler vai rir da escolha de palavras) mas eu não sei identificar limites e necessidades ¯\_(ツ)_/¯ prefiro dar mais detalhes do que devo.
Enfim, já faz alguns anos que eu tenho depressão. Sempre fui uma pessoa muito ansiosa, a ponto de precisar me consultar a respeito algumas vezes enquanto criança. Me parece que a coisa toda começou principalmente depois que meu pai faleceu (doença cardiovascular - eu tinha 5 anos).
Eu não passava o meu dia com meu núcleo familiar (minha mãe sempre trabalhou, eu sempre fiquei com uma tia até pelo menos os 12), então ficava o dia todo na TV e quando chegava em casa a noite ia direto pro computador. Eu sou negro (sempre sozinho em espaços brancos, só bem mais tarde eu ia entender o que isso significava e começar a perceber as consequências), sempre fui mlk de prédio (cohab - de bem favorecida minha família não tem nada, mas graças a Deus nunca passamos fome), e minha mãe não percebeu o quanto eu me fechava conforme o tempo passava. Passei minha infância inteira brincando literalmente sozinho, fazendo todos os papeis etc rs e nem sei dizer o quão rápido me acostumei a passar o tempo integralmente dentro da minha própria cabeça.
Porque eu não entendi muito bem a morte do meu pai, e por conta de como eram as coisas na minha família (minha tia era paranoica, meu tio era um absoluto escroto em todas as áreas, minhas primas eram frustradas e descontavam um pouco em mim - nada demais, minha família sempre foi bastante amorosa, na verdade, não posso reclamar disso -), e por conta de eu passar uns 25% do meu tempo com minha mãe no máximo, que quando tava comigo tava cobrando sobre a escola etc, papo padrão de mãe ausente (não culpo ela em nada, minha mãe sempre foi esforçada pra cacete e lutou muito pra subir aos poucos na vida, sempre se fez o mais presente possível e demonstrou amor incondicional, sempre deixou claro que me ama não importa a merda que eu faça - mas o fato é, ela sempre me cobrou muito das coisas, não exatamente da forma mais inteligente), minha terapeuta disse que meu cérebro me responsabiliza de alguma forma pela ausência do meu pai (como se eu tivesse cometido algum erro, e por ISSO ele tivesse saído da minha vida), e hoje entendemos que meu cérebro associou toda essa mistureba como: "não posso errar, nunca, preciso ser capaz de cuidar das minhas responsabilidades, se não os outros não vão querer saber de mim, e eu ainda posso prejudicar eles, pôr o esforço deles a perder, então eu nunca posso fazer nada que não seja a melhor e mais perfeita coisa que eu poderia ter feito no momento".
Soma-se a isso o fato de minha família ser aquelas tradicionais evangélicas neo-petencostais, e toda minha insegurança foi armada e munida: eu sempre levei a coisa a sério, me esforcei para viver de acordo com filosofias ou de acordo com as conclusões que eu chegasse, achava que era questão de vida ou morte (ser salvo ou ir pro inferno) que eu ponderasse muito sobre minhas escolhas e fosse compromissado - só assim eu verdadeiramente estaria fazendo a vontade de Deus, só ignorando o mundo e as tendências e me reservando a ficar sempre na contra mão.
Eu nunca me senti bem, feliz ou satisfeito. O estado mais positivo que eu já consegui alcançar foi "conformado", mas mesmo enquanto amparado pela fé, eu não via muito sentido nas coisas, não conseguia enxergar propósito que não fosse Deus, e a forma de lidar com esse propósito - combatendo o mundo, pra convencê-lo a se salvar - me frustrava. Mas a coisa tomou outro patamar quando, depois de uns anos levando a sério a religião, eu me dei conta que não cria em mais nada. Aí, a depressão que se mascarava como descontentamento se assumiu de verdade, e só então eu reparei há quanto tempo eu andava desejando morrer mas não admitia para mim mesmo. Foi só quando eu parei de encarar o suicídio como um pecado, que eu passei a reconhecer com quanta intensidade eu sempre flertei com ele. Isso faz uns 10 anos, e de lá pra cá, a vontade de abandonar tudo só cresceu - e hoje eu sinto que isso é especialmente pq eu passei o papel de "Deus" pras outras pessoas, ou pra sociedade: cada ação minha está sendo pesada por alguém - ou será pesada por cada pessoa que passar pela minha vida - e meus acertos determinarão meu valor enquanto pessoa.
Nunca tive problemas para ter amigos, mas sempre me senti bastante deslocado (negro e cristão, né, nunca me sentia completamente pertencente). Sempre fui inseguro e sem malícia demais pra ter atitude para ter um relacionamento, e como eu era cristão e tem toda a parada de sexo etc, enfim, eu fui demorar para ter meu primeiro relacionamento, que eu abri mão pq não dava conta de quão mal eu me sentia, do quanto eu me cobrava ou me culpava por tudo, do quanto de ciúmes que eu sentia, etc.
A vida passou, eu deixei de ser cristão, comecei a entender melhor a sociedade, comecei a fumar maconha, fumei muita maconha, e no meu 3º relacionamento minha namorada percebeu que tinha coisas dentro de mim com as quais eu não sabia como lidar, e me convenceu a fazer terapia, por mim, e por nós. Eu comecei a fazer. entendi muitas das coisas que mencionei aqui, tivemos anos de muita alegria, fomos morar juntos, eu seguia com a terapia e tomando remédios etc, até que... fomos nos afastando... e eventualmente terminamos. Na época eu não sabia direito identificar o que tinha acontecido. Hoje, eu acho que fumávamos demais, eu em especial, e não estava me esforçando de verdade para estar com os outros e fazer coisas novas, eu só queria saber de fumar, tava afstando ela da família dela, enfim... provavelmente acabei entregando um relacionamento tóxico pra ela, ou até abusivo.
Eu moro sozinho há uns 2 anos e meio agora. Sigo fazendo terapia e tomando remédios (só 10 por dia). Continuo fumando maconha, pq é a única coisa que alivia o dia-a-dia, tentando reduzir bem (hoje fumo 1/3 do que fumava no começo do ano, por ex - mas ainda fumo um pouco todos os dias, e minha psiquiatra sabe). Eu sei que isso já detonou minha noção de tempo, realidade, felicidade, vida, etc... Estou ansioso num nível que, de tanto mexer o meu calcanhar, eu literalmente to com problemas pra descer escadas ou ladeiras, sei lá, meu músculo buga e começa a tremer.
Eu tive um relacionamento no fim do ano passado, mas invadi todos os espaços dela sem a menor paciência, cobrava atenção que não fazia sentido pro que tínhamos, enfim, creio que projetei uma "continuação" do meu último relacionamento, não soube identificar como recomeçar a conhecer e ficar com alguém.
Nos últimos meses minha mente abriu muito pra muita coisa, e eu deixei de me culpar de muita coisa. Entendi algumas das minhas limitações, e que eu poderia escolher a vida que eu queria levar, dia após dia, eu posso escolher como levar meus dias. Eu trabalho, pago minhas contas, tenho um relacionamento ok com minha família, não devo nada a ninguém. Entendi por ex que eu provavelmente não tinha machucado minha última companheira, mas eu sem dúvidas frustrei muito a ela e a mim, e absolutamente gratuito.
Enfim. To há mais de um ano sem conseguir dormir 5h seguidas (serião), e aí pow, quarentena, não tenho o que fazer além de pensar na vida. Antigamente eu via muitos filmes e séries, ouvia música o dia inteiro etc, ultimamente SÓ consigo ver animes (não sei se pq os episódios são curtos, por conta da variedade, se é pq eu sou uma eterna criança, se é pq eu acho mais fácil refletir em cima das problemáticas...). Não aguento mais sonhar com o passado, não aguento mais sentir saudades das pessoas que passaram pela minha vida (especialmente minha noiva), não aguento mais não ter perspectiva nem vontade de futuro. Faz alguns meses já que eu tenho certeza absoluta que só estou vivo ainda pela minha família. Eu não queria, não tenho força nem ânimo pra sonhar com nada que eu queira pra mim, ou com nada que eu acredite que possa alcançar. Eu sinto que nenhum esforço pra ser feliz ou chegar em lugar nenhum nunca vai compensar as tristezas, as dores, e acima de tudo, os arrependimentos. Por mim, posso dizer isso sem medo algum, eu já tinha ido embora há alguns meses. Tenho até umas receitas naturais salvas pro dia que a coragem chegar (mas ela nunca vai chegar, eu nunca faria isso com minha mãe e meu irmão)
O que me mata são os arrependimentos. Eu demorei, mas entendi que tem muita gente pelo mundo, e que as pessoas vem e vão mesmo, isso é inevitável, e não precisa ser negativo. Eu não tenho "medo" de nunca encontrar ninguém, por exemplo. Mas meus sentimentos de culpa são TÃO fortes que eu nunca mais quero arriscar sentir isso por ninguém. Nunca mais quero sentir que decepcionei alguém, e tb não quero me frustrar. Eu sou honesto demais (acho que deu pra perceber), e embora leia MUITO as pessoas, nunca aprendi a lidar com o ritmo do mundo ou com a relação que as pessoas tem com a própria vida - esse ano me dei conta que continuo absurdamente religioso com a vida, to tendo que desconstruir pra entender como não encarar cada segundo como uma responsabilidade de tomar a decisão certa. Mas ainda dói demais pensar que eu machuquei as pessoas, e me dar conta que eu perdi oportunidades e pessoas por ser burro e egocêntrico. Ainda encaro os acontecimentos como decisivos, ou "destino". E decidi esse ano que ia me concentrar em mim, juntar uma grana, melhorar um pouco de vida e tal - mas quarentena, e aí no meio dela eu vi o quanto eu ainda me sinto dependente da validação dos outros (é um pouco de carência tb sim, mas é realmente uma necessidade de validação absurda), e que precisava aprender a superar.
Mas os dias passam, e minha cabeça não muda: to sozinho pq fiz muita merda, pq fui ansioso e egoísta, sou estranho e introvertido demais pra me relacionar com amigos ou parceiras de qualquer grau, e, como sei que preciso ficar vivo, pelo menos até minha mãe morrer, a única estratégia que eu vejo é se eu me fechar pra todo mundo e aprender a me aceitar sozinho. E eu realmente não posso dar brechas pra ninguém participar da minha vida, pq as preocupações me consomem, e eu sinto o arrependimento antes mesmo de fazer qualquer coisa.
Bom, é isso. Se você chegou aqui, parabéns. Recomendo agora um Neil Gaiman, um C. S. Lewis, ou pq não um Marx né. Como eu disse, não sei onde eu quero chegar. Acho que só precisava pôr pra fora. Por favor fiquem mais que à vontade pra comentarem qualquer merda, não to esperando ajuda nem forças, nem compreensão na verdade, mas eu sei que vcs vão me entender (talvez eu esteja procurando perdão, ou redenção?). Se alguém tiver passado por qualqueeeeeer coisa parecida, tamos aí para conversar.
Mas é isso amiguinhos, não se deixem acumular culpas, nós raramente temos, o mundo é difícil e cruel e cada favelado é um universo em crise. Sempre erraremos e sempre teremos de dar um jeito de levantar no dia seguinte. Cabe a cada um escolher como e com quem quer fazer isso. Boa sorte pra nós, pois Brasil. Muito amor, paz e saúde.
submitted by mateusonego to desabafos [link] [comments]


2020.05.28 03:21 leo_nader Eu não sou o Luba, mas tenho uma Ex Lésbica

Olá Luba, Misty e Galadriel (Só os gatos merecem oi). Eu sou Carioca, se você quiser pode tacar um sotaque arraxxxxxxtado. Vamos a história... Eu tenho um grupo de amigos que se encontrava num parque aqui do Rio de Janeiro e os encontros desses grupo eram praticamente: futebol, conversa, bebida e pegação. Eu tinha uns 16 anos (Atualmente eu tenho 20) e nunca tinha namorado na vida. Até que uma mina desse grupo ai começou a "zuar" que eu era o namorado dela e pa... Eu ficava desafiando e a mina acabou botando no face... Repercutiu muito com a galera do grupo e a gente acabou começando a namorar mesmo. Ela morava em outra cidade e era mais nova que eu (eu acho que tinha uns 15 anos na época). Então ela não tava podendo ir no parque lá pros encontros, nem se encontrar comigo em algum lugar, então a gente praticamente webnamorou por 1 mês... Ela era super legal comigo, e eu meio que fui passivo nesse namoro, porque tudo que ela falava eu fazia, e eu até comecei uma dieta porque ela queria emagrecer junto comigo, eu era muito submisso e queria fazer de tudo para deixar ela feliz. Até que surgiu a oportunidade da gente se ver finalmente, eu iria na casa dela onde teria a festa de aniversário dela, ela me chamou e chamou minha mãe também, porque elas desenvolveram uma amizade meio que no nível nora e sogra mesmo... Até chegar o dia do aniversário dela, eu fui em vários encontros com aquele grupo do parque lá, e eles já começavam a me zuar com coisas tipo: "cade tua namorada?' ou "como você começa a namorar sem beijar?", essas pilhas que jogavam em mim... Mas eu não ligava e continuava me guardando, mesmo tendo oportunidades de ficar com outras meninas, esse é meu jeito, fielzão mesmo... Até que finalmente chegou o dia de eu ir na casa dela finalmente ter contato com ela e pa, eu peguei um ônibus e uma van para ir pra la... Passou umas horas e eu cheguei lá na cidade dela. Lembra que eu falei que eu era passivo no relacionamento? Eu sempre fui muito tímido quando a questão é beijar, abraçar e essas coisas... E quando eu cheguei la não foi diferente, eu dei um daqueles colares de casal, no meu caso eram dois colares que formavam uma pokebola. Mas na festa ela conversava comigo como se fosse amigo dela, e ficava dando mais atenção pras amigas dela do que pra mim, os parentes dela sabiam que nós estávamos namorando e tal, então ficavam tirando fotos da gente achando fofo e tals... Até que uma tia la pediu pra gente dar um selinho pra fazer foto, e ela negou na hora arregalando os olhos, eu achei estranho, mas preferi não comentar nada porque era aniversário dela. Dai então ela voltou a falar com as amigas dela la sentada no colo de uma das amigas... Até minha mãe já tava achando muito estranho (mães tem radar para bosta) e a gente foi embora, eu decidi terminar com ela assim que cheguei em casa. Ela aceitou o término na hora, mas ela me pediu algo que fez minha dúvida virar certeza: "Eu posso pelo menos fingir que to namorando com você, pros meus pais?" Ela queria que eu ficasse fingindo ser namorado dela para ela usar de desculpa pros pais dela. Eu obviamente falei que não e dai a gente nunca mais se falou. Pouco tempo se passou e ela se assumiu lésbica e começou a namorar com a amiga que ela ficou no colo na festa. Meus amigos até hoje lembram disso e ficam me zuando com esse acontecimento. Na época eu era conhecido como o cara que namora sem beijar, e tudo que eu falava retrucavam com "pelo menos eu beijo antes de namorar". É isso Lubinha, eu também vou morrer sozinho... Sou seu fã desde o vídeo do Flappy Bird anos atrás, espero que leia um beijo se você quiser <3
submitted by leo_nader to TurmaFeira [link] [comments]


2020.05.26 22:55 Luk3_Gh0st Estou perdido... onde raios está a verdade?


Eu cresci em um família predominantemente católica e sempre fui educado aos moldes tradicionais, mas eis que chega uma época que apenas cantar musiquinhas na igreja não bastava para manter minha fé. Por volta dos 13/14 anos comecei a questionar, mesmo que com um certo receio, todos os ensinamentos que me eram passados. Não passei pela famosa fase do "ateu revoltado", mas simplesmente , depois de estudar muito sobre o tema, acabei ficando entalado no agnosticismo aos 15 anos e aceitei que eu era um simples humano e que nada sabia sobre nada.
Hoje, aos 16 anos, tenho voltado aos antigos questionamentos que martelavam minha cabeça. Eram tantas filosofias, tantas correntes dentro de uma mesma religião, tantas teorias científicas e tantos pensamentos políticos que eu ficava à margem disso tudo pra não correr o risco de me afogar.Enfim, onde está a verdade? uns dizem "Deus Vult", outros dizem "deixe isto de lado, apenas viva a vida evitando a dor e buscando o prazer","Não há verdade absoluta,então não confie na minha frase"," Nietzche é pika,leia ele finja que é intelectual no Twitter" já outros afirmam sem menos preocupações: "Sei lá,eu só queria uma namorada" e por aí vai...
Quando eu descobri o conceito do "Primeiro Motor Imóvel" de Aristóteles e as 5 vias de Santo Tomás de Aquino, logo virei os olhos novamente para o catolicismo e pensei "finalmente acabou, agora que tenho esse conhecimento metafísico como base, daqui pra frente é só alegria",mas nem tudo é um lindo mar de rosas ... malditos Rothbard, Mises, Darwin,Stephen Hawking e Pirulla. Já perdi horas lidando com o paradoxo de Epicuro, com as divergências entre o libertarianismo e o cristianismo e até já me peguei flertando com os ensinamentos budistas e filosofias orientais durante uma certa época XD.
--------------------------------------------------------------------------------------->Não aguento mais essa porra de vai e vem :v
Por enquanto,apenas posso ler e buscar mais material para(tentar)responder minhas dúvidas sobre esses assuntos e decidir,finalmente, qual caminho vou seguir... ou simplesmente volto ao agnosticismo,mas ficar repetindo aquela frase do Sócrates pra mim mesmo parece um tanto preguiçoso de minha parte.
E você, já conseguiu encontrar a verdade?
submitted by Luk3_Gh0st to desabafos [link] [comments]


2020.05.23 11:45 ManecPierce Eu não aguento mais ser uma decepção mas não consigo mudar

Essa é a primeira coisa que publico no reddit, eu sempre via aqui mas jamais criei uma conta, porém, eu sinto que era necessário agora, já que aqui nenhuma pessoa que eu conheço pode me encontrar, e eu não quero preocupar nenhum deles.
Eu não aguento mais ser uma decepção para as pessoas, e eu não aguento mais que finjam que eu não sou. As pessoas não me dizem diretamente que se cansaram de mim, mas eu posso perceber isso pelo jeito que mandam mensagens e que a maneira como me ignoram quando eu tento falar algo em algo que eles postaram. Eu sinto que todos só me aguentam porque não querem me magoar e porque eu sou extremamente instável e todos sabem muito bem disso, isso é algo que eu sempre tive inseguranças sobre, qualquer coisa que dê minimamente errado já é o bastante para que eu me estresse totalmente e já comece a sentir o desespero tomando conta do meu corpo e eu odeio isso. Eu odeio ter ansiedade e eu odeio a sensação de perigo que eu sinto toda hora quando estou com outras pessoas.
Quando eu era uma criança ainda, eu era uma pessoa extremamente sociável, eu me imaginava no futuro como alguém com muito poder, dinheiro e beleza, mas agora que cheguei na idade em que eu me imaginava antigamente eu percebo a criança idiota que eu era. Eu não tenho beleza nenhuma, na verdade, eu até tenho medo de postar qualquer foto minha na internet, eu tenho medo de que alguém pegue uma foto minha e diga a todos o quão horrível eu sou, eu não quero que zoem da minha cara por causa de algo que eu odeio em mim mesmo. Eu sinto que meus amigos todos sentem nojo de mim por causa da minha cara, eu acho que sempre que me veem ou veem que chamei eles, eles devem pensar " nossa, o que essa pessoa idiota quer comigo dessa vez? " e por causa disso eu não tenho coragem de chamar eles, eu sou um completo covarde com medo de tudo a minha volta.
Eu sinto que nada que eu faço será bom, eu sinto que tudo que eu já fiz ou farei no futuro será sempre o mesmo: Mediano. Não importa o quanto eu me esforce e não importa quanto tempo eu gaste treinando, eu jamais serei bom o suficiente pra me colocar aos pés daquelas pessoas que me inspiram. Eu sou uma pessoa que pratica diversos tipos de arte ( Toco instrumentos, desenho e escrevo ), mas eu não acho que qualquer coisa assim seja o bastante para que eu possa mostrar aos outros e eu não gosto de nada do que eu faço, e isso me mata por dentro, porque eu tento fazer várias coisas ao mesmo tempo para me sentir minimamente interessante, mas eu no final acabo só ficando extremamente cansado sem evoluir nada.
Algumas pessoas dizem que eu sou esperto, dizem que eu sou uma pessoa empática e que eu sou talentoso, e eu sou realmente grato a todas essas pessoas, porém, eu não consigo acreditar no que elas dizem, meu cérebro está sempre me dizendo que eu não mereço o que tenho, e que eu não devo confiar nas pessoas porque elas só estão comigo para poderem zoar da minha cara no futuro, e isso faz eu me afastar daqueles que se preocupam comigo. Eu não consigo manter amizades porque eu sinto que estou sempre atrapalhando alguém.
Chegou num ponto que eu sei que algumas pessoas falam mal de mim, mas eu não consigo me afastar deles porque eu tenho mais medo de ficar sozinho do que continuar nessa amizade onde a pessoa fala mal de mim aos verdadeiros amigos dela. Eu não aguento ficar sozinho, eu não sei se é algum trauma meu porque passei minha infância todo isolado depois que minha prima espalhou boatos pela escola inteira e fez com que se afastassem de mim, ou eu não sei se eu me sinto assim porque na minha infância toda meus pais mal ficavam em casa, mas eu tenho um medo enorme de ficar sozinho. Meu maior medo é morrer e ninguém se importar com minha morte, eu tenho medo de só ser uma pedra no sapato de todos a minha volta.
Eu não consigo desabafar tudo o que eu sinto para ninguém, nem menos para minha namorada. Eu não quero deixar as pessoas pessimistas, e eu não quero que se preocupem comigo, eu quero que tudo se resolva sozinho mesmo que eu saiba que nunca irei conseguir melhorar. Eu tenho de fazer tratamento psicológico, mas eu já fiz terapia por 1 ano inteiro em 2018 e eu não gostei, então menti para o psicologo para que ele me desse atestado logo, eu me sinto sufocado quando tenho de falar o que sinto ou quando tenho de falar dos meus problemas aos outros, e então eu minto a eles e a mim mesmo que estou bem.
Eu já tentei me matar há alguns anos atrás, em 2016 e em 2017 que foram anos horríveis para mim, mesmo que hoje em dia eu não tenha tentado mais, os pensamentos sobre como seria se eu me matasse não param. Eu sinto que talvez se eu morrer de vez tudo irá se resolver e eu não terei mais de me preocupar com nada.
Eu não tenho depressão e nem ansiedade diagnosticados, mas eu sei que não estou normal, sei que o jeito que eu me sinto todos os dias não é normal, e isso me preocupa, mas eu não quero ter de falar isso pra ninguém e ver os olhares de decepção deles para mim, já que isso seria só mais um problema que eu daria a eles.
Eu não sei o que fazer.
submitted by ManecPierce to desabafos [link] [comments]


2020.04.09 11:23 myholoic20 AKIM WILLIAMS: O BLACK ZEUS IFBB PRO

AKIM WILLIAMS: O BLACK ZEUS IFBB PRO
https://preview.redd.it/bifqtkjzfrr41.png?width=925&format=png&auto=webp&s=2789f287a11f62c4acd432883c6242716630dad3
Akim Williams e simplesmente um dos melhores fisiculturistas profissionais do planeta, com abdominais definidos e bracos enormes. Gracas aos seus 365 dias de treinamento por ano, tamanho e forca impressionantes, Williams sera sempre um dos principais adversarios do mundo do bodybuilding nos proximos anos.
Nascido e criado no Brooklyn, com descendentes em Granada, uma ilha na costa da Venezuela, no Caribe, em uma casa onde se falava uma combinacao de espanhol e ingles, ele e seus irmaos cresceram com apenas um pai. Atraves das licoes aprendidas por ele, Akim usou esportes e musculacao como uma saida para buscar o sucesso. Com uma classificacao no Olympia, Akim quer se qualificar novamente este ano e ajudar seus patrocinadores do Blackstone Labs a crescer no mercado internacional.
KS: O que podemos esperar da versao de Akim Williams de 2018?
AW: Vou me qualificar para o Olympia novamente! E com um fisico mais duro e preparado do que no ano passado. Nao fiquei satisfeito com meu desempenho no New York Show Pro no ano passado.
KS: Que mudancas voce fez no seu estilo de vida para conseguir isso?
AW: Eu tenho um personal trainer. No final, encontrei alguem que sabe o que faz!
Eu me sinto muito mais saudavel e mais completo. Sinto que meu treinamento e muito mais eficaz do que antes. Agora estou com Oscar Ardon. Ele permaneceu a margem nos ultimos anos, aceitando apenas alunos que, segundo ele, tem potencial. E diferente quando voce treina com alguem que realmente acredita em voce, em vez de lhe dizer o que fazer e nao apenas mostra movimentos.
KS: Akim, das poucas vezes em que nos encontramos pessoalmente, posso dizer que voce se expressa muito bem, nao e apenas uma massa de musculos e arroz de frango (risos).
AW: Sim. Eu quase terminei o curso de pos-graduacao (mestrado em MPA) em Administracao Publica. Gosto de coordenar programas sem fins lucrativos para ajudar as pessoas, principalmente por meio de programas de condicionamento fisico ou relacionados a criancas de baixa renda.
KS: O que o motivou a trabalhar com criancas?
AW: Minha infancia no Brooklyn. Ele nao tinha muitas opcoes. Havia muitos crimes onde ele morava. Ele queria retribuir por meio de programas de extensao para tornar as criancas mais saudaveis; educa-los para que eles saibam que tem escolhas alimentares e nutricao saudaveis.
KS: Voce esta competindo como fisiculturista profissional ha 4 anos, como voce ve a mudanca no setor de musculacao?
AW: Quando eu comecei, o juri estava pressionando "Massas monstruosas", mas agora esta voltando a estetica. Essa decisao foi arriscada, porque ha muitos seguidores que ainda querem fisicos de proporcoes impressionantes, no entanto, sou um verdadeiro competidor e sempre tento me adaptar as mudancas que o esporte exige, que faz parte do bodybuilding.
KS: Que conselho voce daria aos jovens de hoje que querem ser fisiculturistas?
AW: Que eles encontram algo unico em sua propria pessoa e no fisico; que eles projetam uma imagem pessoal exclusiva, que ajudara a identificar
e crie o proprio publico. Lembre-se de que e sempre sobre voce como pessoa, que vai alem de estar em um estagio de musculacao. Seja voce mesmo e encontre seus proprios pontos fortes e promova-os, midias sociais e fas vem sozinhos.
KS: Qual e a parte mais dificil de ser um fisiculturista profissional?
AW: De tudo o que voce tem e as vezes nao consiga o que voce pretendia! (risos) Todo fracasso e um passo em direcao ao sucesso, e e por isso que gosto de musculacao. O sacrificio que ele envolve realmente mede voce como pessoa. Ele permite que voce mostre suas verdadeiras forcas, mentais e fisicas, quando finalmente alcancar seu objetivo!
KS: Quais partes do seu corpo voce melhorou desde a sua ultima apresentacao no New York Show Pro?
AW: Sem duvida, o duplo biceps das costas, os isquiotibiais e a parte de tras dos ombros.
KS: Alguma mudanca na dieta em preparacao para a competicao deste ano?
AW: Nao, em relacao a dieta, apenas metodos de treinamento. Eu ainda como refeicoes saudaveis, alem de toneladas de aveia. Eu sinto que sempre estive na dieta certa, no entanto, ate recentemente, eu estava treinando muito duro como um levantador de forca. Agora que fiz muitos ajustes no meu metodo de treinamento, ele ja esta mais detalhado para musculacao, modelagem e os resultados estao funcionando muito bem para mim.
KS: Alguma dica de nutricao para iniciantes?
AW: NAO ALCANCE O CATABOLISMO! Na maioria das vezes isso acontece pulando as refeicoes, especialmente apos o treino intenso, sem consumir calorias suficientes atraves de proteinas e carboidratos ja esgotados. Mantenha o tanque cheio com uma refeicao apos o treino e um shake de proteina. Aos domingos ou dias de folga, eles sempre devem ser usados ??para preparar refeicoes. Tudo esta no estilo de vida, voce precisa tentar encontrar um parceiro que entenda. Minha namorada compete na categoria Bikini e sempre nos apoiamos.
AKIM WILLIAMS ATAQUE TREINAMENTO!
Treino nas costas:
4 conjuntos de pull-ups com grande aderencia 10 repeticoes
4 conjuntos de remo sentado com cabo 15 reps
4 jogos de remo inclinado com barra 15 repeticoes
4 series de remo com barra T 15 repeticoes
4 conjuntos de puxoes laterais com cabo de 15 reps
3 conjuntos de halteres puxa 15 repeticoes
3 conjuntos de hiper-extensoes 20 repeticoes
KS: Cite dois produtos em seu arsenal de musculacao que voce nao pode prescindir.
AW: Dust Extreme e Hype como pre-treinamento. Poeira me da um impulso extra e Hype, bem, digamos que me da "uma bomba maluca!" O Gear Support tambem e um dos meus produtos favoritos, pois mantem meu sistema limpo e ajuda o sistema endocrino e a prostata. PJ Braun, presidente da nossa empresa, pensou muito nesses produtos, eles funcionam muito bem! Nunca desista dos seus sonhos, quanto maior a vara, mais voce alcancara.
submitted by myholoic20 to u/myholoic20 [link] [comments]


2020.02.03 23:59 HeWhoHatesPuns [Desabafo] Como raio é que um gajo conhece pessoas novas depois da Universidade?

Estou super frustrado, já não sei para onde me virar.
No ano passado vim para Lisboa para entrar num mestrado. Os meus colegas de curso estão espalhados pelo país fora, e os meus melhores amigos do secundário, embora também estejam em Lisboa, todos têm parceiro/a, trabalham e mal têm tempo para saiestar comigo (o que é perfeitamente válido para mim).
Eu... continuo solteiro para caralho! Não é que tenha urgência para encontrar namorada ou assim, bastava-me só um par de amigos para sair de vez em quando.
No mestrado somos poucos. Todos já têm o seu circulo de amigos e estão "casados", só estamos juntos na Universidade para ir ás aulas/fazer trabalhos. Sendo um gajo introvertido, o que é que posso fazer para encontrar pessoas novas? Hobbies? Tinder?
Hobby? Já faço Kickboxing. Mas como devem imaginar, isto não dá muito jeito para meter conversa com outras pessoas - é chegar o ginasio, meter luvas, treinar, e quando chega a hora, bazar porque o proximo turno já está á espera. Não proporciona oportunidades para criar amizades.
Um dos outros "hobbies" que tenho é cinema. Adoro ver filmes, e discuti-los como um grande cromo. Mas mais uma vez, no cinema nao se conhecem pessoas novas. (A menos que haja por aqui um grupo de fãs de cinema, que se reunam para ver filmes e assim. Se for o caso diga-me sff. A sério, sou grande nerd por filmes)
Tinder? Nah... já experimentei, mas não é a minha cena. Chamem-me old-fashioned, mas prefiro conheçer as pessoas cara-a-cara. Isto de ver meia duzia de fotos e meter conversa com estranhos nunca me caiu bem. O meu "talk game" é muito fraco no telemovel, admito.
A sério.... aos 25 anos de idade torna-se dificíl criar novas amizades/relações... Sempre fui uma pessoa solitária e não me importo de ser "menos social do que as o normal" , mas já estou a ficar um bocadinho farto desta merda.
/desabafo
submitted by HeWhoHatesPuns to portugueses [link] [comments]


2020.02.01 11:01 yamchaisking Acham que me conseguem ajudar?

Se se lembram dos programas fantásticos que a TVI tinha, como o Bombástico ou o Fiel ou Infiel, de certeza que se lembram do mítico programa apresentado pelo Rui Vasco Neto, Vidas Reais.
Ora o que me traz aqui é muito simples. Lembro-me de um episódio específico em que uma senhora, muito especial que tinha um problema também ele especial. Cagava-se de 2 em 2 minutos. Isto é real, lembro-me como se fosse hoje e não é um Batatinha à porrada com o Companhia. Isto deu mesmo na TV e lembro-me dela a pedir sempre desculpa cada vez que se abria. Eu quero mostrar este momento mítico de TV à minha namorada, principalmente porque ela não sabe deste programa com um valor cultural.
Alguém sabe onde posso encontrar isto? É que no youtube é escasso.
PS: Agora com a febre do Jorge Martinez (que desconfio que é o mesmo gajo do Tumba) descobri um episódio completo no youtube deste mítico programa.
https://youtu.be/7RXBUQLXLCI
submitted by yamchaisking to portugal [link] [comments]


2019.12.28 14:35 Panzh3r pós término

Então, nessa última semana eu entrei em um conflito interno que tá me incomodando bastante. Esse mês terminei meu namoro de anos que tive com meu melhor amigo, foi péssimo e sofri bastante nas primeira semanas, ao ponto de mal comer de tanto nervosismo de me ver fora daquela rotina de sempre.
Por muito tempo fomos melhores amigos e após muita insistência dele aceitei namorar, no início era maravilhoso um ajudou muito o outro, mas depois de um tempo notei que eu me dedicava muito e ele nada, ele teve depressão e alguns outros problemas que não conseguia enfrentar. O namoro ficou péssimo, deixei passar muita coisa que era importante pra mim e permaneci junto, pois achei que seria muita sacanagem largar alguém que andava sofrendo de depressão e sem perspectiva nenhuma na vida, fora que ao meu ver tudo iria melhorar quando ele ficasse bem e eu tinha medo de largar tudo e ele se ver sem chão e acabar se matando. No fim acabei sendo a bengala emocional dele sem perceber, as coisas foram melhorando pra ele e por mil motivos foram piorando pra mim, me vi recém formada e sem conseguir emprego na minha área e até áreas que não exigem estudo (eu me dediquei muito aos estudos e não tenho experiência nenhuma). Esse ano me tornei uma pessoa triste e reclusa, coisa que nunca fui, eu era feliz, tava sempre rindo e fazendo palhaçada. Acredito que ele não aguentou a pressão e esse mês, após uma briga idiota, veio me falando que achava que não estava mais dando certo, pois eu era briguenta, eu explodi e joguei na cara dele que quando ele tava mal e eu tava no lado dele tava tudo ok, agora que eu tava mal ele queria pular fora. Terminamos na raiva, sofri, dias depois voltei atrás perguntando se era isso mesmo o problema e ele me listou coisas ridículas e fáceis de resolver, pensei muito e perguntei se ele não queria tentar novamente já que eram coisas simples, mas ele disse que tinha cansado da relação e não queria tentar. Ou seja, eu tava certa quando achei que tinha sido usada como bengala emocional e na minha vez ele não ia aguentar a pressão. Ele disse que queria manter aquela amizade de anos atrás, e eu sinceramente ia amar manter aquela amizade, no fundo eu me arrependo muito de ter começado a namorar, pois como amigos éramos muito melhores e eu não consigo ver onde exatamente começou a dar errado pra nós. Apesar de querer isso eu precisava viver o luto do fim do namoro e disse pra ele que precisava fechar esse ciclo pra conseguir seguir em frente, então eu iria bloquear ele do nosso principal meio de comunicação (whats), ele disse que aquilo era desnecessário e eu falei que eu tinha que cuidar de mim e fazer oq era melhor pra mim, e no momento isso significava bloquear ao menos do whats, pois eu sabia que não teríamos conversas frequentes e me doía olhar o celular e não ter mensagens dele. Eu realmente tava me sentindo mal ali. Isso foi no domingo, na segunda acordei plena, feliz e quando lembrava dele parecia que já faziam anos e ele tava lá no fundo do meu passado. O pior é que eu tô mais leve do que em muito tempo, me sentindo esperançosa que meus problemas vão se resolver e que tudo vai ficar bem.
Agora eu tô aqui achando que meu namoro era pura dependência emocional e acho que eu já não amava ele a muito tempo. Eu tô me sentindo mal por tá tão bem. Será que era comodismo? Preguiça de sair da relação? O pior é que ontem uma amiga me avisou que ele começou a seguir uma ex namorada que segue ele a dois anos (que ele volta a pegar todas as vezes que acaba um namoro), fui olhar e tava mesmo, ou seja, mal terminou e já tá engatilhando de comer a outra, sendo que se fez de vítima e injustiçado sofrido no domingo. O sentimento que me veio agora foi um misto de nojo e felicidade por eu tá certa que os motivos que ele me deu eram mentira e na vez que eu vi no histórico dele fotos dessa ex e ele disse que eu era doida, eu não tava doida não gente. Como que eu posso tá sentindo isso? Eu não deveria me sentir péssima e com raiva? Eu tô aqui rindo mas é de nervoso.
Pra não falar que tô totalmente bem, eu fiquei triste por ter perdido anos da minha juventude com alguém que me usou assim e que eu realmente achava que ia construir família. Mas é tristeza por tempo perdido e não por ele não estar mais aqui cmg. E medo de não confiar mais em alguém pra tentar ter uma vida juntos ou mesmo de não encontrar alguém compatível. No mais eu tô ótima.
submitted by Panzh3r to desabafos [link] [comments]


2019.11.07 03:25 Mustafasustenido Completei 30 anos, virei mago e isso me abalou profundamente

Caros colegas redditors.
Buscarei a melhor forma de contar essa história aqui e farei um TL;DR no fim, mas tentarei não deixá-la massiva.
Então... venho de uma família classe média alta onde o que mais tive foi amor e carinho.
Em minha adolescência viajei bastante pelo mundo com minha família, estudei em uma escola excelente, fiz muitos amigos (alguns hoje são meus irmãos de vida) e posso dizer que foi o melhor período de minha vida.
Porém nunca consegui me relacionar com nenhuma mulher. Terminei o ensino médio sem nunca ter dado um beijo. Só tendo encostado na mão de uma menina 1x e passando por dezenas de rejeições (perdi as contas da quantidade de vezes que me apaixonei e não fui correspondido).
Sei que isso, em partes, se explica pelo fato de eu ter sido o ser humano mais magro (com saúde) que já conheci. Sem entrar em muitos detalhes meu IMC era por volta 13, eu era literalmente só o osso. Mais de 1,80m e menos de 50 kg (muito tempo depois descobri que é simplesmente a genética, mesmo malhando existe uma barreira pra meu peso e cada segundo de sedentarismo me faz emagrecer), exames perfeitos. No fim da adolescência entrei pra academia e consegui um corpo magro normal, porém o estrago na minha autoestima já estava feito (apesar de eu ter convicção que a qualquer momento, naturalmente, as coisas aconteceriam e eu acharia alguma menina pra me relacionar).
Passei em uma das melhores faculdades do país, no curso que eu queria, saí de casa pra morar sozinho e estudar, tinha tudo pra minha vida continuar as mil maravilhas, mas encontrei meu primeiro problema. O local de estudo só tinha homens e, como eu não era muito de sair, me bateu um grande desespero de continuar BV por muito tempo, já que não teria contato com mulheres... Enfim, uma depressão apareceu e fiquei quase 2 anos praticamente na rotina casa-faculdade-casa (além de minha família ter colocado quase uma babá em minha casa, pra que eu pudesse ficar mais relaxado). Foi com sobras o pior período de minha vida, em momentos de crise não conseguia comer praticamente nada, em momentos normais eu tinha que empurrar cada refeição. Voltei pra um estado de muita magreza (IMC 14,5), parei de fazer atividades físicas... minha família percebia pouco porque, além da distância, meu desempenho continuou excelente. Meus amigos de infância estavam em outras cidades e meus amigos da faculdade não pareciam notar nada (até porque já me conheceram nesse estado).
Consegui começar a superar essa situação depois de um grave problema de saúde na família. Entendi que nada do que eu sentia se justificava com tanto sofrimento que eu estava vendo daquele ente querido próximo a partir. Tanto que, depois da sua morte meus pensamentos voltaram a funcionar quase que normalmente (algumas recaídas de vez em quando) e voltei a ter aquela certeza adolescente que a qualquer momento naturalmente eu ia encontrar uma parceira.
Resumindo bastante, terminei a faculdade e comecei a trabalhar numa das maiores empresas do país, em uma cidade média do Brasil. Em pouco tempo eu assumi uma função de gestão e hoje estou quase no topo da carreira. Além disso dou palestras periodicamente para centenas de pessoas e ministro um curso noturno na área em que sou referência. Minha remuneração é o equivalente a 1 carro popular a cada 2 meses.
Ah... não possuo redes sociais
O que vou falar agora pode ficar parecendo querer me "gabar", mas é só pra enaltecer a gravidade da situação e o quanto tudo pesa em mim.
Meu modelo de gestão virou referência na empresa (e no mercado em geral), por criar uma equipe "família" (tenho muita facilidade em analisar perfis de pessoas e criar ambientes de trabalho que funcionam de maneira leve), os funcionários da empresa simplesmente me vangloriam pela forma como eu levo as coisas e resolvo as situações. Um dia desses um antigo auxiliar de serviços gerais (o qual sempre incentivei [verbalmente e financeiramente] a terminar o curso que estava fazendo) que conseguiu vaga de assistente administrativo em outra empresa veio pessoalmente me agradecer (até uma lembrança me deu, que guardo com bastante carinho) por conta dos ensinamentos que passei pra ele, que, segundo o mesmo, "foram de grande importância para o crescimento na carreira dele".
Dou palestra pra centenas de pessoas por mês, pra falar sobre a área que domino e está em ascensão em todo o mundo. As palestras tem sido um sucesso, e a plateia aumenta a cada ciclo. Sempre tive muita facilidade pra falar (e prender a atenção das pessoas) em público.
Minhas aulas noturnas também correm de maneira bastante positiva. Sempre tive prazer em ensinar e ver o aprendizado de cada estudante (principalmente os que mais tem dificuldades) me dá uma sensação de dever cumprido muito grande.
Além disso tudo sou multi-instrumentista. A música é parte de mim e sempre quis compartilhar com o máximo de pessoas possível. Dessa forma, sou um dos fundadores (e professor) de um projeto comunitário com objetivo de transformar a vida das pessoas de uma maneira efetiva.
Dito isso, volto pra o ponto do desabafo do tópico.
Completei 30 anos, sou BV e, obviamente, virgem e isso vem me destruindo a cada dia que passa. Todas as pessoas próximas a mim já tem família, ou pelo menos namoradas sérias/noivas e eu mal encostei na mão de uma mulher.
Analisando friamente (uma das minhas maiores virtudes são as autocríticas) sou um homem nota 7 de rosto (sei que nos achamos mais bonito do que o que somos, mas já descontei uns pontos, risos) e 3 de corpo. (recentemente estava melhor de corpo mas ansiedade que venho sentindo nos últimos meses vem me corroendo, e tenho total consciência que não posso por a desculpa dos meus insucessos integralmente no meu corpo)
Ninguém sabe que sou BV e meus dois amigos mais próximos sabem que sou virgem.
Mensalmente recebo a sugestão de procurar uma prostituta, mas meu EU me diz que isso seria a maior prova que sou incapaz de conseguir um primeiro beijo com uma moça que gostasse de mim de verdade (e nem sei se é recomendado beijar prostitutas, risos).
Meus amigos já tentaram me "armar" com conhecidas em festas, mas nas duas vezes que isso aconteceu notei que as moças não queriam e nem tentei forçar a barra. Acabei saindo das situações muito pior do que antes, sentindo a rejeição na pele mais uma vez. Sabe aquela facilidade pra falar em público? Isso desaparece integralmente em contatos sociais diretos com muitas pessoas do sexo feminino (principalmente em festas, que nunca gostei e hoje em dia mal vou, a não ser as do trabalho ou quando faço parte da banda). Na verdade ir em festas no geral me cansa MUITO, vou uma vez por ano, depois de muita insistência dos amigos, porque sei que vou ficar lá 5-6h com cara de paisagem, sem despertar o interesse de nenhuma mulher random por conta de não conseguir ter a mínima postura e não ter um corpo tão legal pra gerar interesse numa numa festa.
Tenho total convicção que, se eu fosse uma mulher, jamais pegaria um cara inibido como eu num ambiente de festa, eu simplesmente me reduzo a um pedacinho de nada, sei que isso é muito por conta da baixa autoestima devido ao meu corpo e às rejeições femininas que sofri na adolescência.
Minha rotina hoje em dia se resume basicamente a:
Trabalhar de segunda à sexta o dia todo (e noite), tento ler algo pra relaxar;
Sexta à noite (pelo menos a cada 15 dias) saio com meus amigos (e suas esposas) pra um barzinho;
Sábado trabalho mais um pouco, assisto futebol e vou dar aula de música para o pessoal no projeto;
Domingo passo o dia feliz com minha família, à noite vou à missa pra relaxar um pouco o espírito e me preparar para a semana.
Sinto um pouco de tristeza principalmente ao escrever que passo o "domingo feliz" com minha família, com um toque de desdém. Porque realmente tinha tudo pra ser algo perfeito, mas meu EU interno já passa cada minuto, em cada uma dessas atividades, pensando no quanto de vida eu perdi por chegar aos 30 anos sem ter me relacionado com uma mulher e saber que esse tempo não volta atrás nunca.
Saber que jamais vou ter uma namoradinha aos 15 anos, conhecer aos poucos e sem maiores pressões como um relacionamento funciona. Ir de mãos dadas ao shopping, assistir um filme, trocar palavras, olhares... Cada vez que penso nisso parece que uma parte de mim fica pra trás, não consigo exprimir com palavras o vazio que isso me faz sentir.
O estopim para que eu resolvesse desabafar e (com fé em Deus) procurar ajuda profissional foi o seguinte:
A empresa é composta majoritariamente por homens e mulheres de mais idade, mas possui algumas estagiárias e o pessoal sempre me fala na resenha (não sei até que ponto é resenha [na verdade eu sei que não é resenha]) que elas fazem de tudo pra se envolverem comigo (lembra aquela história de que sou bom pra traçar perfis de pessoas e montar equipes? Pois é, quando o assunto é relacionamento com mulheres eu não sei interpretar os sinais mais básicos). Obviamente eu jamais me envolveria com uma estagiária (até mesmo uma ex-estagiária), por razões profissionais, mas já recebi muitos "convites" via Whatsapp, que acabo levando na brincadeira pra não queimar minha reputação.
Enfim, recentemente chegou o ponto que resolvi que meu psicológico era mais importante do que meu medo de "me queimar" e comecei a conversar com uma estagiária (10 anos mais nova e de família humilde[claro que não ligo pra isso, só estou dizendo aqui pra que você me ajudem a interpretar a situação depois]) que já estava terminando o contrato e ia ser efetivada em outra cidade. A iniciativa foi minha (e isso me fez ter ainda mais vontade de que desse certo), mas, mesmo sendo um poste, eu sempre notei a forma que ela me olhava, sorria e nas conversas que tivemos nossas ideias se batiam muito, além de ela me atrair fisicamente e ser bastante inteligente.
Começamos a conversar diariamente via Whatsapp (evitávamos contato pessoal por conta do ambiente da empresa). Pouco antes do contrato dela acabar surgiu o momento e falamos mutuamente do que sentíamos, dos problemas que isso podia trazer pra vida profissional, mas acabamos concordando que valeria a pena tentar algo. Um tempo depois resolvi chamá-la pra sair e ela aceitou, mas veio com uma conversa que não era pra eu criar expectativas e que ela "não era fácil" (com outras palavras mas em resumo era isso). Confesso que achei meio estranho, há pouco tempo havíamos nos aberto um para o outro, mas não entendo nada de mulheres mesmo, então vamos seguir a história.
Tive o primeiro encontro da minha vida (sim, aos 30 anos, repito) levei ela pra jantar em um local que não fosse o mais caro da cidade (pensei que ela se sentiria mais confortável caso pudesse pagar o que havia consumido, se desejasse).
Saí de casa bastante nervoso, mas seguindo à risca tudo que os tutoriais on-line tinham me ensinado. Asseado, perfumado, bem vestido (como se eu já não vivesse assim...) e tentando o máximo possível ser simplesmente eu.
Chegamos ao local (um pouco preocupados que algum conhecido nos visse), mas a coisa fluiu tão naturalmente que, aos poucos o nervosismo foi passando. Aproveitamos o momento "livres" e conversamos sobre muita coisa ao longo de quase 3 horas (sem nenhuma forçação de barra, a coisa realmente acontecia de maneira espontânea), falamos um pouco sobre nossas vidas, nossos anseios, falamos mal das pessoas das mesas vizinhas... isso tudo com intensas trocas de olhares. Chegou um ponto que tomei coragem, segurei na mão dela e, pasmem, ela deixou. Fiquei ali de mãos dadas com ela (foi uma das melhores sensações que já tive na vida), trocando carícias e conversando por mais alguns minutos, quando decidi que era hora de sair e tentar algo.
Como já disse, antes do encontro eu estava muito nervoso, mas depois de todo aquele tempo com ela eu percebi que as coisas realmente iam acontecer de forma bastante natural.
Saí do restaurante abraçado com ela, fomos em direção ao carro (estava num local isolado), fiquei de frente com ela, falei 2 palavras e fui em direção ao meu primeiro beijo.
Ela simplesmente se virou e disse "na-não" (foi mais em forma de ruído de negação, mas achei melhor escrever assim), nesse momento não entendi mais nada (teria interpretado algum sinal de forma errada? Deveria insistir?).
Dei um abraço nela falei algumas palavras, tentei novamente e recebi mais uma rejeição.
Não soube o motivo (até agora não sei), mas preferi não insistir, demos um abraço demorado e levei ela pra casa, conversando sobre outras coisas.
Faz pouco tempo que isso aconteceu e ainda trocamos algumas palavras via Whatsapp. O que me deixa tranquilo é que eu pelo menos tirei a bunda da cadeira e tentei. Mas a frustração de mais uma rejeição é algo incomensurável pra mim. Não sei quando terei contato com outra mulher a esse ponto (estatisticamente eu tenho contato, com chances de dar algo, com uma mulher a cada 2 anos, e, é claro, nunca deu certo)
Com relação a esse encontro (eu queria até a opinião dos colegas redditores) eu trabalho com 3 hipóteses:
1 - Ela quer algo, mas não quis se mostrar fácil/interesseira (como as outras estagiárias que mandam mensagens diretas pra mim por Whatsapp) e está esperando outro convite meu para que possamos sair novamente e finalmente ocorra algo;
2 - Ela não quer mais nada por conta de uma das milhares de coisas que podem estar se passando na mente dela;
3 - Isso foi a prova de que meu corpo possui alguma substância não identificada, incolor, inodora e insípida, que cria uma barreira contra mulheres.
Não sei se vale a pena insistir, estou tão frustrado que não consigo ter forças pra um contato mais direto (apesar de sentir muita falta das conversas com ela);
Pra finalizar, meu desespero hoje é tão grande que penso até em fazer uma rede social (coisa que nunca tive) só pra me "amostrar" (algo que é totalmente contra meu perfil). Mostrar meus carros, minha casa na praia, minhas viagens semanais, meus momentos com os amigos, sei lá, qualquer coisa que pudesse gerar alguma curiosidade sobre mim para as mulheres.Mas aí me olho no espelho e percebo que quando chegar a esse ponto eu realmente não estarei mais sendo eu e algo de muito errado (além do que já está se passando) estará acontecendo.
TL;DR: Homem, 30 anos, família perfeita, muitos amigos (alguns verdadeiros irmãos), trabalho dos sonhos, ótima situação financeira, porém BV e virgem.
Fazendo um resumo desde a adolescência:
Comecei a aprender sobre música achando que com isso um relacionamento viria naturalmente (ao menos a música virou uma paixão real em minha vida);
Comecei a fazer academia achando que com isso um relacionamento viria naturalmente;
Comecei a cursar um dos cursos mais concorridos do Brasil achando que com isso um relacionamento viria naturalmente;
Comecei a trabalhar e hoje ganho mais do que 99% da população brasileira achando que com isso um relacionamento viria naturalmente;
E não veio. Hoje não sei mais o que buscar ou a quem recorrer... A ansiedade (ou seria depressão?) está chegando a tal ponto que me vejo totalmente refém de alguns pensamentos que me atrasam bastante. Eu não consigo, por exemplo, passar mais de 15 dias (ou ir pra um lugar distante) longe da minha família/amigos próximos. Começa a bater um desespero (tipo os que eu sentia na depressão quando tinha 20 anos) e começo a pensar que eu poderia estar ali com uma companheira, aproveitando cada segundo. Já desisti de diversas viagens para fora do Brasil por conta disso. Coisa que fazia naturalmente na adolescência.
Sinto que a cada dia a bolha vai aumentando, a ponto de começar a atrapalhar nos meus trabalhos e vida pessoal, viagens a trabalho para fora do estado estão se tornando um sofrimento (as consequências de todos meus medos recaem sobre meu sistema digestivo), acordo à noite desesperado com medo do dia de amanhã, comecei a procrastinar algumas coisas e perder o tesão em diversas situações de prazer do dia a dia (não consigo mais jogar videogame por achar que isso me torna ainda mais virgem e inútil. A própria masturbação se tornou um momento de tristeza. Tocar piano, violino, violão, etc sozinho muitas vezes só me traz dor).
Cada elogio que recebo na empresa, palestras, aulas, crianças no projeto de música, família, amigos, parece aumentar o vazio que sinto.
Gostaria de simplesmente arrumar uma companheira e viver a vida a dois, viajar, compartilhar momentos, beijar, quem sabe, caso a coisa desse certo, ter filhos, criar uma família...

De qualquer forma, me sinto um pouco mais leve por ter passado 2 horas escrevendo e tendo exprimido todos esses sentimentos pela primeira vez (pra o lado de fora de minha cabeça).
Estou pensando em procurar um psicólogo (creio que já devia ter feito isso desde a minha primeira depressão lá nos 20 anos). Como garantir que eu, sendo uma figura conhecida na cidade não terei todas as minhas histórias íntimas divulgadas (sei que psicólogo é uma profissão muito séria, peço até desculpas de antemão caso essa pergunta ofenda alguém, mas uma pessoa má intencionada poderia destruir toda minha reputação externalizando minha intimidade). Na verdade a pergunta é "como escolher um psicólogo?". Caso não dê certo é normal trocar de psicólogo?
Obrigado a todos pela atenção.
submitted by Mustafasustenido to desabafos [link] [comments]


Como posso encontrar a minha essência? Como Pedir Direções em Inglês  Guia de Viagem Como comprar PUTs no Brasil? E como encontrá-las? Como comprar uma cobra jibóia? Musica completa da Série O ENIGMA de Vitoria (Vihtube) Banda Nova Edição - No Colégio 4 Maneiras de Conquistar Sua Namorada no Minecraft Em uma Oração 'Monique' COMO COMPRAR A MINI HORNET? COMPLETO! Onde eu posso encontrar um novo amor?

7 passos para arrumar uma nova namorada Atitude.com

  1. Como posso encontrar a minha essência?
  2. Como Pedir Direções em Inglês Guia de Viagem
  3. Como comprar PUTs no Brasil? E como encontrá-las?
  4. Como comprar uma cobra jibóia?
  5. Musica completa da Série O ENIGMA de Vitoria (Vihtube)
  6. Banda Nova Edição - No Colégio
  7. 4 Maneiras de Conquistar Sua Namorada no Minecraft
  8. Em uma Oração 'Monique'
  9. COMO COMPRAR A MINI HORNET? COMPLETO!
  10. Onde eu posso encontrar um novo amor?

Como pedir direções em inglês: descubra o passo a passo pra nunca ficar perdido(a) em uma viagem. Dá o play e assista! Helloo! English Yourself em New York. Hoje, eu vou falar com você sobre ... Eu pra você Ah, eu quero te mostrar Como eu posso te amar No colégio Onde eu posso te encontrar No colégio Onde rola o nosso olhar No colégio Pra sentar e conversar No colégio Quero te fazer ... Minecraft - Criando uma Vila de Aldeões - Vila dos Tutoriais - Duration: 16:55. ... 7 FORMAS DE IRRITAR SUA NAMORADA! ‹ Minecraft Machinima › - Duration: 6:42. WIIFEROZ 3,727,249 views. E como eu posso encontrar a grade de opções? Estas, são algumas das perguntas que o Gabriel respondeu neste vídeo, onde ele mostra a prática de uma compra de PUT na CLEAR CORRETORA ... É que eu quero encontrar o melhor lugar Onde eu posso para, o enigma Eu não com eu vim parar aqui E pelo o que entendi, logo eu não vou sair Eu escuto passos a me perseguir Eu tenho medo, mas ... eu posso te encontrar em uma oração, não importa onde estou, bem perto estás me mostrando o caminho.em uma oração eu posso te sentir,eu sei que entre nós distancia não há sempre que eu ... Olga - 11 987456011 - wats. This video is unavailable. Watch Queue Queue Vídeo mostra como comprar uma jibóia. FED MY HUGE ANACONDA A RABBIT IN HER NEW GIANT CAGE AT MY REPTILE ZOO!!! BRIAN BARCZYK - Duration: 14:43. Brian Barczyk Recommended for you Como comprar uma Shineray Mind 50 (Mini Hornet)? Assista todo o vídeo para saber como funciona! É bem simples, porém poucas lojas da Shineray vendem essa Moto..Assista o vídeo sem pular pois ... Encontrar a nossa essência, é um processo, a Diana Faustino, do Sacerdócio do Sagrado Feminino, ensinou-nos como lá chegar.