Jornada aqui estamos

Eu acredito que estejamos condenados como sociedade e como espécie

2020.11.20 17:54 rafaelchampion Eu acredito que estejamos condenados como sociedade e como espécie

Postado originalmente por mim no offmychest.
Aviso: eu posso dizer algumas coisas que causem gatilho ou desagradam algumas pessoas. Se você não estiver se sentindo bem, aconselho não prosseguir.
Eu acho que a espécie humana está condenada. A vida neste planeta existe há cerca de 4 bilhões de anos. Não posso nem pedir para você parar e tentar entender o que essa frase significa. Nossos cérebros não são capazes de analisar números tão grandes. 4 bilhões. São 9 zeros.
Somos uma espécie de muita sorte, resultado de 4 bilhões de anos de evolução. Atmosfera sufocante, calor, frio, meteoros, terremotos, vulcões, tempestades solares, radiação, possíveis explosões de raios gama do espaço sideral, predadores, doenças, acidentes, até mesmo a própria estrutura esquisita do nosso universo. Cada uma dessas coisas poderia ter sido responsável por nos eliminar em qualquer ponto de nossa obstinada vontade de sobreviver.
Nossos corpos passaram de apenas uma única célula lutando para absorver algumas moléculas microscópicas para pequenas coisas flutuando no mar para coisas que nadam para coisas que rastejam para coisas que andam para coisas que constroem para coisas pensantes. É um caminho enorme até onde nos encontramos agora.
A evolução acontece em pequenos passos, levando muitas gerações para evoluir e aperfeiçoar um único traço. E ainda assim parece que ela falhou em algum lugar nesta jornada. Não consigo identificar onde, mas algo deu errado. Devíamos ter sido capazes de desenvolver melhores estruturas cerebrais para o comportamento social. Devíamos ter evoluído para priorizar o pensamento racional e crítico. Devíamos ter selecionado melhor nossos traços para compreender melhor o mundo e o universo ao nosso redor e traçar nosso objetivo como espécie.
Mas não. Estamos muito ocupados com preocupações individuais de longa data, preconceitos teimosos e equívocos, pensando em uma forma de construir conforto para nós mesmos, para que possamos buscar ainda mais conforto e sedentarizar e traçar uma autoimagem de ser uma pessoa boa neste mundo. E nesse caminho, continuamos tendo que lutar contra o racismo, a falta de igualdade de gênero, a discriminação contra os homossexuais e cada pessoa que vive diferente de nós, guerras, desavenças, vergonha social, depressão, bullying. Consegue ver onde nós chegamos? Sobrevivemos bilhões de anos apenas para nos matar ou morrer pelas mãos de nossa própria espécie.
Você sabia que a Terra tem uma data de validade? Um dia, esse pálido ponto azul será engolfado por nosso próprio sol quando seu combustível começar a acabar.
Você sabia que o universo está tentando nos matar o tempo todo? Rochas gigantes errantes podem chegar até aqui e acabar conosco a qualquer momento, e não temos nenhuma tecnologia disponível hoje para impedir isso. Podemos ser varridos por uma explosão de raios gama vinda de um blazar. Nosso sol pode ficar doidão e fazer chover sua corona eletromagnética sobre nós, queimando nosso planeta. Nossa crosta pode se sobrepor severamente, liberando uma tonelada de magma, fumaça e poeira no ar, sufocando-nos e matando nossas plantas. Qualquer nova doença viral ou bacteriana inesperada pode simplesmente aparecer a qualquer dia e atingir nossa sociedade despreparada (e comprovadamente relutante em obedecer às regras sanitárias).
Ainda estamos perdendo tempo criticando se casais gays podem se casar, ou reclamando quando uma mulher tenta ter seu salário igualado a um homem, ou brigando com alguém pela cor de sua pele, ou mesmo batendo em alguém pelo homem no céu que eles acreditam ou deixam de acreditar que existe.
Devíamos reunir nossos esforços para a perpetuação de nossa espécie no universo. Encontrar maneiras de manter seguros nossos muitos anos de estudos e conhecimento sobre o universo que nos cerca, caso este pequeno planeta seja expulso do jogo. Devemos ser capazes, com os recursos que temos neste planeta, de dar a cada ser humano uma vida boa, digna, com igualdade, e até mesmo respeitar a nossa natureza, plantas e animais, com esta grande fonte de energia que temos que é o nosso sol .
Mas não estamos fazendo isso. Porque falhamos. Nossas diferenças deveriam ter sido algo que já resolvemos, mas são um motivo de conflito como nunca antes. Nossa ciência é desacreditada, o estudo, o pensamento racional e crítico são desencorajados. Seremos apanhados de surpresa quando algo nos acontecer e este será o nosso fim: porque estamos muito ocupados lutando uns contra os outros. Não acho que haja tempo para consertarmos nossa espécie. Isso já deveria ter acontecido. Estamos piorando mais e mais a cada dia. Na verdade, parece que estamos retrocedendo. Desevoluindo.
Isso me deixa muito triste porque passamos por tantas coisas para estar onde estamos hoje, e vamos encontrar uma maneira de jogar tudo fora, porque quando chegará a nossa hora de mostrar o quão longe chegamos, quão avançados e inteligentes nós somos, estaremos ocupados lutando uns contra os outros.
Espero que alguma forma deste texto sobreviva ao futuro para ser encontrado por algum tipo de vida ou consciência. Para eles, tenho uma mensagem: por favor, olhem a história da espécie humana e tentem evitar os erros que cometemos. Seja gentil, seja generoso, apegue-se à ciência, pense no futuro, pare com desavenças inúteis e, por favor, tente tornar cada um de seus indivíduos IGUAIS. Ninguém merece ter mais ou menos que outro.
TL; DR: Estamos lutando uns contra os outros em vez de tentar evoluir e colonizar outros planetas. O fim chegará antes que possamos parar de lutar contra nós mesmos.
submitted by rafaelchampion to brasil [link] [comments]


2020.10.30 01:28 atsimonoce Perdendo as esperanças quanto ao meu futuro

Bem, é tanta coisa que é até difícil começar a descrever como me sinto de uns tempos pra cá. Tenho 22 anos e estou no 7 semestre de economia aqui na federal da minha cidade. Desde antes da pandemia eu ja apresentava um quadro de desanimo com meus estudos, com relação principalmente a metodologia e as limitações que haviam no meu curso. Em outubro de 2019 eu havia acabado de entrar em um estágio e as coisas estavam indo bem, fazendo com que eu me sentisse motivado e disposto a concluir essa jornada, apesar de tudo. Eu sempre fui um aluno dedicado nos meus estudos, não sou dos mais inteligentes, mas com esforço consigo compensar o que falta. Sempre estive entre os melhores alunos da turma, mesmo sempre bem desanimado com o curso, apesar de gostar. Com o começo da pandemia minha universidade parou as atividades acadêmicas, e eu que estava prestes a ir para o meu 7º período de curso fui obrigado a parar tbm. Nesse primeiro momento eu pensei que tudo seria rápido e as coisas se resolveriam logo, porém a situação chegou até aonde estamos e minha universidade fala em planos de retorno só para o ano que vem. Estou extremamente triste, é como se eu estivesse em um nevoeiro, estagnado. Meus amigos continuam as vidas deles e eu estou aqui sozinho só comigo mesmo, muitos sequer se lembram que existo, não os culpo, sinto que minha irrelevância os faz agir de tal maneira. Estou com muito medo de nunca terminar essa faculdade, e ficar sempre ouvindo as indiretas da minha mãe me mandando procurar emprego, embora eu esteja em um projeto de pesquisa e recebendo o valor da bolsa, que não é muito ($400), mas me ajuda e me deixa um pouco feliz pois fazer pesquisa é algo que eu realmente gosto. Como minha mãe acha que cientista são todos um bando de comunistas vagabundos ela me inclui junto e acha que sou um vagabundo que não quer trabalhar, sendo que esse ano tirei a CPA20 para tentar conseguir um emprego de estágio em um banco, mas isso ela não vê. Sinto que estou velho e terminar a faculdade com 24~25 anos pode prejudicar e impossibilitar meus planos de seguir carreira acadêmica para um mestrado e um doutorado. Me sinto péssimo todos os dias, as ideações su1cidas são constantes, e sinto que estão me dando cada dia mais coragem de fazer uma besteira. O que me mantém motivado ainda é correr todo dia e tentar não pensar em tudo o que ta acontecendo. Por hora é isso, e se vc leu até aqui obg de coração, eu realmente queria desabafar com alguém, mas ninguém tem paciência para me escutar. Espero que vcs estejam bem e fiquem seguros. Abraços!
submitted by atsimonoce to desabafos [link] [comments]


2020.10.28 19:28 SatokoHoujou "Descobri que sou trans, e agora?" Update do meu post de 6 meses atrás

TW: transfobia. TL;DR abaixo.
6 meses atrás (ou quase) fiz um post aqui relatando ter me descoberto trans, compartilhando minhas angústias, meus medos e pedindo por sugestões. Continuo usando pronomes masculinos porque sim. Depois de meses bem turbulentos, finalmente tomei a coragem para dar os primeiros passos, mas infelizmente minha situação ainda está longe de ser boa, e por isso venho novamente compartilhar minha experiência e pedir ajuda.
Primeiro, vamos começar por uma citação do meu post original:
"eu acredito que com tempo ele [meu pai] aceitaria. Minha mãe eu sei que aceitaria, se não fosse pela questão da insegurança e dificuldade de arrumar emprego. Por isso, tenho certeza que ela iria me desencorajar e dizer que é só uma fase. "
Meu. Deus. Do. Céu. Que cagada eu aprontei!!! Subestimei a transfobia (ou simplesmente o medo pela mudança) e piorei absurdamente minha situação. A pior parte dessa experiência de transexualidade para mim foi descobrir que as pessoas não gostam de seus amigos/familiares, eles gostam da imagem que eles próprios tem da pessoa em questão, e essa imagem deve ser sempre estática e imutável. Qualquer tentativa de mudança é mexer com os próprios valores e crenças, portanto dificilmente há uma abertura para o diálogo ou para tentar entender o diferente.
Pois bem, no começo de maio eu criei coragem e contei para minha mãe. Tinha certeza absoluta de que ela no máximo reagiria neutra, ao estilo de "não gostei, mas faça o que te fizer feliz". E em um primeiro momento foi exatamente essa a reação dela (disse que eu podia fazer o que me fizesse feliz), óbvio que senti um alívio extremo, mas como diz o ditado, alegria de pobre dura pouco. No outro dia, eu acho que ela fez algum tipo de pesquisa sobre isso, e como não deve ser de espantar, só apareceram notícias de "travestis mortas e desaparecidas", ou sobre preconceito enfrentado.
Neste paragrafo eu quero enfatizar o quanto eu tentei argumentar com ela de que este final trágico não vai ser o meu fim. Eu tentei explicar de maneira didática, expliquei a diferença sobre transição médica e social, e que a princípio eu não pensava em fazer a social, e que enquanto eu não fizer mudanças drásticas, as pessoas ainda me enxergaram como um homem qualquer. De nada adiantou, e houve algumas semanas torturantes em que quase todo dia ela encontrava uma notícia de "trans é morta" e vinha me mostrar, e ficava gritando comigo: "é isso que você quer pra você? morrer pra nada? é só isso que acontece com essa gente, se prostitui e morre como se fosse um lixo". Porra, ouvir isso machucou demais. Nem só por mim, mas pela falta de empatia mesmo. Como se isso já não bastasse, tive que ouvir algumas boas vezes que "vou me tornar um monstro", e ela usou a palavra "estranho" e "esquisito" para descrever pessoas trans tantas vezes que eu peguei um trauma com essas palavras aí. O problema dela não é só com trans não, tudo que foge de qualquer normatividade pra ela é "ridículo, digno de risada". Tipo uma mulher na casa dos seus 40 com piercing e roupa curta que ela ficou debochando. Eu retruquei dizendo, "se ela paga suas contas e não faz mal a ninguém, que mal tem se vestir como quer?" E ela simplesmente respondeu que "existem regras sociais a serem seguidas, e que tudo bem ela bancar papel de palhaça, desde que ela tenha ciência disso". Que pensamento é esse, galera? Para tudo porque eu quero descer. Quero é distância de gente assim. Não tem como viver uma vida em função de outras pessoas não rirem de nós. Que vida é essa?
Até aqui foram só reclamações e relatos, certo? E o que isso tem a ver comigo? Porque isso me afetou tanto? Bem, eu tenho predisposição a ter muitos problemas de pele, os quais dermatologistas já me disseram que "ativam" devido a estresse. Além disso, também sofro de gastrite nervosa, que só aparece com estresse. E foi esse o resultado de ter contado para ela até o momento, me fodi lindamente induzindo dois problemas de saúde os quais está impossível me tratar. Ainda tive a sorte de ter tido uma reação alérgica a um creme depilatório em maio, já gastei mais de 500 reais com consulta e antibiótico e longe de conseguir sarar. Ou seja, em vez de ter dado um passo para frente, eu sinto que dei dez para trás. Isso tudo sem nem ter contado ao meu pai, só imaginem quantos passos para trás vai ser quando contar? Ou quando minha mãe contar, porque ela já fez essa ameaça várias vezes. Não é "justo" eu iniciar TH sem ao menos falar algo para ele. Outra coisa que diria que piorou uns 99% meu emocional foi ter que ouvi-la falar várias vezes que pretende cortar contato comigo, que "não quer me ver parecendo uma mulher". Isso acabou comigo por alguns dias, talvez seja até o melhor a se fazer mesmo, mas eu realmente estava sem preparo para escutar isso.
Considerando isso tudo, o pouco de notícia boa que pude acumular nesses meses é que finalmente comecei depilação a laser no rosto, fiz 2 sessões até o momento e os resultados estão aparecendo bem rápido. Interessante notar que quanto a isso minha mãe não tem nenhum problema, até disse que me ajudaria a pagar caso eu não consiga pagar (vida de estágio). Quanto ao meu pai, disse para eu "pensar bem porque barba está na moda". Acho que não tem nada que dê pra fazer sutilmente para dar umas dicas mesmo não, as pessoas simplesmente não consideram essa possibilidade. Acho que só funcionaria se eu aparecer de saia e batom.
A outra boa notícia é que hoje mesmo eu fui em uma consulta no SUS. Essencialmente foi para resolver esses dois problemas (da infecção e da gastrite), mas decidi pedir um encaminhamento para o ambulatório trans aqui da cidade. Relatei sobre a gastrite por causa do estresse, falei da infecção por causa do creme depilatório, e conclui minha fala mais ou menos assim: "essas duas coisas têm relação com uma terceira coisa que eu gostaria de comentar... que é que eu quero um encaminhamento para o ambulatório trans". Wow! Olhem para mim! Ontem mesmo estava com pavor da ideia, e lá estava eu me abrindo com quem estava me atendendo, que eram três estudantes de medicina e a médica, professora deles. O atendimento em si foi excelente, eles foram todos muito profissionais e simpáticos. Nunca tinha feito uma consulta pelo SUS e em breve farei um exame de sangue e terei um retorno. Quanto ao meu pedido, eles fizeram o encaminhamento, é agora é só esperar.
Claro que minha situação não melhora apenas esperando até ter uma consulta no ambulatório... porque agora vem a dúvida cruel. O que fazer? Começar escondido ou esperar sabe-se lá quanto tempo até poder sair de casa? Digamos que agora eu já devo estar sob suspeita com minha mãe, então dei um tiro no próprio pé. Fica aqui meu pedido a quem estiver no armário: pensa, repensa, e repensa de novo umas mil vezes antes de contar para alguém, principalmente, claro, aos pais. Sério, não fazemos ideia mesmo do preconceito que as pessoas tem com trans. O problema mesmo é uma coisa que disse no meu outro post: "o filho do vizinho ser gay tudo bem, o meu não." Agora multipliquem a potência dessa fala por dez e temos a não aceitação da transexualidade.
Bem, e cá estamos, fui receitado um antidepressivo para ajudar com ansiedade e também com a própria gastrite, visto que a causa é estresse. Então pelo menos estou feliz a respeito do antidepressivo, é algo que sinto que precisava há bastante tempo. E a dúvida cruel persiste: o que fazer? Começar às escondidas ou não? Contar para meu pai ou não? Estou completamente sem rumo, sem saber o que fazer, só desejo poder sair de casa o mais rápido possível, mas esse dia parece ainda ridiculamente longe... e pensar em ficar esse tempo todo sem TH é angustiante.
Tens aí minha jornada de 6 meses de dez passos para trás e um para frente.
TL;DR: contei pra minha mãe que sou trans, rolou uma treta maligna em casa e agora estou com vários problemas de saúde por causa de estresse. Pedi encaminhamento para um ambulatório trans, e agora estou na dúvida eterna se começo TH ou não às escondidas.
submitted by SatokoHoujou to transbr [link] [comments]


2020.10.11 05:11 vicgregor1 Uma história pra levantar a alma

Eu passava o tempo lendo algumas histórias por aqui. Me divirto com algumas, tenho vontade de ajudar em outras. Mas talvez, a melhor ajuda que eu posso dar seja dividir a minha própria história recente.
2019 foi um ano de m* pra mim. Não diria que o pior ano de todos porque teria páreo, mas tá ali no top 3. De janeiro a junho, saí de uma situação onde tava a beira de terminar a faculdade, noivo, feliz e traçando planos pro futuro, pra tendo que parar tudo porque a minha tia quebrou a coluna numa queda, perdendo minha noiva depois de mais de 4 anos de relacionamento - e justamente quando eu mais precisava de alguém, que foi quando minha tia piorou dramaticamente. Provavelmente só os jogos me fizeram sobreviver, de resto, vivi basicamente no 'piloto automático' o ano todo. Minha tia com minha atenção e cuidados médicos, eventualmente se recuperou em dezembro da coluna, e começou uma longa reabilitação física, mas dos males o menor. Mas a minha jornada só tava começando. É aquela história: você só consegue resolver um problema quando entende o que é ele. E até aí, eu achava que com a minha tia melhorando, eu também melhoraria. Eu tava completamente enganado. Ela melhorou, mas eu ainda me sentia... vazio. Não confiava em ninguém, e nem em mim mesmo. Eu demorei a entender por que. No fim das contas, senti que tinha falhado e que tudo tinha sido culpa minha, mesmo não tendo sido - é uma tendência que tenho desde adolescente de assumir muita responsabilidade, inclusive em situações onde ela não é exatamente minha. Uma coisa que gostaria que alguém tivesse me dito na época é que ter o coração partido dói, e muito, mas por maior que seja, a dor não vai fazer o tempo parar pra que você o conserte.
Entra a pandemia. E por mais bizonho que isso possa soar, também a minha recuperação. Com todo mundo em isolamento social, e sentindo falta de contato, a minha falta de contato que já vinha de 2019 se tornou insuportável, e decidi quebrar essa barreira voltando a falar com velhos amigos de jogo e de faculdade. Eu redescobri o quão eu era uma pessoa divertida e bem vinda pelo pessoal, e esse calor humano foi o que me fez levantar a cabeça de novo - eu sempre fui extrovertido, e a solidão me consome muito rápido. Um dia eu acordei e olhei ao meu redor, o quarto numa bagunça. E eu acredito que o quarto normalmente reflete o estado mental da pessoa. Se pretendia organizar minha vida de novo, talvez meu quarto fosse um bom começo. Levei três dias arrumando tudo, mas valeu super a pena. Me senti bem comigo mesmo pela primeira vez em meses. Ainda não tinha um plano pro futuro, mas considerando a pandemia, o futuro podia esperar um pouco. Fazer um presente melhor, pra quem sabe isso fluir pro futuro. Comecei a cuidar melhor de mim mesmo, e acabei me apaixonando pela minha melhor amiga dos anos de faculdade - o sentimento era recíproco, e estamos namorando!
Depois disso acabei pegando covid-19 em um dia que tive que comprar comida pra casa, mas ficando assintomático, mas minha tia acabou pegando de mim, teve que ir pro hospital, mas atravessamos tudo isso comigo de cabeça erguida. Ela melhorou, e eu recuperei minha confiança em outras pessoas e em mim mesmo. Estou de volta a fazer planos pro futuro, que apesar dos tempos sombrios, parece brilhante no horizonte.
Queria concluir dizendo a todo mundo que tá se sentindo sozinho, que acha que fracassou, que falhou: se você tá vivo, dá pra virar o jogo. Nada na vida é permanente, nem a derrota, por mais que ela pareça. Flua e deixa fluir. E se você quer um começo, não precisa ir muito longe. Toda pequena vitória conta, desde que tenha sido melhor que o dia anterior. Se perdoe. Cuide muito bem de você mesmo, afinal você mesmo sempre deve ser sua melhor companhia, já que é a única que sempre, 100% do tempo, vai ter. Que tal arrumar seu quarto? Podendo ou não ser o começo de uma boa história, eu tentei... e deu muito certo. Busque ser a sua melhor versão que com dedicação o resto vem.
submitted by vicgregor1 to desabafos [link] [comments]


2020.10.04 16:31 111DarkGuy A mulher que eu amo tá com outro cara e eu tô me sentindo um lixo.

Eu entrei pra vida "adulta" faz pouco tempo, e sinceramente minha adolescência não foi das melhores ou das mais bem vividas, então não tenho tanta experiência com relacionamentos.
Alguns anos atrás, eu conheci essa garota, ela é tudo de bom... amável, carinhosa, esperta, bonita, sei lá. É uma pessoa que eu admiro em diversos aspectos diferentes. Ela mora um pouco longe de mim, mas a gente meio que "clicou" imediatamente. A gente se aproximou muito rápido e sei lá, tava tudo dando certo, nós éramos basicamente namorados, só faltava a gente se assumir. Até que por algum raio de motivo que nem eu nem ela lembramos mais, a gente brigou. Ficamos um bom tempo sem nos falar. Reatamos contato esse ano, e eu, trouxa, me apaixonei por ela mais uma vez.
Bom, ela falou que não sente o mesmo, que não busca relacionamentos no momento, que talvez um dia, bla bla bla. Basicamente, eu tava sentindo mesmo que ela tava um tanto bloqueada comigo. Lembrando que tô resumindo muito a história pra não fazer um negócio gigante e muito detalhista. Enfim, eu conversei com alguns amigos meus e eles me ajudaram a perceber que talvez eu estava colocando a carroça na frente dos bois e sendo muito "juvenil" na minha abordagem. E parando pra pensar nisso, realmente, eu tava indo muito pra cima dela com essa de paixão, amor, namoro, mas sei lá, ela não tá bem com o emocional muito bom nos últimos meses pra isso, não é disso que ela precisa de mim, no momento.
Então eu falei "Ok, vou lidar com isso como adulto", chamei ela pra conversar e expliquei que eu acho que fui muito apressado e desengonçado na minha abordagem, que de agora em diante eu vou ser um amigo e um suporte pra ela, porque acho que ela precisa mais disso, no momento. Sugeri que ela fosse em um terapeuta (porque sinceramente, ela tá precisando), basicamente, falei que eu vou deixar esse meu sentimental em standby com ela, por enquanto, porque sinto que não é a hora. Ela me agradeceu, falou que sente que agora nós estamos sendo honestos um com o outro, que sente que o "bloqueio" que ela tinha comigo sumiu.
Aí ela disse que tá gostando de alguém. Inclusive, eles estão praticamente namorando. Eu sei lá, eu tava pronto pra deixar meus sentimentos de lado, mas essa notícia foi um baque muito grande... ela me disse isso, e eu aqui, me segurando pra não ter ciúmes, não ficar triste, pra sei lá, ficar feliz por ela. O cara em questão é conhecido meu também, ele não é babaca, não vai tratar ela mal. Mas manos... Eu não consigo me impedir de querer que esse relacionamento dela dê errado... Eu to me sentindo extremamente culpado, e é horrível esconder isso dela, mesmo sabendo que é o melhor a se fazer, pra não gerar briga e tal. Eu me propus a agir como adulto nessa situação e não ficar com esse tititi adolescente de "Ah, eu gosto dela mas ela gosta de outro", mas caramba, é um negócio que dói demais.
Bem, por enquanto os dois estão só "se conhecendo", não têm nada sério ou coisa do tipo, mas eu to percebendo que isso vai pra frente e tal... E eu não posso, nem devo fazer nada a respeito disso. Basicamente, eu perdi essa. Como praticamente tudo na minha vida amorosa até agora, eu perdi kk e eu to extremamente mal.
Então é... agora eu tô todo fragmentado aqui, metade de mim quer que ela seja feliz, quer estar lá por ela se ela precisar, quer acompanhar a jornada dela na vida mesmo que só como um amigo. A outra metade quer só que aquele relacionamento dela dê errado, que a vida me dê uma chance que seja de fazer ela feliz, eu, sozinho. E eu sei qual é o jeito certo e qual o jeito errado de agir, mas agir do jeito certo é MUITO difícil e sinceramente, dos dois jeitos eu vou me machucar bastante.
Tem muita coisa dessa história que eu não contei por preguiça e por não querer encher demais de texto, eu também não sou livre de problemas emocionais (mas diferente dela, eu estou na terapia e me cuidando e tal), mas o ponto é que eu devo MUITO a essa garota por coisas do passado. Não é só uma random que eu consigo simplesmente superar e seguir em frente, é muito, muito complicado. Eu real me apaixonei pesadamente por ela e "superar" isso vai ser um processo difícil, demorado e doloroso, se não impossível.
Enfim, obrigado pros 5 que lerem isso, é nóis galera.
submitted by 111DarkGuy to desabafos [link] [comments]


2020.09.23 14:03 agupheus Pais tóxicos e como destroem a vida de seus filhos

Olá meus amigos, escrever me conforta e preciso colocar esse texto em um lugar que outras pessoas leiam, no diário não iria me conformar.
Desde do começo desse ano, muito antes da pandemia eu me isolei, terminei namoro e cortei contato com todas as pessoas que estavam em minha vida. Posso dizer que não tenho ninguém pra conversar. Possuo uma rotina muito sólida e produtiva, a qual vem me ajudando muito em minha emocionante e fascinante jornada nessa existência caótica e confusa. Eu tenho 20 anos, e infelizmente ainda moro com meus pais, e meu irmão; ele tem 25 anos, e também sofreu e sofre muito na mão dos nossos pais.
Desde muito cedo, sempre acordávamos nos tapas, nos gritos - sofriámos humilhações dia após dia - antes do café da manhã - as brigas eram a sobremesa.
E nada mudou desde então, minha mãe briga por qualquer coisa, os gritos dela certamente dá pra ouvir à quilômetros de distância - a voz dela me corroe por dentro...
Eu e meu irmão estamos na faculdade, porém, infelizmente desempregados - e isso é um ponto crucial diante das humilhações que nosso pai impõe a nós todos os dias, somos bombardeados com todas as energias deles em destruir nossa autoestima, nossos planos...
Viver nessa casa é um inferno - certamente o inferno passa longe de tal ambiente - é muito difícil segurar as pontas e manter-se firme pra não cair numa depressão profunda convivendo com meus pais.
Agradeço muito o apoio financeiro deles, mesmo eles passando na cara e nós humilhando. Mas em relação ao apoio emocional? Isso nem se fala, eles não são nem de longe pessoas a qual eu possa tomar como referência. É muito triste ver tanta ignorância, ódio, rancor, arrogância... há tantos adjetivos pra nomear às ações deles.
Eu venho estudando pra concurso, e procurando um emprego, não aguento mais viver nessa casa... não aguento mais todos os dias escutar as merdas que eles falam...
Eu sempre falo pra eles que eles não deveriam ter tido filhos, que eles não souberam criar a gente; que eles fizeram muito mal pra nós dois.
ELES NUNCA ESTÃO DE BOM HUMOR. Eles brigam por qualquer coisa, há discussão todos os dias, todas as horas aqui dentro dessa casa; é um absurdo, é triste, é desprezível...
O engraçado é que eles criaram a gente pra ser dependente deles; quando surge a oportunidade de sairmos, morarmos fora, eles fazem de tudo pra que der errado; já tive muitas chances de sair de casa, mas eles sempre conseguiam impedir... é incrivelmente aterrorizante a capacidade que meus pais tem de destruir meus planos.
Eu tento levar tudo com bom humor, ser otimista e continuar me esforçando.
Sair dessa casa está sendo o objetivo número um, dentre meus planos.
Eu sinto uma tristeza muito grande só de imaginar chegar na idade do meu irmão morando com meus pais. ACREDITO MUITO que isso não irá acontecer; sei que vou conseguir sair dessas garras, vou superar toda essa merda.
E quando eu sair, vou sumir da vista deles, vou embora de vez, pra nunca mais... irei, como mágica, desaparecer... como se eu nunca tivesse existido pra eles...
Pensar nessa possibilidade me deixa feliz, sumir, ir pra bem longe... de forma que eles não passam nunca mais me ver...
Grato pela atenção;
Desejo um grande dia a todos!
¯\_(ツ)_/¯
submitted by agupheus to desabafos [link] [comments]


2020.09.13 09:19 GargantaETorcicolo Big Bang

O universo surgiu de uma explosão! O que a gente está esperando dele? Quanto antes a gente aceitar q esse mundo é uma verdadeira maluquice e todo nosso esforço e para afastar esse caos de perto da gente para nós proteger e proteger quem a gente ama melhor.
Vejo muita gente aqui sofrendo por não aceitar direito como o mundo é acaba sofrendo muito por isso. Amigo não se culpe tanto, seja feliz.
Não ligue muito pro que pensão de vc e não se leve tão a sério. Aceite q a gente não vai conseguir controlar tudo, e está tudo bem. Fazer o que, estamos nessa vida então vamos viver!
Quero deixar uma mensagem de positividade pra quem está atravessando seu deserto agora. Não pare, vamos até o fim, a vida pode nos surpreender de muitas maneiras ainda. Seja mais gentil com vc mesmo, e não esqueça q o universo surgiu de uma explosão, tudo se originou de um horrizonte de impacto! Imagina isso uma explosão então não da pra esperar muito do mundo nem das pessoas são tudo filhos de uma super bomba haha
Sei lá tava pensando isso esses dias e querendo ou não me tranquilizou, pq tinha uma ilusão de um mundo bom, mas entendendo sua origem eu pude resignificar uns consceitos sobre como eu vejo o mundo e sendo assim posso ter mais tranquilidade de saber q as coisas estão acontecendo da maneira q simplesmente acontecem.
O universo não surgiu gentilmente pedindo licença, surgiu de uma hiper bola de fogo arregançando tudo kkkk seja mais foda-se pros outros e curta você mesmo e os seus interesses, só não fique triste na cama o dia todo, coloca pelo menos uma série q tu gosta e de risada ou chore se permita ser.
É isso amigos, achei q compartilhar esse pensamento poderia trazer um pouco mais de conforto e força pra quem está passando por crises existencias agora fique bem e vamos até o fim desa jornada!
submitted by GargantaETorcicolo to desabafos [link] [comments]


2020.09.10 13:57 gustavorochacom Head de Compliance e DPO: Pode ser um só?

Divido o artigo do advogado Luis Fernando Prado Chaves do escritório Daniel Law sobre este tema tão relevante: Pode o DPO ser o mesmo de compliance?
O comparativo traçado pelo autor é completo e bem instigante e teço alguns comentários após:
Bélgica: Empresa é multada por ter nomeado head de compliance, auditoria e riscos como DPO.
Por: Luis Fernando Prado Chaves*
Na última semana, mais precisamente no dia 28/04/2020, em decisão que chocou parte dos especialistas europeus em proteção de dados, a Autoridade Belga (íntegra da decisão em holandês) multou uma operadora de telefonia em 50 mil euros em razão de inadequada nomeação de DPO (em português, encarregado de proteção de dados).
Após um incidente de segurança, a Autoridade daquele país realizou investigação sobre as práticas da empresa em matéria de proteção de dados e concluiu pela impossibilidade de cumulação das funções de DPO e head de compliance, pois as rotinas de compliance demandam tratamento constante e relevante de dados pessoais, o que inviabilizaria a supervisão independente de tais atividades por parte do DPO por se tratar da mesma pessoa. Ainda, tal cumulação de cargos, segundo a Autoridade Belga, revela um “significante grau de negligência” por parte da empresa investigada, o que culminou na aplicação da multa de 50 mil euros, que, à primeira vista, pode não parecer grande coisa, mas é a maior sanção administrativa imposta até agora pela Autoridade Belga, segundo os colegas europeus do escritório Fieldfisher.
O espanto dos profissionais de privacidade europeus se justifica em razão de a decisão ser considerada excessivamente rigorosa, já que: (i) o GDPR permite a cumulação do cargo de DPO com outras funções, desde que não haja conflito de interesses; (ii) as guidelines do WP29 (atual European Data Protection Board – EDPB) sobre DPO não chegam a esse nível de rigor, mencionando (tudo bem que a título de exemplo) posições de conflito com o DPO que passam longe daquilo que faz a pessoa em posição de head de compliance; e (iii) muitas empresas na Europa – tal como vem acontecendo no Brasil – nomearam seus heads de compliance como DPO, sendo que, apesar dos riscos jurídicos envolvidos, isso nunca tinha sido um problema efetivo à luz de proteção de dados até então.
Inclusive, segundo o último relatório de governança disponibilizado pela IAPP em conjunto com a EY, em 18% dos casos o DPO se reporta ao(à) head de compliance da organização. Não preciso nem mencionar que o precedente belga deixou o pessoal em terras de GDPR de cabelo em pé, colocando em xeque programas de governança em proteção de dados e fazendo uma dúvida inquietante atravessar o Atlântico:

Mas, afinal, aqui no Brasil DPO vai poder acumular o cargo de head de compliance?

Bem, se lá no primeiro mundo, onde o GDPR é realidade, há muitos colegas discordando e encarando com perplexidade a decisão da Autoridade Belga, aqui no Brasil precisamos lembrar que a LGPD é omissa em relação ao acúmulo de funções, não dispondo sequer (ao menos não de maneira expressa) sobre a necessidade de se evitar conflito de interesses. Portanto, podemos concluir que é totalmente viável que o DPO acumule função, mas alguns alertas devem ser feitos – e o precedente belga deveria fazer com que abríssemos ainda mais os olhos.
Considerando a influência do direito europeu de proteção de dados sobre o brasileiro, bem como as tendências interpretativas que são esperadas da doutrina, jurisprudência e autoridade nacional, devemos considerar a ação de evitar conflito de interesses nas atribuições do DPO, senão como obrigação implícita decorrente do artigo 41, §2o, III (que estabelece como função do DPO o dever de orientar os funcionários e os contratados da entidade a respeito das práticas a serem tomadas em relação à proteção de dados pessoais), ao menos como uma prática fortemente recomendável, para dar efetividade ao artigo 50 da LGPD (que aborda os elementos de um programa de governança adequado).
Abaixo, apresento breves dicas de como materializar tal prática:
✓ Dotar o DPO de independência para exercer suas funções;
✓ Prover os recursos necessários, conforme o tamanho da organização, para que as funções do DPO sejam realizadas a contento;
✓ Idealmente, não imergir o DPO em áreas/estruturas que ele deverá analisar criticamente, tais como:
📷 Compliance: o DPO deve analisar as operações de background-check que envolvem dados pessoais e são conduzidas por essa área;
📷 TI: o setor de TI é responsável, por exemplo, pela aquisição de tecnologia da empresa, o que, no melhor cenário, deveria contar com uma análise isenta por parte do DPO;
📷 Segurança da Informação: também no contexto ideal, o DPO deveria servir como uma segunda opinião em relação a assuntos que envolvam segurança da informação aplicada a dados pessoais;
📷 Outras áreas de conflito evidente: são exemplos de áreas que podem trazer notório conflito de interesses em relação às atividades de DPO: RH, marketing, inovação, digital, big data, comercial/vendas etc.
Além disso, é importante que o DPO tenha as seguintes garantias que prestigiam a independência a ser perseguida:
➢ Ter acesso às lideranças das áreas-chave da empresa;
➢ Ter recursos (humanos e materiais) para o desempenho de suas funções;
➢ Reportar-se ao mais alto nível gerencial da organização; e
➢ Ter autonomia para exercício de suas atividades sem que sua atuação sofra pressões por resultados financeiros ou metas comerciais.
É claro que aqui estamos falando do mundo ideal. Em algumas organizações, principalmente em razão do porte e orçamento, não será possível criar uma área autônoma para o DPO e seu time, que se reporte ao mais alto nível gerencial como mandam as melhores práticas. Na maioria desses casos, a solução será mesmo a de cumular funções, ocasião em que será de extrema importância a implementação de mecanismos por parte da companhia para lidar com os conflitos de interesses que surgirão no dia-a-dia.
Enfim, como (quase) tudo na jornada de governança em proteção de dados, também para a estruturação de um cargo efetivo de DPO não há fórmula única. No entanto, o precedente belga deixa claro algo que é aplicável aqui ou lá: se o seu DPO for apenas para inglês ver, a caneta da autoridade poderá agir. Todo cuidado é pouco nos programas de adequação à LGPD, especialmente no desenho da estrutura de governança, para que as medidas adotadas pelas organizações não sejam interpretadas como “significante grau de negligência“.
\ Luis Fernando Prado Chaves é sócio e head da área de Direito Digital e Proteção de Dados da Daniel Advogados. Profissional de privacidade (CIPP/E) certificado pela International Association of Privacy Professionals (IAPP). Advogado reconhecido como um dos mais admirados pelo anuário Análise 500 (2019). Premiado como Legal Influencer na categoria “Leading author for Technology, Media and Telecom (TMT) – Central and South America” pelo portal jurídico Lexology. Possui mestrado (LLM) em Derecho Digital y Sociedad de la Información pela Universitat de Barcelona. Especialista em Propriedade Intelectual e Novos Negócios pela FGV DIREITO SP. Graduado em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Co-autor dos livros “Comentários ao GDPR – Regulamento Geral de Proteção de Dados da União Europeia” e “LGPD Comentada” (Ed. Revista dos Tribunais). Professor e palestrante convidado em diversas instituições de ensino do país. Foi pesquisador externo do Grupo de Ensino e Pesquisa em Inovação (GEPI) da FGV Direito SP, onde participou das contribuições ao Anteprojeto de Lei sobre Proteção de Dados (Ministério da Justiça), que resultou na LGPD.*
Luis Fernando Prado Chaves CIPP/E Partner @ Daniel Law Head de Direito Digital, Privacidade e Proteção de Dados IT, Privacy & Data Protection
Interessante não?
Numa primeira análise, concordo com a Bélgica, devemos ter figuras diferentes entre head de compliance e DPO. Seus trabalhos são diversos e podem ser influenciados um pelo outro, além de poder gerar decisões antagônicas e quiçá contraditórias…
Mais um assunto para LGPD em 2021!
#FraternoAbraço #GustavoRocha (51) 98163.3333 [[email protected]](mailto:[email protected]) www.gustavorocha.com @ConsultorGustavoRocha Instagram Facebook LinkedIn
#Consultoria GustavoRocha.com Gestão, Tecnologia e Marketing Estratégicos Robôs Inteligência Artificial Jurimetria Marketing Jurídico Fluxos Internos Plano de Carreira Financeiro @GustavoRochaCom Twitter Facebook LinkedIn YouTube Gustavo Rocha Podcast Spotify
submitted by gustavorochacom to LGPD [link] [comments]


2020.09.04 18:33 DanteStonecross Senta que la vem história

Eu to a algum tempo lendo e comentando coisas nesse /, e eu sempre quis dizer varias coisas aqui, porque de algum jeito eu me sinto confortável de ver essas coisas e todos vocês, mesmo discordando com algumas pessoas aqui e ali ta tudo bem, discordar é normal, faz a gente mais humano.
Mas eu queria muito contar uma história aqui hoje, é uma jornada importante pra mim, e eu espero que vocês gostem de me ver aprendendo uma coisa muito complicada. Nessa história, todos os nomes serão fictícios, e será um resumo muito resumido, então a grande maioria dos fatos não está aqui, mas o que isso tudo me ensinou, você vai poder ver com certeza.
Eu sempre fui um Romântico, e quando eu digo Romântico, eu falo da escola literária, eu não uso aquele português difícil, mas eu enxergo o mundo de uma maneira similar, eu vivo os momentos com as pessoas com intensidade, com muito sentimento, e os momentos seguintes a esses vem a melancolia.
A primeira vez que eu me apaixonei quando tinha 11 anos, o mundo se tornou diferente pra mim, era como se de repente todo o resto fosse preto e branco, e apenas aquela garota fosse colorida(eu tenho essa história contada em um texto, que é o ponto inicial da minha depressão, escrito exatamente como aquela criança enxergava o mundo, se ao final alguém se interessar eu mando sem problemas).
E, perto se fazer 14, em 2013, eu conheci uma garota muito mais do que bonita, ela era simplesmente divina aos meus olhos, ela era tão incrível, ela tinha absolutamente tudo que eu gostava. Eu conheci a Ágata dando aulas de matemática(o que mais um nerd faz?) e algo me chamou muita atenção: mesmo com 13 anos eu já tinha dado muitas aulas pra muitas pessoas e todo mundo tem um limite, todo mundo desiste(pede uma pausa) depois de X questões, mas ela não, mesmo sem entender muitas coisas ela persistia até o fim tentando entender tudo, até o horario dela ir embora ela continuou la, com o caderno e a caneta fazendo de tudo pra conseguir entender.
Bons meses depois Ágata se tornou minha melhor amiga(embora no início ela respondia minhas mensagens a cada 3 semanas, sem exagero!), e mais um tempo depois e muitos conflitos com a família dela, a gente começo a namorar.
Eu ainda não posso explicar o que era a sensação de namorar com ela, ela era literalmente o que todo garoto sempre sonhou: baixinha, cabelo cacheado, um rosto muito agradável, um sorriso lindíssimo, peitos e bunda enormes(ENORMES), cantava feito um anjo, era popular, divertida, extrovertida, dedicada, esforçada... É uma lista de qualidades que, na época, transbordava.
De 2014 até 2019, nós tivemos 3 anos de relacionamento e 5 anos de amizade, e eu aprendi muito mesmo em todos esses anos. O motivo do término do relacionamento(numa versão em resumo do resumo do resumo) foi, principalmente, possessão. Eu tenho um pai que é extremamente possessivo e eu levei 14 anos pra sair das garras deles(ou seja, ainda era recente quando eu conheci ela), e 1 ano depois do namoro ela começou a querer cada vez mais a minha atenção, onde eu não sentia mais liberdade pra fazer coisas que eu queria, porque eu tinha que ficar 3 horas falando no telefone com ela(e eu nem gosto de falar no telefone).
Não me entendam mal, eu não estou dizendo que fui perfeito, que não tive defeitos ou que só eu que estava passando por problemas, acabou porque precisava acabar. Inclusive se você, Ágata, por algum motivo descobriu o reddit e se reconhecer nesse post, saiba que mesmo não mais falando com você e não conseguindo mais olhar na sua cara(história pra outro dia), você pra sempre terá minha gratidão e meu respeito, nós vivemos muitas coisas juntos e, se hoje eu sou um homem, foi você que o moldou, muito obrigado.
Quando isso terminou, eu comecei a conversar mais com uma outra garota que eu conhecia, estudava na mesma escola que a gente, e conforme eu a conheci, ela começou a conquistar cada vez mais espaço no meu coração.
Carol era uma mulher interessante de várias maneiras, ela era extremamente extrovertida, cantava muito bem, tinha muitas histórias pra contar, era uma das pessoas que mais tinham ficado com gente na escola, e principalmente, ela tinha acabado de ganhar uma filinha. O jeito que a Carol olhava pra filha dela me fazia querer estar por perto, não porque ela parecia uma mãe incrível, mas porque havia uma dualidade dentro dela: aquela criança foi concebida de um estupro, onde foi muito difícil aceitar conceber a criança, quando ela nasceu era completamente visível que ela não sabia o que fazer, ela amava mais do que tudo aquela criança, ao mesmo tempo que ela via o homem que fez isso quando olhava pra ela(graças a deus, isso mudou bem rápido).
O tempo passou e eu e Carol começamos a nos dar muito bem, e em meados de 2019 a gente se beijou pela primeira vez, essa foi oficialmente a segunda pessoa que eu beijei na vida e cara, que coisa mais estranha, eu não sabia nem como descrever o que tinha sido aquilo de tão estranho... Até que ela me beijou uma segunda vez, e ai oficialmente, aquele era o melhor beijo do mundo.
Eu e Carol ficamos mais algumas vezes, e a gente se dava muito bem em tudo, até na cama era muuuuito diferente do que era com a minha ex, e a gente fazia tantas coisas juntos, viamos animes, conversavamos sobre varias pessoas, saíamos pra comprar roupas...
Cada dia que passava o meu sentimento só aumentava, e quanto mais ele aumentava, mais coisas que eu achava incríveis aconteciam, como a gente ver as coisas abraçadinhos, ficar de mãos dadas, varias dessas coisas de casal.
O meu erro? Carol desde o inicio falou "Não se apaixona por mim, eu não me apaixono por ninguém". Eu segui essas instruções o quanto foi possível, mas cara, talvez fosse loucura minha, mas parecia muito que ela também estava apaixonada, não com palavras porque toda vez que eu mencionava ela mudava a expressão e o jeito por um tempinho, mas as atitudes dela, os nossos momentos...
Depois de um tempo, no inicio desse ano, eu tentei cortar a Carol da minha vida torcendo pra que resolvesse meu problema, e deu certo por 1 mês até que ela me mandou mensagem perguntando quanto tempo isso levaria. Eu dei o meu melhor e coloquei todos os meus sentimentos em um texto, cada palavra continha tudo que eu sentia por ela, e ela também fez um texto de volta pra mim, e eu pude sentir o que ela sentia também, ela queria ser só minha amiga, e nada mais.
Nós ficamos mais 3 ou 4 meses sem nos falar até que, por intermédio de uma amiga em comum, a gente voltou a se falar e, desde então eu vi Carol mais umas 3 ou 4 vezes, mas é tudo muito estranho, a gente troca mensagens uma vez por semana e olhe la, eu nem acredito que um dia a nossa amizade volte, quanto mais a gente ficar ou coisas do tipo.
Mesmo com tudo isso, ela sempre viveu no meu coração.
Porem aqui vem a lição, meus amigos.
Há semanas atrás, eu consegui contato com uma garota que a gente não se via a muitos, muitos anos. Sabe aquela história de primeiro amor a gente nunca esquece? Esse foi meu segundo, e o que eu verdadeiramente nunca esqueci, eu sempre vou me lembrar do meu primeiro dia de aula numa escola completamente nova, e no fim do dia eu ainda todo perdido uma garota me puxa, me olha nos olhos e a primeira coisa que ela diz pra mim é: "Você namoraria comigo?". A resposta pra essa pergunta era não, obviamente, foi muito aleatório, mas eu estava tão nervoso que saiu "sim", ela deu um sorrisinho e voltou ao que tava fazendo. Desde aquele dia, Livia se aproximou cada vez mais de mim, e ela tentou me conquistar todos os dias, e acreditem em 2012/13 eu não era naada fácil.
E quando eu consegui falar com ela novamente, alguma coisa dentro de mim estalou, a gente voltou a conversar e era como se nada tivesse mudado, a gente conseguia desenvolver do mesmo jeito que a gente sempre fez, nem parecia que tinham 7 anos sem contato. A gente se viu algumas vezes(sim, eu sei que a gente ta de quarentena, todas as medidas de seguranças foram tomadas pra gente conseguir) e, cara, eu tinha me esquecido o que é olhar pra alguém que te olha como se você fosse uma obra prima, aquele olhar de quando éramos crianças não mudou nem um pouquinho, ela ainda olha pra mim como se eu fosse a pessoa mais legal do mundo.
Eu, com todos os meus defeitos, com todas as minha chatisses e meu jeito ""inteligente"" de ser, onde a lista de qualidades é exatamente igual a lista de defeitos, ela me vê como se fosse alguém muito mais do que incrível.
E eu olho pra ela assim também, e quando eu a olho, eu quero que ela sinta a pessoa incrível que eu vejo, uma pessoa que passou por inúmeros problemas pelo mundo afora e ainda passa, alguém que realmente foi a raiz do meu gosto pelas mulheres, que me ensinou que atitude é a melhor caracteristica possível em alguém, e que eu quero alguém com isso na minha vida, alguém que tenha coragem de me puxar pelo braço e dizer que me quer, alguém que queira os meus toques, alguém que querias os meus carinhos, as minhas massagens, os meus abraços, as minhas implicações, assistir animes ou séries comigo, beber comigo, aprender e viver todo tipo de experiências e situações. É isso que eu quero com ela também!
Esse é um pedacinho da minha odisseia, eu pedi a Deus, ao universo, a seja la o que for que estiver ai fora por nós, pra que 2020 seja um ano de apredizados e conquistas, 2020 foi o ano mais difícil da minha vida, onde por conta de um treinamento pra competição, da pandemia(home office) e tambem por causa de ter a Carol na minha cabeça, eu passei pela pior fase da minha vida, mas eu consegui correr atrás de ajuda a tempo(onde eu devo a minha vida a minha hipnoterapeuta, que mulher excepcional) e, no final dessa jornada, eu cresci muito e me tornei bem mais forte.
Muito obrigado, eu deixo aqui os meus agradecimentos a todas essas garotas, que me mostraram quem eu quero junto a mim e quem eu quero ser, a minha mãe que é a melhor mãe do mundo e, mesmo a gente se desentendendo as vezes, eu não resistiria sem ela, a minha hipnoterapeuta que consegue a façanha de me colocar em transe(hipnose ericsoniana é a melhor, sem dúvidas!) e que me ensinou muuuito mais lições do que eu teria aprendido em 20 anos da minha vida.
E principalmente, muito obrigado a mim mesmo, por ter aguentado até aqui, por nunca ter parado de ir pra frente mesmo pensando todos os dias em desistir, em jogar tudo pro ar, pensando até em coisas muuito, mas muuuuito mais escuras nos dias mais dificeis, mesmo assim nós estamos aqui, prontos para a proxima jornada, onde a gente vai sofrer, mas a gente vai aprender algo a respeito disso no final.
Se você chegou até aqui, meu caro amigo, eu só queria te contar a história de como eu descobrir o que, pra mim, é o amor. Amor é o que eu sinto quando olho pra alguém que também me devora com o olhar e as atitudes, amor não é toda a intensidade, todo o fogo, toda a loucura, não! Pode ser um pouco disso, mas principalmente, amor é reciprocidade, é você não ter que se esforçar em mudar 1001 coisas só pra agradar a pessoa, quem você ama e quem te ama de verdade gosta de você por ser quem você é, e é isso que eu quero pra minha vida, amar e ser amado!
Eu não sei se eu e Livia vamos ficar juntos, a gente deve descobrir mais a frente, mas eu sei que eu quero isso, e se o destino(ou o universo, ou deus...) não permitir que a gente fique junto, tudo bem, eu sei agora o que procurar, e que vai existir mais alguém que olhe pra mim do jeito que eu olho pra ela.
submitted by DanteStonecross to desabafos [link] [comments]


2020.08.29 20:41 futebolstats Fluminense e Vasco fazem clássico deste sábado no Brasileirão

Fluminense e Vasco fazem o clássico de sábado da 6ª rodada do Campeonato Brasileiro. As duas equipes entram em campo neste sábado (29) às 19h (horário de Brasília), no Maracanã, com a promessa de um jogo equilibrado valendo as primeiras posições na classificação.
O Tricolor vem de duas vitórias importantes. Pelo Brasileirão, superou o Athletico-PR, na Arena da Baixada, e se recuperou da derrota contra o Bragantino na rodada anterior. Com isso, o Fluminense chegou a sete pontos. No meio da semana, a equipe de Odair Hellmann mostrou um belo futebol contou com o show de Nenê para vencer o Figueirense por 3 a 0, avançando na Copa do Brasil.
Classificado na @CopadoBrasil
& Hat Trick
& Artilheiro #TimeDeGuerreiros#SejaSócio
: Lucas Merçon/FFC pic.twitter.com/yNsdA5g4Rk
Fluminense F.C. (@FluminenseFC) August 26, 2020
Titular nas duas últimas partidas do Fluminense, o lateral-direito Calegari mostrou confiança para o clássico deste sábado: “A expectativa para o jogo é muito boa. Estamos vindo de duas grandes vitórias, de uma vitória fora de casa e de uma classificação contra o Figueirense. A expectativa é muito boa para o clássico e, com certeza, vamos chegar no sábado com proposta de ganhar o jogo novamente, buscar os três pontos para continuar subindo na tabela”.
O técnico Odair Hellmann tem um desfalque para o jogo. O goleiro Muriel sofreu um desconforto na perna esquerda e não vai para a partida. O Fluminense deve entrar em campo com Marcos Felipe; Calegari, Nino, Luccas Claro e Egídio; Yuri, Dodi e Michel Araújo; Nenê, Marcos Paulo e Evanilson.

Melhor defesa do campeonato

Dono da melhor defesa do Campeonato Brasileiro, com apenas um gol sofrido, o segundo melhor ataque, com sete gols marcados e na segunda posição na classificação, com 10 pontos, o Vasco entra em campo neste sábado para manter a boa fase. Sob o comando do técnico Ramon Menezes, em jogos oficiais, o time venceu seis partidas e empatou uma. São 13 gols marcados e apenas três sofridos.
Você teria um minuto para ouvir sobre o Ramonismo?
Rafael Ribeiro/Vasco #GOIxVASpic.twitter.com/0nyctsemkR
— Vasco da Gama (@VascodaGama) August 27, 2020
Na véspera do confronto com o Fluminense, Ramon falou sobre a expectativa do clássico: “É mais uma decisão pra gente. Vejo todos esses jogos como decisivos, como final de campeonato. Tenho passado isso para os nossos atletas e eles têm entendido muito bem isso, o que é vestir a camisa do Vasco da Gama. Então é com esse espírito e com essa atitude que nós vamos fazer mais um grande jogo, tenho certeza”.
Apesar da confiança, o Gigante da Colina terá um desafio maior neste sábado. Ramon não vai poder contar com três titulares. Andrey está suspenso por ter recebido o terceiro cartão amarelo. Bruno Gomes e Vinícius testaram positivo para o novo coronavírus (covid-19) e foram afastados.
Desta forma, o Vasco deve entrar em campo com Fernando Miguel; Yago Pikachu, Ricardo Graça, Leandro Castán e Henrique; Carlinhos, Fellipe Bastos e Benítez; Talles Magno, Guilherme Parede e Germán Cano.

Transmissão da Rádio Nacional

O confronto entre Fluminense e Vasco terá transmissão ao vivo pela Rádio Nacional, com narração de André Luiz Mendes, comentários de Waldir Luiz e reportagens de Bruno Mendes. A jornada esportiva começa às 18h30min e você acompanha aqui:

Jogos de sábado

Além do clássico carioca, outras três partidas abrem a 6ª rodada do Brasileirão neste sábado. O Botafogo recebe o Internacional, às 16h, no Estádio Nilton Santos. Às 19h, Bahia e Palmeiras se enfrentam no Estádio de Pituaçu. Fortaleza e Bragantino fecham o dia, às 21h, no Castelão.
Veja classificação atualizada da Série A do Brasileiro.
Ouça na Rádio Nacional
O post Fluminense e Vasco fazem clássico deste sábado no Brasileirão apareceu primeiro em Futebol Stats.
from Futebol Stats https://bit.ly/3hEBxgs
via IFTTT
submitted by futebolstats to SiteFutebolStats [link] [comments]


2020.08.29 18:58 TrumpetMatt Três anos morando no Canadá. Vivendo de música, de bolsa de doutorado, e bicos. PQC

Boa tarde, Bredditors.
Essa semana eu comemorei três anos vivendo no Canadá. Estou abrindo esse post pra quaisquer perguntas sobre como foi (e está sendo) essa jornada. Eis aqui alguns posts anteriores que fiz sobre esse assunto: 6 meses - 1 ano - 1 ano e meio - 2 anos.
Meu nome é Matheus, tenho 29 anos, sou de Niterói, Rio de Janeiro. Sou músico, toco trompete. Vim morar no Canadá em 26 de agosto de 2017, correndo atrás do sonho de estudar e morar fora - vim fazer Mestrado em Música. Sou de família pobre - estava morando com minha mãe, em área de comunidade, antes de vir pra cá. Vim com uma bolsa que cobria quase todo o curso; fiz o diabo a quatro pra levantar dinheiro pra me segurar. Deu menos de 2000 dólares canadenses. Essa cidade é muito cara, e esse dinheiro mal dá pra dois meses de aluguel.
Tive que me virar. Morei num cortiço barra pesada, dividindo espaço com usuários de drogas pesadas. Trabalhei muito - muito mais do que jamais trabalhei no Rio. Fritei hambúrguer, carreguei cadeira, dei aula, trabalhei nas bibliotecas aqui. Toquei trompete em todos os lugares imagináveis - do palco da Vancouver Symphony à beira da calçada no metrô. Com muita ajuda da faculdade, e muito trabalho, consegui me estabelecer um pouquinho - estou morando num quarto de porão numa casa velha, mas numa região muito melhor e com amigos de faculdade. Concluí meu Mestrado e me inscrevi no Doutorado da mesma faculdade. Estou prestes a dar início ao meu segundo ano de doutorado (a maior parte vai ser online esse ano). Além disso, estou em um relacionamento! Minha namorada e eu estamos morando juntos no nosso quartinho de porão desde janeiro. Minha vida melhorou muito...
...e aí apareceu o vírus.
Graças a Deus tinha um dinheirinho guardado, e a minha bolsa de doutorado continua sendo paga em dia. Não estou passando necessidade. Ainda não tem trabalho, mas as coisas estão abrindo de novo, e estou usando esse "tempo livre" pra me preparar (acadêmica e mentalmente) pro início do ano escolar. Na verdade, estou escrevendo este post da casa dos pais da minha namorada... Vim conhecer a família, e estamos passando duas excelentes semanas de "férias" aqui!
Falei pra cacete. Agora quero ouvir - pergunte qualquer coisa, turma!
submitted by TrumpetMatt to brasil [link] [comments]


2020.08.03 13:59 Zenon504 Guia do iniciante em LSD

Com o passar dos tempos, vim tendo mais certeza que o cenário do LSD no Brasil precisa ser mais clarificado, então tendo isso em mente, surgiu esse "guia".
OBS: Não sou nenhum doutor no assunto nem nada, só tentando trazer informação, caso tenha algo a complementar, te incentivo a comentar.
A primeira barreira que o brasileiro enfrenta é sequer conseguir LSD de verdade, nosso país está infestado de cópias baratas, que apesar de até surtirem efeito, não são a mesma coisa que LSD. As mais comuns são NBOMe, NBOh, etc. Sendo facilmente reconhecidas pelos seus efeitos como: Gosto amargo/metálico, dormência na língua/boca, confusão mental, tremores, etc.

NOMENCLATURAS
Antes de tudo, você tem que saber os termos utilizados nesse meio.
Blotter: É o papel absorvente utilizado para "armazenar" o LSD.
Tab: É um "quadradinho" de blotter. Ou seja, uma unidade
Carta: Termo utilizado por vendedores, geralmente uma carta equivale a 25 tabs.
Milha: São mil tabs. Ou seja, mil unidades.
Gel tab: Outra forma de transportar LSD, sendo basicamente um pedaço de gelatina com LSD.

IDENTIFICANDO LSD
Então, como saber o que você tem é de fato LSD? Bom, primeiro que pra ter realmente certeza só com testes com reagentes, sendo os mais comuns o Ehrlich e o Hoffman, você pode comprar os dois no Mercado Livre ou em outros sites e é completamente legal.
Mas digamos que você não tenha um desses, bom, LSD de verdade não tem gosto e nem deixa dormência, então se seu papel fizer algum desses dois, você já sabe que é outra coisa. O único gosto que um LSD verdadeiro pode talvez ter, é apenas um leve amargo no início, por causa da tinta do blotter dissolvendo. Esse gosto depois de alguns minutos deve parar, se continuar, não é LSD.

DOSAGENS
A dose padrão de uma tab é de 100-120ug. A grande maioria das tabs que são produzidas, possuem entre 100ug à 250ug, acima disso, já olho como mentira, e irei explicar mais na frente o porquê.
Muitos vendedores pra tentar te convencer a comprar, acabam mentindo sobre a real dosagem das tabs que eles possuem. Um usuário experiente ver "propaganda" de tabs de 400ug é motivo pra dar risada, por ser uma mentira tão descarada, simplesmente por não ter lógica.
Primeiro, se coloque no lugar de um produtor, caso preso, você possivelmente irá ficar no mínimo mais de 10 anos em regime fechado, então, seu objetivo é vender da forma mais eficiente o possível pra "se livrar" logo, e essa regra de venda se aplica desde o produtor até o carinha da biqueira.
Não tem lógica primeiro porque usuários casuais não irão querer algo tão forte, imagine você, um usuário normal, com uma tab de 500ug tentando partir ela em 5 partes para conseguir ter a sua dose. Enquanto que, caso fossem produzidas tabs de 100-200ug, você vende tanto para o usuário comum quanto para o experiente, que é só tomar 2-3 tabs para ter o efeito forte desejado. Seu produto vai vender muito mais rápido, pois terão mais pessoas dispostas a pagar R$ 300 numa carta do que R$ 500. Outro elemento importante, é que quanto mais substância na tab, maior sua propensão em "vazar" resíduos, por estar mais saturada, então, uma tab de 500ug, quando chegar na mão do usuário nem terá essa potência, pois durante toda sua "jornada" foi se degradando.
Resumindo: É possível produzir uma tab de mais de 300ug? Com certeza. É eficiente comercialmente? não. E como estamos falando de produtos ilegais. Eficiência, velocidade de venda e preço são o que ditam as regras. Então quando ver essas propagandas, cuidado, você pode estar sendo enganado.

MEIOS DE ARMAZENAMENTO
O mais comum é obviamente o blotter paper, sendo um papel absorvente que é imerso em solução contendo LSD diluído, assim, o absorvendo. Algumas pessoas acham que o processo para colocar LSD no blotter seria pingando, mas isso numa escala de produção é impossível e ilógico. Digamos que você produza APENAS 200 gramas de cristal de LSD, isso dá 1 MILHÃO de tabs com 200ug cada. Boa sorte pingando.
Mas o LSD, pode ser vendido em forma de cristal puro mesmo, ou apenas dissolvido, em líquido, mais comumente conhecido como "gotas", aí você pode pingar no que quiser. O "costume" dos vendedores é de pingar em cubos de açúcar ou em doces como jujuba, tenha cuidado, que alguns fazem isso pra que quando você coma, não seja possível sentir o gosto amargo de NBOMe ou alguma outra substância. Também pode ser vendido no estilo de "gel tabs", que são pedaços de gelatina com LSD essas geralmente são as mais utilizadas para dosagens altas (200ug+).

Bom, acho que é isso, caso você leu até aqui, que bom, você agora tem mais conhecimento sobre o que usa, e te peço para repassar esse conhecimento, grande parcela das "bad trips" acontecem apenas por falta de informação. Caso queira aprender realmente sobre essas substâncias: https://psychonautwiki.org/wiki/Main_Page
submitted by Zenon504 to DrogasBrazil [link] [comments]


2020.07.25 22:53 hccamello Warland Idle journey - Desenvolvimento da semana #2

Warland Idle journey - Desenvolvimento da semana #2
Progresso até o dia 26/07/2020

Estudo e elaboração das fórmulas de evolução

Como todo bom RPG, o design do Warland busca cumprir o objetivo de provocar uma sensação de evolução satisfatória no jogador, nós queremos que o jogador sinta que está ficando mais forte a medida que obtém recursos e evolui no jogo.
Por isso é importante determinar corretamente quantos pontos de vida cada campeão terá em cada nível, quantos pontos de atributos, qual o bônus ele receberá ao subir de ranking e etc.
Nessa semana nós focamos o nosso trabalho em estudar várias opções de fórmulas de atributos e escolher a que funcionaria melhor para transmitir essa sensação ao jogador.

Estratégia ou força bruta?

Nós perguntamos a nossos apoiadores se um time de determinado ranking deveria ser capaz de vencer um adversário de ranking maior, caso a estratégia correta fosse utilizada. A resposta foi unanime:
A estratégia precisa valer mais que a força!
Com esse pensamento em vista, buscamos elaborar os atributos dos campeões de forma que mesmo que seu time seja de um nível mais baixo ou de ranking menor, se você conseguir criar uma boa estratégia, que seja coerente para explorar os pontos fracos do time inimigo, você será capaz de derrotar adversários mais fortes numericamente.

Como será o sistema de evolução do Warland?

Nós queremos que o jogador tenha mais liberdade de escolha e não fique preso por limitações inúteis durante sua experiência, como por exemplo ficar resetando campeões para evoluir outro.
É muito comum em outros jogos uma mecânica onde você gasta moedas para resetar um herói e recuperar os recursos gastos com ele para evoluir outro herói e testar outras estratégias, e nós achamos que se for pro jogador poder ficar trocando o herói ele não deveria precisar ficar clicando em tantos botões desnecessariamente, isso poderia ser mais simples.
Por conta disso, no Warland nós teremos uma evolução muito mais ligada aos edificios da Capital do jogador.

A capital e seus edifícios

https://preview.redd.it/47glorr662d51.png?width=800&format=png&auto=webp&s=e48c2c573643002e3689cfe82961f5a75841a466
No Warland, cada edifício da capital terá um papel muito importante na evolução do jogador:
  • Quartel: O quartel é o lugar onde os campeões se preparam para batalha. O nível do quartel determina o nível de todos os campeões do jogador.
  • Academia: A academia é um lugar de pesquisa e aprendizado das técnicas mágicas que foram herdadas pelos clãs. Evoluir a Academia liberará pontos de talentos para o jogador customizar suas build de heróis.
  • Laboratório Alquímico: O Laboratório é um lugar de estudo sobre a Alquimia, e o seu nível influenciará a força dos artefatos equipados nos heróis.
  • Templo: No templo os campeões absorvem as Pedras das Almas para aumentar seu Ranking e Eficiência de Magia.
  • Trono: O Trono é o lugar onde o Imperador assume seu poder e influencia no seu império. Evoluir o Trono aumentará o nível máximo que pode ser alcançado pelos outros edifícios.
Como vocês podem perceber, no Warland não será possível evoluir os campeões individualmente, em vez disso, o jogador irá evoluir seu quartel, e os campeões terão o mesmo nível do quartel.
Isso permitirá que o jogador tenha todos os heróis acessíveis em nível alto para montar o time que quiser sem precisar ficar resentando nem fazendo malabarismos burocráticos pra explorar os pontos fracos dos adversários.
Nós sabemos que em outros jogos a escolha de evoluir mais um herói do que outro pode ser um fator estratégico interessante, e vamos manter essa possibilidade graças ao sistema de Talentos que irei apresentar pra vocês em um outro post, aguardem.
Além do nível, o Ranking também determinará a força dos Campeões. Em outros jogos vocês podem estar acostumados com o sistema de Ascenção, pois o Ranking é um sistema parecido, porém com algumas particularidades.

Sistema de Rankings e Eficiência

Cada herói possui um Ranking que varia entre:
https://preview.redd.it/knlvyd6a62d51.png?width=800&format=png&auto=webp&s=8070e8f25f68c41b29494190ac4aad42d03450a9
Cada Ranking possui uma Eficiência que varia de 0% a 100%.
O Ranking e a Eficiência aumentam os atributos básicos do herói, que são o poder de ataque, defesa e pontos de vida. Quanto maior o Ranking e Eficiência, mais atributos o herói possui.
Para aumentar a Eficiência é necessário sacrificar outros campeões até ela chegar em 100%, quando a Eficiência chega em 100% é necessário sacrificar uma cópia idêntica do campeão de mesmo Ranking para ele ser promovido para o próximo Ranking (para promoção não importa a Eficiência do campeão sacrificado, apenas o Ranking).
Regras de aprimoramento da Eficiência:
Aprendiz (+0% nos status base):
  • Sacrificar outro aprendiz aumenta bastante a Eficiência
  • Cada 1% de eficiência aumenta os status base em 0.25%
Amador (+50% nos status base):
  • Sacrificar outro aprendiz aumenta um pouco a Eficiência
  • Sacrificar outro amador aumenta bastante a Eficiência
  • Cada 1% de eficiência aumenta os status base em 0.25%
Profissional (+100% nos status base):
  • Sacrificar outro amador aumenta um pouco a Eficiência
  • Sacrificar outro profissional aumenta bastante a Eficiência
  • Cada 1% de eficiência aumenta os status base em 0.25%
Veterano (+150% nos status base):
  • Sacrificar outro profissional aumenta um pouco a Eficiência
  • Sacrificar outro veterano aumenta bastante a Eficiência
  • Cada 1% de eficiência aumenta os status base em 0.25%
Supremo (+200% nos status base):
  • Sacrificar outro Supremo aumenta um pouco a Eficiência
  • Cada 1% de eficiência aumenta os status base em 1%
O Ranking máximo do jogo no lançamento será Supremo 100% onde o herói terá +300% nos status base.
OBS: Esses valores e nomenclaturas ainda podem sofrer alterações até o lançamento

Curvas de Poder

Após todo esse estudo e análise, elaboramos a seguinte fórmula matemática que irá determinar a força do campeão em cada nível do jogo, representamos a fórmula com o seguinte gráfico:
https://preview.redd.it/vnp316de62d51.png?width=983&format=png&auto=webp&s=09aa275303291fa19cb727e5f434c984def9acc7
O Eixo horizontal representa o nível do Campeão e o Vertical representa o seu poder.
Essa fórmula permitirá que mesmo Campeões mais fracos consigam explorar as fraquezas de campeões mais fortes, possibilitando que a estratégia do jogador se sobressaia aos atributos.
Estamos ansiosos pra ver isso funcionando na prática, e obviamente, podemos precisar fazer ajustes até o lançamento do jogo, mas por hora esse foi o resultado do planejamento que fizemos nessa semana e estamos bastante felizes com os testes que realizamos.

Fórmulas de Farm AFK

Farm dentro do capítulo:

A medida que o jogador avança pelo mapa da Jornada, ele tomará o controle de pontos de interesse que irão aumentar seu Farm AFK em determinado recurso:

https://preview.redd.it/4yssgzah62d51.jpg?width=525&format=pjpg&auto=webp&s=4bec5cc6d0bd05939761885bd9cb7e79114f2327
Os pontos de interesse estarão separados por caminhos diferentes, e poderão liberar minas de ouro, zonas de batalha, minas de cristais e outros recursos que serão importantes para a evolução dos edifícios do jogador.
Escolher qual caminho seguir irá impactar na velocidade de produção de cada tipo de recurso, se você estiver precisando de ouro, poderá optar em ir pelo caminho com mais minas de ouro, e assim você terá um controle maior do Farm de recurso que mais precisa.

Farm após completar o capítulo:

Após completar um capítlo da jornada, o jogador tomará o controle do império daquele capítulo, assim poderá escolher um Campeão para ficar de General daquele Império:

https://preview.redd.it/njup328l62d51.jpg?width=525&format=pjpg&auto=webp&s=3b0d294f7cbe97a90412de3825849e9b9b28d8f6
Cada Campeão terá uma profissão, e a profissão do General que você escolher para ficar em determinado império concederá um bônus em determinado recurso produzido ali. Por exemplo, se você colocar um campeão com a profissão “Ourives” como general de um Império, todo a produção de Ouro daquele império receberá um bônus.

Curvas de Evolução

Após todo esse estudo e análise, elaboramos a seguinte fórmula matemática que irá determinar o tempo médio necessário para evoluir o quartel do jogador, representamos a fórmula com o seguinte gráfico:
https://preview.redd.it/sfeq6bum62d51.png?width=1232&format=png&auto=webp&s=1bfdbe87842b87b42abc3635b5cedf734f4bef18
O eixo horizontal representa a quantidade de dias jogados e o vertical o nível médio alcançado.
Percebam que nos primeiros dias de jogo será muito fácil subir de nível, mas a medida que você vai evoluindo vai ficando cada vez mais difícil subir de nível. Isso é uma fórmula clássica presente em todos os RPGs, o nosso trabalho aqui foi o de adaptar esses números para o nosso jogo.

Conclusão

Esperamos que vocês tenham gostado do que viram até aqui, e sintam-se a vontade para nos procurar em nossas redes sociais e grupos para tirar dúvidas ou trazer sugestões.
Fiquem de olho para as novidades que estão por vir ;)

Autor: Ivan Miranda
Revisão: Henrique Camêllo
submitted by hccamello to warlandidle [link] [comments]


2020.07.10 15:09 GajoDeRamalde [EP10] O que é feito dele?! Brayan Beckeles 2014/15

[EP10] O que é feito dele?! Brayan Beckeles 2014/15
Dados Jogador:
Nome: Brayan Antonio Beckeles (Beckeles)
Data Nascimento: 28-11-1985
Nacionalidade: Hondurenha
Épocas no clube: 1
Posição: Defesa Direito
Posições Secundárias: Médio Direito
Número: 55
Partidas Realizadas: 27 (2144 minutos)
Golos: 0
Clube Actual: Nashville SC (EUA)

https://preview.redd.it/ee88dcv341a51.jpg?width=242&format=pjpg&auto=webp&s=03909c08488c2be4faae1994564d2c3572dafdcb
A chegada ao Bessa:
Durante a sua carreia começou como jogador no Club Desportivo y Social Vida em 2006/07 que actua na primeira liga Hondurenha tendo-se mudado para CD Olimpia em 2011/12 onde se tornou campeão nacional por este clube. Mas antes de rumar ao Bessa, Brayan Beckles já se tinha tornado jogador da seleção das Honduras em 2010 tendo sido seleccionado para representar as Honduras no Mundial 2014. Embora as Honduras tenham ficado pela fase de grupos Bryan Beckeles participou nos 3 encontros frente à França, Equador e Suíça o que o colocou na rota do Boavista.
Assim Brayan Beckeles chega ao Bessa com 29 anos para disputar a época 2014/15 sendo esta a sua primeira experiência profissional fora das Honduras, precisamente no ano em que demos o salto de duas divisões, ficando ao serviço da equipa orientada por Petit que tinha a difícil missão de manter o Boavista FC na primeira divisão.

https://preview.redd.it/yogw8dx441a51.jpg?width=2048&format=pjpg&auto=webp&s=d893aea215410a228d06a20bbd838b926401f442
Perante esta tarefa hercúlea de manter um clube na primeira liga quando este tinha subido duas ligas num só ano, a fase inicial do campeonato foi mais complicada devido também ao facto de os primeiros jogos terem sido realizados frente a Braga, Benfica e Rio Ave que tinham ambições muito diferentes da do Boavista. Com duas vitórias e um empate à décima jornada Beckeles acreditava na equipa e puxava pelos colegas afirmando que «Ainda estamos a crescer» antes do jogo contra o Penafiel, afirmando que era um jogo que valia 6 pontos. E se bem o disse melhor o fez pois como titular os 90 minutos batemos o Penafiel em casa por uma bola a zero.

https://preview.redd.it/j6g5o00641a51.jpg?width=1365&format=pjpg&auto=webp&s=f5db295aae17200325e70cd23083c09f946b9f87
Mas Beckeles foi durante toda a temporada pedra fundamental na equipa e esteve presente em 26 jogos para o campeonato assim como 1 para a Taça da Liga. De caricato durante essa temporada foi à vigésima jornada o cartão vermelho que recebeu aos 8 minutos de jogo, numa altura em que o VAR ainda não estava implementado, provocando uma grande penalidade num jogo com equipas com objectivos diferentes pois o Rio Ave lutava pela Europa e o Boavista para não descer, mas acabando o jogo empatado a uma bola.
No final da temporada o objectivo foi cumprido e o Boavista sobrevivia a um salto de duas ligas obtendo a manutenção com um décimo quarto lugar a 4 pontos da linha de água. Assim, em Maio de 2015 e com 30 anos Beckeles terminava a sua época no Bessa e rumava para o Nexaca à segunda divisão do campeonato Mexicano numa transferência avaliada em 1.33 Milhões de euros (dados transfermarkt), embora o Boavista ainda ficasse com parte do passe do Jogador.

https://preview.redd.it/bhq0bc0741a51.jpg?width=1024&format=pjpg&auto=webp&s=3cef952917887fd6eb12e87380c1a20b10a62acc
Rumo ao campeonato Mexicano.
Segundo Assim, rumo Nexaca para ajudar o clube a concretizar a subida de divisão, Beckeles não só ajudou a equipa a concretizar o objectivo participando em 27 jogos como para além disso ainda foi considerado o melhor jogador da equipa nessa época.

https://preview.redd.it/g9e5040841a51.jpg?width=820&format=pjpg&auto=webp&s=4e5672e035aee8209150ea6e10deaf2f5cd136ad
Mas o sucesso não se ficou por aqui, pois na época seguinte, 2016/17, participou em mais 34 jogos pelo Nexaca onde conquistou a taça do México.

https://preview.redd.it/8rzkz5r841a51.jpg?width=1024&format=pjpg&auto=webp&s=e34fdea4755ddd3ce7bfe067eaecac57c538189c
Como se não bastasse, na época seguinte em 2017/18 Brayan Beckles ainda conquista a Super Taça MX e com mais 37 jogos ao serviço do Nexaca.

https://preview.redd.it/rd372wf941a51.jpg?width=1024&format=pjpg&auto=webp&s=87cbdc36b00c8ef6e5816754b2c90569646798ed
2018/19 foi a sua última época no clube, realizando mais 29 jogos antes de transferir pela terceira vez na sua carreira.
De volta às Honduras por pouco tempo, rumo à MSL.
Com 33 anos, e com o final do contracto com o Nexaca, Beckeles transfere-se a custo zero para o CD Olimpia, em 2019/20, clube que o lançou. No entanto, e após realizar 9 jogos pelo clube aproveitou a oportunidade e transferiu-se no inicio do ano para o Nasville SC que se estreava na primeira divisão dos EUA.

https://preview.redd.it/nzwhv7na41a51.jpg?width=1200&format=pjpg&auto=webp&s=b9f162bf0ce818691631770ed427c479b1ba8844
Apesar de ainda não se ter estreado em campo pela sua nova equipa, foi convocado para os dois jogos oficiais e aguarda que a paragem forçada do campeonato retome.
Força Pantera.

Episódio anterior: [EP09] O que é feito dele?! Brayan Angulo 2008/09
submitted by GajoDeRamalde to BoavistaFC [link] [comments]


2020.06.25 11:02 gpxzk A volta a normalidade forçada

Trabalho em um banco público, na área de tecnologia.
Desde março estamos trabalhando em home office. A jornada de trabalho não tem sido menor do que 10h, para atender a todas as mudanças que a pandemia trouxe, mas tem sido bom ter algo para ocupar a cabeça.
Não houve problemas para adaptar nosso trabalho a esse modelo, com exceção de reuniões presenciais todo o trabalho já era meio remoto mesmo.
Acontece que banco público tem presidente indicado pelo governo.
Ontem recebemos um comunicado: o trabalho remoto autorizado até 30/06 havia sido suspenso, deveríamos voltar às nossa mesas na empresa.
Voltar às mesas para fazer reuniões virtuais estando fisicamente lá. É o que querem.
Não traz benefícios ao trabalho, não tem sentido e tem inúmeros pontos contrários, que não vou perder tempo aqui listando. Todos já sabemos o que significa ser obrigado a "voltar à normalidade".
Acontece que o governo quer apoio de seus súditos na cruzada contra a razão e o bom senso que vem fazendo. Então intimida seus indicados com "A Caneta". Covardes e egoístas que são, aceitam tudo para manter um cargo, até mesmo colocar na rua seus funcionários sem nem ao menos testá-los antes.
Eu tenho uma opinião bem forte sobre isso, sobre esses gestores que obrigam ao retorno sem motivo: toda sequela, toda morte, em empregados, seus familiares, pessoas de serviços essências...tudo passa a estar na conta deles, que se vendem, se intimidam, se acovardam de trás de suas mesas. Medo Da Caneta, medo de perder poder, medo de perder dinheiro...mas não há medo nenhum pelo sofrimento dos outros.
Aí você lê uma matéria na CNN, um presidente de um banco diz: "Vamos expandir o home office para depois da pandemia". Você, de fora, deve ter pensado que isso é uma puta evolução de um banco público... bom, esse é um governo ótimo em falar A para o público e fazer B quando não tem ninguém olhando...
Edit: correção ortográfica
submitted by gpxzk to brasil [link] [comments]


2020.06.03 01:28 RicardoMoyer Porque 'eso no pasa en Mexico, no hay porque rayar monumentos ni quemar nada': Hilo de policías Mexicanos robando, extorsionando, y violando

Violando


Robando


Extorcionando

es un mamada esta seccion, a todos nos han extorcionado o "dado la mordida", para que no se escuche tan feo, tambien incluyo otros tipos de extorsion aqui, como a locatarios y via telefonica

y les recordaré, el 27 de septiembre de 2014 la policía municipal de iguala despareció a 43 estudiantes por haber robado un autobús, por si no habían nacido en 2014
edit: ah y olvide mencionar que desde hace 60 años no se viven tiempos tan violentos, asi que para pura madre soportamos a la policia http://www.mexicomaxico.org/Voto/Homicidios100M.htm
submitted by RicardoMoyer to mexico [link] [comments]


2020.05.23 05:04 altovaliriano Os Fantoches de Gelo e Fogo (Parte 2)

Texto em inglês: https://asoiaf.westeros.org/index.php?/topic/134726-the-puppets-of-ice-and-fire/
Autor: KingMonkey
-----------------------------------------
Dunk teve a sensação mais estranha, como se já tivesse vivido tudo aquilo antes.
(O Cavaleiro Misterioso)
Há mais ecos. Quantos? Eu não sei. Às vezes os ecos parecem bastante claros, em outros momentos são bem mais fracos. Alguns deles podem ser relevantes, outros podem ser simplesmente ressonâncias do grande evento filtrando o momento e deixando sua marca em eventos menores. Alguns desses ecos podem ser produto do reconhecimento de padrões em minha mente, agora que estou tão preparado para procurá-los. Não estou certo sobre todos eles. Entretanto, eu ficaria muito surpreso se nenhum deles fosse intencional. Quase certamente há ecos que ainda não notei. Antes que comece a cavar a procura, vou explorar mais alguns que eu já vi.

O Cavaleiro Andante

Em O Cavaleiro Andante, temos outro baio puro-sangue, montado por Aerion. Ali estão outros três guardas-reais, com suas capas brancas e mais imagens fantasmagóricas: "Na extremidade norte do campo, uma coluna de cavaleiros veio trotando da névoa do rio. Os três membros da Guarda Real vinham primeiro, como fantasmas em suas cintilantes armaduras de esmalte branco, com longos mantos brancos esvoaçando pelas costas.. "
Dunk vê uma estrela cadente e a torna parte de seu brasão, uma reminiscência do brasão da estrela cadente de Arthur Dayne, e nos é dada uma descrição interessante de seu escudo: "A estrela cadente era uma pincelada de tinta brilhante através do céu de carvalho", semelhante a " Uma tempestade de pétalas de rosa soprou através de um céu riscado de sangue”.
Os três (embora não estejam sozinhos) lutam contra sete, e a causa da luta é um cavaleiro que não renuncia a seus votos, custe o que custar. O número três surge novamente no número de mortos no julgamento de 7 contra 7. É um pouco forçado, eu admito, mas talvez possamos entender o fato de que todos os homens que lutam ao lado da Guarda Real são membros da mesma família, portanto, pelo menos em termos de casas com um único representante, pode ser visto como sete. contra três.
No final, o escudeiro Egg de Dunk é revelado como um dragão secreto, e Duncan fala sobre ir para as montanhas vermelhas de Dorne.

A Espada Juramentada

Eu só passei o olho em A Espada Juramentada, mas também vi alguns elementos conhecidos lá. Há uma torre, parcialmente arruinada há muito tempo. Há uma senhora que é extraordinariamente marcial. Há um confronto em que três enfrentam trinta e três, mas há sete cavaleiros entre os trinta e três. Um truque padrão do GRRM, ele não nos mostra esse número diretamente - “Mais cavaleiros vieram na seuqência, meia dúzia deles”, mas já tínhamos um cavaleiro [Sor Lucas]. Dunk sonha em cavar túmulos perto das montanhas vermelhas de Dorne, e embora o número de túmulos seja onze, o número realmente mencionado é oito: “Tem mais covas para cavar, pateta. Oito para eles, uma para mim, uma para o velho Sor Inútil e a última para seu garoto careca”. Há outra cavalo baio puro-sangue, que Lady Rohanne tenta oferecer a Duncan.

O Cavaleiro Misterioso

Como em O Cavaleiro Andante, essa história gira em torno de um sonho. No primeiro, o sonhador é Daeron, no segundo é Daemon II. Ambos são sonhos de dragão. O primeiro vê a morte de um dragão, oo último vê o nascimento de um. Daemon, apelidado de John, o Violinista. Também sonhou com Duncan, em uma capa branca. Um sonho que se realizou, haja vista que Duncan acabaria se tornando o lorde comandante da Guarda Real. "Sonhei com isso. Com esse castelo pálido, você, um dragão irrompendo de um ovo" Pode ser que o sonho fosse, na verdade, sobre Solarestival, mas Daemon acreditava que era sobre Alvasparedes, que ele descreve como parecendo ser "feito de neve" (Um gigante em um castelo de neve?) Ou branco como a casca de um ovo, talvez. Um bom castelo para despertar dragões da pedra.
Dunk entra nas listas de Alvasparedes com um escudo sem seu brasão normal. Sua estrela cadente não está nessa história, mas há outro cavaleiro da estrela cadente: Sor Glendon Flowers, que afirma ser filho de Sor Quentyn "Bola de Fogo" Ball.
Os combates acontecem de manhã e não de tarde, mas ainda há vermelho no céu: " Em algum lugar a leste, um raio irrompeu pelo céu rosa-claro". Alguns parágrafos antes, temos " Relâmpagos reluziam azuis e brancos...". Mais uma vez, algo azul no céu vermelho.
Sor Maynard Plumm (aparentemente um agente de Corvo de Sangue, se não o próprio Corvo de Sangue disfarçado) tenta convencer Dunk a fugir com Egg. Dunk é o futuro Lorde Comandante da Guarda Real, e ele responde à sugestão de fugir com um herdeiro de Targaryen da mesma maneira que Sor Gerold Hightower respondeu na Torre da Alegria: de que ele é obrigado pela honra a não fugir .
Quando Corvo de Sangue chega para terminar a rebelião antes de começar, temos "Um exército aparecera do lado de fora do castelo, saindo das brumas da manhã [...] liderados por três cavaleiros da Guarda Real". Mais imagens oníricas na névoa e três guarda reais novamente. O exército é acompanhado por Danelle Lothstan, outra mulher com tendências marciais, e mais uma vez vemos o morcego de Harrenhal que Whent carregava.
Não há pira, mas os homens de Corvo de Sangue queimam o estandarte Blackfyre de Daemon, que estranhamente "queimou por muito tempo, mandando para o ar uma nuvem de fumaçaretorcida que podia ser vista a quilômetros dali".
Corvo de Sangue fala sobre Alvasparedes, que ele pretende "colocá-la abaixo pedra por pedra", assim como Ned fez com a Torre da Alegria.
Os eventos terminam com o nascimento simbólico de um dragão, ou assim Corvo de Sangue nos diz: " Daemon sonhou que um dragão nasceria em Alvasparedes, e aí está. O tolo só errou a cor".

A Queda de Winterfell

Estou bastante icerto sobre este caso em A Fúria dos Reis, capítulo 66, mas há alguns pontos que me fazem querer inclui-lo entre os possíveis ecos.
Há uma discussão fora dos muros antes da luta, e uma jovem donzela mantida refém do lado de dentro (Beth Cassel). Ficamos com a frase " Os seus dezessete podiam matar três, quatro, cinco vezes esse número de homens ", que tem um eco fraco de sete contra três, e quando Ramsay intervém, ele deixa cair o corpo de três líderes, Rodrick Cassel, Leobald Tallheart e Cley. Cerwin, nos portões. Ramsay é encontrado por três no castelo também, Theon, Lorren Negro e Meistre Luwin. Theon diz: "Não fugirei", como os guardas reais, que não fogem. A cena se passa à noite, quando "o sol estava baixo, a oeste, pintando os campos e as casas com um clarão vermelho" e há um detalhe estranho " Os corvos chegaram na penumbra azul" - uma cor estranha para detalhes soltos, reflexos de " Uma tempestade de pétalas de rosa soprou através de um céu riscado de sangue". A coluna de homens de Ramsey apareceu " saída da fumaça". Mais iconografia de fumaça/sombra. Temos até outro Cassel morrendo. Esses ecos são duros para a Casa Cassel.
A cena termina com a destruição de Winterfell, assim como a tenda foi queimada ou a Torre da Alegria foi demolida. O cavalo de Theon está pegando fogo, " saindo aos coices dos estábulos que ardiam, com a crina em chamas, relinchando, empinando-se… ", o que é semelhante à visão de Dany na pira funerária de " Viu um cavalo, um grande garanhão cinzento retratado na fumaça, com uma auréola de chama azul no lugar da crina".
Isso pode ajudar a explicar um mistério no próximo capítulo de Bran, ACoK capítulo 69. " A fumaça e as cinzas enevoavam seus olhos, e no céu viu uma grande serpente alada cujo rugido era um rio de chamas. Descobriu os dentes, mas a serpente desapareceu". Essa frase intrigou muitos leitores e deu origem a muita especulação. Se a queda de Winterfell ecoou os eventos na tenda, que levaram ao nascimento de dragões, podemos especular que o que Verão viu foi um eco mágico do nascimento de um dragão também. Um pouco antes, em A Fúria dos Reis capítulo 28, Meistre Luwin disse a Bran que " Talvez a magia um dia tenha sido uma força poderosa no mundo, mas já não o é. O pouco que resta não é mais do que o fiapo de fumaça que permanece no ar depois de um grande incêndio se extinguir, e até isso está se desvanecendo".

Os Sete de Bran

Um que também é muito incerto, mas com uma frase interessante. Hodor, Coldhands, Jojen, Meera, Bran, Summer e Leaf lutam contra as criaturas do lado de fora da caverna do Corvo de Três Olhos em Dança dos Dragões, capítulo 13. Esses são os sete, embora eles lutem contra mais de três. Alguns dos inimigos têm mantos. Há sombras e névoa pálida. "Seus olhos brilhavam como claras estrelas azuis" lembram " azul como os olhos da morte". Não temos muita coisa, mas há o seguinte: "Verão rosnava e mordia, enquanto dançava ao redor da mais próxima, uma grande ruína de homem envolta em um turbilhão de chamas.”

A Torre dos Crabb

As jornadas de Brienne of Tarth pelas Terras Fluviais em uma missão para resgatar uma donzela Stark tem paralelos da busca de Eddard Stark para resgatar uma donzela Stark. Em Festim dos Corvos, capítulo 20, Brienne tem um confronto em uma torre há muito caída, Os Murmúrios.
Nos Murmúrios, Brienne luta contra Pyg, Shagwell e Timeon. Esses três podem ser vistos como uma versão distorcida e barata dos três guardas reais na Torre da Alegria. Pyg é um animal menos majestoso que o "velho touro", Sor Gerold Hightower. Timeon é um dornês, como Sor Arthur Dayne, mas é o oposto da natureza cavalheiresca de Dayne. Shagwell é um bobo da corte psicótico sempre fazendo piadas sombrias, enquanto a única coisa que sabemos sobre Sor Oswell Whent é que ele era conhecido por "seu humor negro".
Assim como ocorreu na Torre da Alegria, há uma discussão antes da luta, mas, embora a Guarda Real tenha deixado claro que não iria fugir pelo mar estreito, é exatamente isso que os três malditos saltimbancos estão tentando fazer.
Brienne só tem dois homens consigo quando defronta os três, Podrick e Lesto Dick. No entanto, este é outro sete oculto. Sor Creighton Longbough, Sor Illifer, o Sem-Vintém, Sor Shadrich de Vale Sombrio e Sor Hyle Hunt também eram seus companheiros, mas ela os deixou para trás.
Brienne partiu em sua jornada com um escudo com o brasão dos Lothston, o mesmo morcego de Harrenhal que estava no elmo e brasão de Whent na Torre da Alegria. No entanto, no momento em que ela chega à torre há muito caída, ela provindenciou que seu escudo fosse repintado com o brasão de Duncan, o Alto, que incluia uma estrela cadente como a de Dayne. Ela é indicada a um pintor perto de uma taverna chamada Sete Espadas, batizada em virtude de sete guarda reais.

O ritual do gelo?

Considerando-se o foco em mantos e guardas reais, certamente devemos esperar que haja uma cena com três capas pretas em algum lugar. Talvez com três capas pretas em vez de brancas poderíamos esperar uma inversão: um ritual de gelo em vez de um ritual de fogo.
Existe a possibilidade de termos visto isso logo no início. De volta ao prólogo da A Guerra dos Tronos, vimos três mantos pretos em uma patrulha. Aqui, somos informados de que "nada queima como o frio". Sor Waymar Royce diz "não haverá fogo", as mesmas palavras repetidas momentos depois por Gared. Poderia ser essa a inversão, do ritual de gelo, que estamos procurando?
" O céu sem nuvens tomou um profundo tom de púrpura, a cor de uma velha mancha escura" poderia ser o equivalente gelado da iconografia de sangue/céu que vimos em outras passagens. Temos as oito mortes nos oito Selvagens mortos que os patrulheiros encontram. Temos imagens sombrias: " Sombras pálidas que deslizavam pela floresta. Virou a cabeça, viu de relance uma sombra branca na escuridão." Estranhamente, só consegui contar seis Outros, não sete - a menos que Royce conte para os dois times, depois de morto. “Will viu seus olhos, azuis, mais profundos e mais azuis do que quaisquer olhos humanos, de um azul que queimava como gelo” parece combinar com "azul como os olhos da morte". Sobre a espada de Dayne, Alvorada, nos contam que " A lâmina era pálida como vidro leitoso, viva de luz". Da mesma forma, o líder Outros aqui tem uma "espada pálida", "viva de luar". [...]
“Uma vez e outra, as espadas encontraram-se”, mas depois que o Outro tira sangue, “O golpe do Outro foi quase displicente” e a espada de Royce se despedaça. Quando Royce cai, os Outros se juntam "como que em resposta a um sinal". Poderia ser outro ritual de sacrifício de sangue que fortalece as lâminas dos Outros?
----------------------------------------------------------
Arquimeistre Rigney escreveu um dia que a história é uma roda, pois a natureza do homem é fundamentalmente imutável. O que aconteceu antes irá forçosamente voltar a acontecer, ele disse.
(AFFC, A Filha da lula Gigante) [...]

Observações e especulações

Eu disse no começo que isso é mais observação do que teoria. Tenho muitas idéias que derivam desse conjunto de observações, mas nenhuma teoria firme para extrair de tudo isso. Portanto, não apresentarei uma conclusão para este ensaio, mas sim algumas observações e especulações adicionais que, espero, inflamarão as suas. Apresento tudo isso na esperança de que alguns de vocês possam entender mais do que eu tenho entendido até agora. Espero que desencadeie algumas discussões realmente boas.
1- Muitos desses eventos dizem respeito ao nascimento de dragões. Vaufreixo viu Egg revelado como um dragão, enquanto Alvasparedes era sobre um dragão nascido da pedra. Verão viu a imagem de um dragão saindo das chamas de Winterfell. Cersei perguntou sobre as crianças meio dragão que ela teria com Rhaegar. O filho meio dragão de Dany acabou por ser literalmente meio dragão e, quando ela terminou o ritual, seus três ovos eclodiram em dragões mais literais. Acho que isso nos dá uma boa razão para suspeitar que um meio-dragão também nasceu na Torre da Alegria.
2- Há um forte rastro de sangue mágico percorrendo esses ecos. Cersei tem que se desfazer de um pouco de seu sangue, os homens de Jaime são obrigados a matar os de Ned para enviar uma mensagem, Lewin rasteja para a árvore coração para morrer, repetindo acidentalmente a antiga tradição de sacrifício de sangue em um represeiro que Bran testemunha em suas visões. O mais óbvio para o sacrifício de sangue é, claro, o ritual na tenda. Eu me pergunto se isso não realiza a ideia do sacrifício de “dois reis para acordar o dragão”. A princípio, pode parecer que Rhaego morrendo antes de Drogo contradiz “O pai primeiro e depois o filho, para que ambos os reis morram”, mas se o espírito de Rhaego entrou no corpo de Drogo, então, sem dúvida, ambos estão vivendo como rei na hora da morte. Uma alternativa poderia ser que isso é como a questão dos dragões e do gênero, um caso de interpretação incorreta. Ninguém realmente precisa ser coroado rei para ter sangue do rei, então talvez qualquer pai e filho da realeza satisfaça.
Com isso em mente, pode ser que a Torre da Alegria represente uma versão interrompida do mesmo ritual. Rhaegar morreu no Tridente e seu corpo foi queimado. Para completar o ritual então, devemos esperar ver seu filho queimado também. Há uma boa razão para pensar que isso está prestes a acontecer, com Melissandre queimando o corpo de Jon na Muralha. Haverá outra eclosão quando o ritual iniciado na Torre da Alegria for concluído? “Mate o menino...”
3- Há um maegi na tenda de Cersei, bem como havia na de Drogo. Há um meistre na queima de Winterfell e na Fortaleza de Maegor. Também pode haver uma figura semelhante em Alvasparedes. Isso é completamente especulativo, é claro, mas há uma tropa de anões que aparentemente são agentes de Corvo de Sangue que roubam o ovo do dragão. Um desses anões poderia ter sido o Fantasma do Coração Alto? Howland Reed, com seu treinamento de vidente verde, pode ter desempenhado um papel semelhante na Torre da Alegria. Outra possibilidade intrigante é que o Fantasma pode ter sido trazido para a Torre da Alegria das Terras Fluviais com Lyanna. Quando Arya encontra o Fantasma no Coração Alto, o Fantasma já sabe quem ela é, mas reage com consternação ao vê-la de perto. Talvez seja porque a aparência de Arya lembrava a de Lyanna? Isso poderia responder perfeitamente à pergunta de quem estava cuidando de Lyanna e quem eram “eles” que encontraram Ned com Lyanna, quando apenas Howland havia sobrevivido.
4- Solarestival pode ter sido outro desses eventos. Temos muito poucos detalhes, mas sabemos que pelo menos um guarda real estava lá, Duncan, o Alto, que parece estar envolvido nesses ecos de alguma forma. Após a morte de Duncan em Solarestival, o comando da Guarda Real passou para Sor Gerold Hightower, descrito em O Mundo de Gelo e Fogo como o novo jovem comandante. É razoável especular que Dunk não foi a única fatalidade da guarda real ali, ou podemos esperar que uma guarda real mais velho ocupasse o lugar de Dunk. Será que haviam três lá? Havia sete ovos, talvez como os sete que enfrentavam os três. Temos um presente de bruxa da floresta e um castelo queimado até o chão. Da canção de Jenny, temos “
No alto dos salões dos reis que partiram, Jenny dançava com os seus fantasmas...“. O que pode trazer à mente as sombras dançando na tenda. Temos a morte de um rei e o nascimento de um dragão, Rhaegar. Podemos especular que Duncan, o Alto, o pobre Dunk, o Pateta, apesar de ter vivido mais desses ecos do que qualquer um, atrapalhou os dragões de eclodirem ao resgatar Rhaegar.
O que sabemos sobre Solarestival é que a intenção de Jaehaerys era cumprir uma profecia sobre a criação de dragões, e isso por si só se encaixa no simbolismo que temos aqui. Sabemos que Rhaegar tinha motivos para acreditar que ele era o príncipe nascido em meio a sal e fumaça por causa de Solarestival, então ele achou importante. Obviamente, isso é algo altamente especulativo, mas se descobrirmos que havia três guardas reais em Solarestival, reservo-me no direito de dizer “eu avisei”!
5- A idéia de Targaryens bebendo fogovivo para se tornar dragões sempre pareceu plenamente louca. Talvez eles soubessem mais do que nós, e estavam tentando se tornar o homem em chamas, que cavalga no cavalo de fogo?
6- Me pergunto se o garanhão vermelho é um símbolo do cavalo-em-chamas. Dizem-nos que os dothraki acreditam que as estrelas são cavalos de fogo. É interessante considerar que um dragão também é um cavalo de fogo. Pode ser que em algum sistema totêmico, o advento dos cavaleiros de dragão Targaryen significasse que o dragão veio substituir o cavalo de fogo.
7- Há muito simbolismo animal envolvido, frequentemente repetido em vários desses eventos. Gostaria de saber se isso representa algum panteão antigo de divindades animistas: O Urso, o Javali, o Veado, o Lobo, o Morcego, o Touro, o cavalo em chamas / homem em chamas (cavalo e cavaleiro em chamas?
8- O aviso de GRRM sobre o sonho febril na Torre da Alegria, de que não devemos interpretar muito literalmente, é interessante, pois pode refletir o GRRM nos alertando que o que vimos não é a realidade mundana que vimos em outros momentos.
9- A semelhança entre o seqüestro do irmão de Jaime e o seqüestro da irmã de Ned pode ser motivo para pensar que Lyanna foi sequestrada na Estalagem da Encruzilhada. Isso criaria uma simetria interessante de eventos, já que o Vau Rubi, onde Rhaegar morreu, está ali próximo.
10- Existem sobreposições e diferenças, mas podemos começar a considerar uma lista de sinais que parecem ser compartilhados por vários exemplos diferentes:
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2020.05.19 23:53 diplohora FAQ

Mensagem de boas-vindas e orientações gerais

Seja bem-vindo(a)!
Você, quarto(a) secretário(a), que teve a ideia maluca de iniciar essa jornada rumo ao Itamaraty, acaba de encontrar outros malucos com o mesmo objetivo. Um conjunto de malucos pode estar reunido num hospício ou num grupo de WhatsApp com postulantes ao IRBr.
maior grupo aberto : t.me/cacdista
CACDistas de todo o Brasil, uni-vos!
Pois bem, seguindo os conselhos do velho Marx, e considerando que estamos na pindaíba, resolvemos unir esforços para compartilhar materiais, dicas de estudos, sofrimentos e lamentações. Aqui você pode chorar suas pitangas – mas não chore muito, porque o tempo “ruge” e o edital é grande!
There is no free lunch
Como não existe almoço grátis e tempo é um recurso valioso, para reduzir o tempo que passamos respondendo aos novos participantes, assim como catalogar nossas opiniões acerca dos diversos temas afetos ao exame, montamos esse pequeno documento para te guiar no início dessa jornada. Se ainda tiver dúvidas, estamos à disposição.
Separar o joio do trigo
Para conhecer um pouco melhor o perfil do grupo, clique aqui e veja esse questionário feito pelo nosso pesquisador.
Aqui você também vai encontrar coaches de estudos e carreira, analistas políticos, hackers e toda sorte de opinião. Comece a exercitar desde logo sua capacidade de lidar com um volume grande de informações e a avaliar o que serve e o que não serve para você. E mais importante, quando se sentir sobrecarregado, aprenda a dizer não.
Ah, não esqueça de ler a descrição do grupo, lá tem informações valiosas e links para os materiais.
Boa sorte e bons estudos!

1. Estou começando agora, devo fazer um curso extensivo online ou presencial?

CONSENSO ✔
Existe certo consenso de que isso depende de sua condição financeira. Os melhores cursos cobram os dois olhos da cara por um curso de 1 ano. O Sapientia, por exemplo, cobra a bagatela de 21k pelo curso anual. Outros mais em conta, como o ClippingCACD e o Estratégia, cobram algo torno de 8k o pacote completo. Então, se você tem esse fôlego para gastar, fique à vontade, se não, se ligue na dica:
  1. Reúna a bibliografia de que precisa (o grupo está aqui pra isso);
  2. Se debruce sobre o edital;
  3. Faça um planejamento de estudos;
  4. Organize sua vida familiar, acadêmica e financeira;
  5. Tente caminhar por conta própria;
  6. Onde tiver dificuldades e caso po$$sa, contrate um curso nessa matéria específica. O professor é mais importante que o curso em si.

2. Estou começando agora, sem cursinho, por onde começo?

CONSENSO ✔
O ClippingCACD, bem como esses e outros grupos podem te ajudar nessa jornada. Há também vários vídeos no YouTube que explicam que, de modo geral, o ideal é começar por disciplinas como História do Brasil (HB) e História Mundial (HM). As línguas estrangeiras, e mesmo o português, também não podem ser deixados de escanteio. Claro, isso depende de sua formação.
Se você for historiador, por exemplo, vai começar por outras disciplinas. Se for geógrafo, talvez não se dedique ao estudo da geografia com tanto afinco no início, enfim. Se você já tem um bom nível em inglês, espanhol e/ou francês, vale refazer as últimas provas para você pegar o jeito da banca.
Há também certo consenso de que é impraticável estudar todas as disciplinas de uma só vez, devendo ser equacionado em, pelo menos, dois semestres. Tem um artigo no blog do Clipping que fala sobre isso. Eu recomendo a leitura: clique aqui.

3. Qual o melhor método de estudo, fazer resumos, só ler depois fichar OS livros físicos? Devo comprar livros em PDF? É melhor fazer à mão no papel ou em arquivo eletrônico?

CONTROVERSO ±
O tema é controverso porque cada um achará melhor de um jeito. O máximo que se pode fazer é compartilhar a forma como você estuda e encontrar pessoas que tenha um método parecido para trocar fichas. Talvez essa seja uma questão consensual sob o ponto de vista de que a grande maioria concorda que é uma questão privada. Nesse grupo, tem de tudo.
Abaixo uma tabela de comparação entre os meios de estudo:

Prós

Contras
Físico

Melhor retenção do conteúdo em virtude do esforço empregado na escrita e na organização do material.

Muito papel e tinta, além do tempo gasto. A edição ou reescrita também são trabalhosas. Se molhar, fodeu.
Eletrônico

Escrita mais fluida, opções mais ágeis e versáteis de organização, edição e compartilhamento.

Relativamente ao físico, há quem julgue reter menos conteúdo. Fazer na nuvem, porque se der merda no HD, fodeu também.

4. Devo comprar Kindle ou Tablet para ler livros em PDF ou fazer mapas mentais?

CONSENSO ✔
Kindle: poucos têm e usam, porém, são muito elogiosos da ferramenta. É possível ler documentos em PDF, embora haja quem prefira os ePUB. Há relatos de que as notas de roda pé não ficam muito boas. São elogiosos também da função de fazer flashcards, no caso de línguas estrangeiras.
Tablet: Se o seu objetivo é fazer dele um leitor de livros em PDF ou outros arquivos, parece também valer a pena. Dá pra baixar aplicativos para fazer mapas mentais, se sua onde é algo mais eletrônico.
Mas, cuidado! Antes de colocar todos os seus ovos nesta cesta, faça seu planejamento de estudos e veja se adicionar qualquer dessas ferramentas vai te trazer ganhos quantitativos e qualitativos significantes.

5. Sobre os manuais da FUNAG, devo me debruçar sobre eles?

CONTROVERSO ±
Toda fonte de informação é útil e se ela vier de uma fonte oficial, melhor ainda. Porém, alguns dos manuais estão desatualizados há anos e é possível que alguns pontos não sejam mais relevantes para os concursos do porvir. Pode ser uma fonte de estudo complementar, especialmente em disciplinas cujo conteúdo programático não muda muito ao longo dos anos, como HB e Economia. O tema é controverso porque há quem os rechace e há quem os defenda.

6. Como faço pra melhorar o meu nível nas línguas estrangeiras?

CONSENSO ✔
Parece existir certo consenso de que, como não são requeridas todas as habilidades dos idiomas estrangeiros, apenas leitura, compreensão e escrita de textos, o ideal é que você leia muito e escreva muito.
Mas ler o que? Onde?
Bem, você pode ler artigos de revistas que versem sobre temas relacionados ao concurso e de grande circulação, como The Economist, Foreign Policy, Foreign Affairs, Le Monde Diplomatique, Diploweb, El Pais e outras mídias de sua confiança.
Mas posso ler livros em língua estrangeira também?
Isso vai depender do seu planejamento de estudos e de sua preparação. Mas lembre-se sempre de que o tempo deve ser utilizado da melhor forma possível.
E como faço pra escrever mais?
Se você tem grana, contrate um professor pra corrigir seu texto ou tente encontrar algum parceiro para praticar o idioma. Há grupos no WhatsApp que reúnem pessoas com esse intuito. Você pode criar o seu também a partir das pessoas que estão aqui.

7. Eu acho que aprendo melhor explicando para outras pessoas, devo gravar vídeos e divulgá-los?

CONTROVERSO ±
“O melhor jeito de aprender é ensinando”
“Pirâmide do aprendizado”
Por que o tema é controverso?
Porque apesar de ser verdade, isso depende do seu tempo disponível de preparação, do seu ritmo e modelo de estudos e de uma análise de custo-benefício. Além disso, a prova cobra muito mais sua capacidade de escrita do que qualquer outra. Não seria investir seu tempo treinando sua elaboração de textos escritos no formato requerido pela banca?
“Ah, mas se eu entender o assunto ao ponto de conseguir explicá-lo a uma criança, então eu poderei escrever qualquer coisa a respeito”. Essa pessoa está certa, rs. Há quem prefira gravar o áudio de sua própria explicação e ouví-la nos passa tempos da vida cotidiana, como no trânsito, lavando os pratos, enfim. Mas há também quem advogue que gravar vídeos ajuda no processo de aprendizado e aumenta o compromisso.
fonte : CACD-GRUPO DE ESTUDOS
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]


2020.05.16 18:06 epilef_backwards Sobre memórias (ou como Steins;Gate fez algo único na história dos animes).

Sobre memórias (ou como Steins;Gate fez algo único na história dos animes).
Ninguém sabe o que o futuro reserva. É por isso que as possibilidades são infinitas.
É clicando com o botão direito e, imediatamente após, selecionando a opção de loop na OST "Christina I", belíssima instrumental composta pelo gênio do piano Abo Takeshi, que, em meio às lágrimas que rapidamente me vêm aos olhos ao relembrar do episódio 22, inicio a escrita da análise desse show. Devo avisar, de antemão, que Steins;Gate, animação que adapta a visual novel de mesmo nome, dirigido por Takuya Satō , não é um anime para qualquer um. Como bem dito por Thalius, ser para todos não significa ser para qualquer um. Essa citação, em particular, uma das minhas preferidas, cabe à animação não porque ela trata de assuntos supostamente incrivelmente complexos como o tempo, mas, sim, porque ela apresenta diversas camadas e níveis de entretenimento. É, sim, possível se entreter apenas com a camada mais superficial, aquela que apresenta uma história sci-fi sobre viagem no tempo, no entanto, o aproveitamento da mensagem real do anime só é despertado quando você adentra às profundezas de Steins;Gate. Para iniciar, é bem verdade que a presença de temas profundos e, mesmo, desconhecidos pela ciência atual pode parecer um tanto quanto amedrontador e até desencorajador, principalmente para aqueles que não estão acostumados com termos científicos ou não se interessam tanto pelas ciências "exatas". Felizmente, temos o primeiro acerto de Steins;Gate nesse ponto, e o início das características que o diferem de qualquer outro anime existente, pois o anime se prende apenas na intensidade necessária aos conceitos e explanações que supostamente deveriam ser complexas. Isso é inteligente por parte dos roteiristas, pois são apresentados, sim, momentos explanatórios sobre uma máquina que eles irão construir, sobre os conceitos utilizados nessa máquina ou, mesmo, sobre o funcionamento de certos princípios essenciais para o nosso entendimento;contudo, o anime nunca faz isso parecer monótono ou mais complicado do que é. Muito pelo contrário: Steins;Gate faz um trabalho excepcional em explicar os conceitos necessários à trama de maneira simples e compacta, sem necessidade de longos diálogos e/ou complicações extraordinários só para "cultizar" os personagens que realizam a explicação (sim, Sword Art Online: Alicization, eu estou olhando para você neste exato momento; para você e, principalmente, para a explicação longínqua, monótona e confusa sobre o funcionamento do mundo de realidade virtual apresentado na temporada). Desse modo, Steins;Gate consegue estabelecer rapidamente os conceitos principais que regem o show sem fazer parece-los bichos de sete cabeças, o que poderia, e, provavelmente, iria, afastar muitos indivíduos.
Outra qualidade louvável, ainda no mesmo plano da última, é a capacidade da animação em flutuar em um tema complexo como viagem no tempo e não apresentar furos no roteiro que embaralham a trama, fazendo que ela fique confusa e desconexa. Ao meus eu jamais tinha encontrado uma animação sobre viagens no tempo que não apresentasse sequer um furo de roteiro quando se trata de diversas linhas temporais. E exemplos contrários não faltam, incluindo o mundo fora das animações japoneses (a série The Flash, por exemplo, apresenta um roteiro fraco e repetitivo, no entanto, o que faz da experiência muito desagradável são os constantes furos criados pelo excesso de personagens indo e vindo em linhas do tempo que aparentemente são infinitas, porém, insuficientes para o roteiro, o qual usa e abusa em todos os níveis desse artifício do gênero). Isso é muito importante na consistência e no envolvimento com a obra, pois, assim que sabemos que o roteiro utiliza a viagem no tempo mais como artifício barato para resolver qualquer problema que apareça para ele, nosso senso de importância e de gravidade é drasticamente reduzido, uma vez que sabemos que, assim que o roteiro precisar, é só aparecer um personagem onisciente do futuro que irá resolver os problemas. Uma outra possibilidade de furo de roteiro causada pelo fator viagem no tempo é essa aparente onipresença de personagens que a utilizam. Em fato, talvez esse seja o maior problema nas histórias de viagem no tempo: personagens aparecem do nada e, bem como apareceram, começam a contar absolutamente tudo que irá acontecer, o que incluí detalhes impossíveis de serem lembrados. Tás posto um exemplo de ilustração: personagem A volta à linha do tempo que irá acontecer X evento de maneira a impedir aquele evento (lembrem-se, portanto, que é a primeira vez dela ali, o que significa que ela apenas tem noção de um PANORAMA sobre o futuro) e, de modo a confirmar que veio do futuro, diz que um copo de vidro irá ser derrubado e quebrado em exatos 5 segundos. Após os 5 segundos, bem como previsto por A, o copo é derrubado e, consequentemente, quebra ao tocar o chão. A pergunta mais simples e impossível de ser respondida é: como ela sabia do copo? Por acaso vir do futuro entrega à personagem conhecimento absoluto do que aconteceu antes? Sem contar que, em muitos casos, A sequer EXISTIA no momento que essa cena acontece, o que torna IMPOSSÍVEL o conhecimento do evento em questão. Esse truque é constantemente utilizado na parte da "solução do futuro distópico" e, por si só, não apresenta grande problema, o problema se instaura quando esse artifício compõe 90% das formas como a trama se resolve, pois fica clara a inabilidade do roteirista em utilizar sua criatividade e capacidade de escrever uma história no que tange à solução de problemáticas. Em suma, o problema não é haver um viajante do tempo que dá uma pista sobre ou soluciona certa problemática, o problema é só haver um viajante do tempo que dá uma pista sobre ou soluciona certa problemática. Quanto a isso, Steins;Gate dá uma aula de como resolver essa "intrincada do viajante do tempo", utilizando-se de uma série de artifícios narrativos para desviar o excessivo uso do já citado viajante. Em primeiro lugar, existem apenas dois personagens que possuem um conhecimento "sobrenatural": o protagonista, Okabe, e John Titor, aqui na pele de Suzuha, uma das personagens secundárias do show. Isso implica diretamente em dois fatores que devem ser de extrema atenção: existem menos personagens para furar o roteiro, uma vez que, quanto mais personagens transitam pelas linhas, mais fácil é do roteiro se perder em meio a tanta informação e o roteiro precisará de outras maneiras para resolver problemas, já que como se não fosse absurdo suficiente 20 personagens sabendo sobre linhas resolverem misticamente qualquer problema da trama, mais absurdo, ainda, é imaginar que apenas 2 o farão. Desse modo, Steins;Gate decide traçar um caminho que, embora seja mais complexo de ser realizado, pode entregar um resultado excepcional no final da obra. E felizmente é isso que acontece. Diferentemente das demais obras de viagem temporal, Steins;Gate apresenta um roteiro muito apurado e astuto, uma vez que ele se utiliza de personagens que já conhecemos como aqueles que irão, em um futuro, ter sapiência sobre tais viagens. Isso significa que os personagens que irão "dominar" o tempo já estão na trama, só precisamos dar tempo a eles para eles o dominarem. Em outras palavras: em teoria, temos somente dois personagens que sabem sobre viagens e máquinas do tempo e outras linhas temporais, no entanto, ao longo da própria história daquela linha do tempo, outros personagens também terão esses conhecimentos. Esse truque fica explícito na cena em que Daru reconstrói a máquina do tempo. Em um primeiro momento, poderíamos imaginar que ali se alocava um furo de roteiro, uma vez que, mesmo ele sendo colocado com um grande conhecedor de máquinas, programação e mecânica no geral, é surreal alguém construir um objeto que será criado anos a frente. Contudo, assim que imaginamos a pensar isso, recebemos a informação que o Daru será o construtor da máquina, o que significa que há parte do "DNA" dele nela, ou seja, a maneira de pensar dele, de montar máquinas própria do personagem, o que explica como ele conseguiu consertá-la. Outra "esperteza" do roteiro é criar um porto seguro, ou seja, aquele personagem que, independente da linha temporal, irá conseguir entender o que o viajante do tempo fala. Eu normalmente não gosto desse artifício, uma vez que ele é usado de maneira porca na maioria dos casos, pois, geralmente, não há nenhuma explicação lógica para aquela personagem em específica acreditar no viajante do tempo. No entanto, Steins;Gate não é a maioria dos casos. Aqui, temos a personagem Kurisu como sendo o porto seguro do personagem principal ao longo da sua caminha de construção e desconstrução da linha temporal. E tinha que ser ela, justamente porque ela é quem apresenta o conhecimento "bruto" sobre tais assuntos, ela é quem desenvolveu a máquina de saltos temporais. Ou seja, a escolha do roteiro foi exata e faz que não duvidemos da autenticidade do fato dela aceitar e entender o que o Okabe fala sempre que ele salta de uma linha para outra.
Saindo puramente dos aspecto envolvendo viagens e saltos temporais, o anime mostra novamente como possuir um roteiro sólido é uma das bases para a construção de uma obra-prima. Percebam como nada acontece em apenas um plano em Steins;Gate. Utilizando os dois exemplos citados no parágrafo acima, enquanto o roteiro anula a possibilidade de haver incongruências temporais ao trazer à tona que Daru foi o construtor da linha do tempo, ele cria um dos muitos plot twists da série; enquanto o roteiro utiliza Kurisu como o porto seguro do próprio roteiro para servir como alguém que aceita e ajuda o protagonista após o salto, ele insere os momentos mais profundos de desenvolvimento do casal e da sua relação, bem como aproxima ambos os personagens dos espectadores ao gerar um senso de humanidade e sentimentalidade nos dois. Sempre que pensamos que estamos encarando uma camada do show, seja um plot twist ou outro artifício do roteiro, temos, ao menos, mais uma outra camada acontecendo ao mesmo tempo. Desse modo, nada em Steins;Gate é único, gratuito, não existem cenas por conta própria, todas elas servem aos plots da animação mesmo que em camadas mais escondidas dos espectadores. Um exemplo claro são os D-mails: enquanto eles claramente servem como preparação para o plot da metade do anime, por trás deles temos a ideia de o quanto enviar uma simples mensagem pode alterar com a vida de milhares e, por que não, bilhares de pessoas. Um simples D-mail alterou por completo o bairro de Akihabara. Um simples D-mail alterou o sexo de uma das personagens, causou uma confusão gigantesca envolvendo outra personagem, o suicídio de outra. E o principal: a imprevisibilidade do tempo. Nem nós, nem os envolvidos nas mensagens e nem mesmo Okabe e Suzuha sabiam o que iria acontecer a princípio. Essas camadas são de extrema importância para um bom desenvolvimento a trama, uma vez que 24 episódios, mesmo parecendo uma quantidade considerável, é pouco tempo para uma história, ainda mais se tratando de animes (os quais os episódios tendem a durar entre 22 e 24 minutos com aproximadamente 19~20 minutos de animação propriamente dita, já que deve haver espaço para a opening e ending). Um dos truques de mestre do roteiro de Steins;Gate é apresentar várias coisas ao mesmo tempo: enquanto há um plot, temos desenvolvimento da trama, dos personagens, explanação sobre temas complexos de maneira surpreendentemente acessível (alô, Thiago!) e uma mensagem sendo passada por trás daquilo.
Ainda no roteiro, é chegada a hora de falar sobre o que, ao menos para mim, separa completamente Steins;Gate dos demais animes que eu assisti, sim, de todos, é chegada a hora de falar sobre os personagens. Ou melhor, sobre o desenvolvimento dos personagens. É muito raro, em animes, haver um real desenvolvimento de personagem, ou seja, um arco completo de desenvolvimento. O que acontece em animes que levam com mais seriedade o ato de escrever uma história, realidade que, infelizmente, não é a da maioria dos animes, é um "pseudodesenvolvimento", o que significa que, ao invés de ser apresentado um arco completo, é apresentado um meio arco ou um arco de "tamanho" correlato. Ou seja, nos é dado certo desenvolvimento do personagem, porém, tal desenvolvimento é limitado em demasia e, em alguns casos, é dotado de uma única utilidade na trama: não deixa o personagem, normalmente o principal, planificado, sem sentimentos, sem evolução. Isso porque tal evolução é o que humaniza o personagem, é o que nos faz sentir algo por ele, sentir suas dores e suas conquistas, pois criamos empatia por ele. E em Steins;Gate temos o que eu considero como sendo um dos melhores arcos de desenvolvimento de personagens do mundo dos animes. Antes de chegar nele, devo falar sobre os personagens em si.
A obra apresenta relativamente poucos personagens, estando esses relacionados de alguma forma com o laboratório, seja porque são um dos membros ou porque é quem aluga o laboratório para Okabe e seu grupo, o que possibilita a criação de uma identidade para cada um deles: os personagens de Steins;Gate, mesmo os secundários, são quase que exclusivos da obra. Mesmo muitos seguindo alguns estereótipos, eles sempre apresentam algo para nos lembrarmos de que eles são humanos e cada um apresenta sua própria personalidade. Isso, em si, já se caracteriza como uma característica importante no desenvolvimento de um anime de qualidade: é sempre bom termos bons personagens ao nosso lado durante a caminhada que nos será contada. Contudo, apenas bons personagens não fazem uma trama. É necessário haver o desenvolvimento deles, uma vez que é importante demonstrar que o que aconteceu na estória afetou eles de algum modo, afinal de contas, se não afetou meros personagens criados por outros humanos, quem dirá um humano. E, novamente, Steins;Gate acerta em cheio. Com momentos pequenos que demonstram o estado emocional dos personagens (falo de olhares, maneirismos criados ou deixados de lado, estado corporal, postura, etc) e de explanações necessárias sobre como personagens está se sentindo ou sobre como ele mudou após certo acontecimento, Steins;Gate desenvolve os seus personagens por meio de outros acontecimentos da trama(lembram do "sempre há mais de uma camada?" então...). Além de compactar a trama, os momentos de twists e plots são de extrema importância em um show porque é ali onde deve haver um impacto maior nas personagens e em nós espectadores, e Steins;Gate não deixa devendo em absolutamente nada quando falamos de plots e twists de uma estória. É inacreditável a capacidade do roteirista de subverter possíveis convenções do gênero em momentos tocantes, emotivos e importantes para a trama. É ao subverter as nossas expectativas após termos contato com tantas obras mal feitas sobre viagem no tempo que o roteiro encontra o elo entre as diversas partes da trama da animação; em outras palavras, é quando achamos que sabemos o que está acontecendo que o roteiro nos pega desprevenidos, é quando achamos que a situação não pode ficar pior que ela, de alguma maneira, consegue realizar esse feito. Inclusive, Steins;Gate apresenta algo único, ao menos eu nunca assisti uma obra com tal característica, ao realizar um dos maiores plots da série com algo que já tínhamos conhecimento. É o já conhecido, e muito bem utilizado nas melhores obras de todos os tempos do cinema, "nossa, como eu pude não perceber isso". Estou falando do momento em que o Okabe percebe que, ao decidir voltar à linha beta, ele também fez uma outra decisão: sacrificar Makise Kurisu. Um dos raros momentos nos animes que me dão arrepios ao lembrar dele. Mesmo já sendo algo que você sabe, afinal de contas ela morre naquela linha temporal no primeiro episódio, o anime faz questão de nunca mais tocar no assunto, de esconder tal fato, a fim de, no momento em que imaginamos estar tudo certo, nos pegar com os rabos entre as pernas. Absolutamente genial. São poucos os pontos que eu sequer cheguei a cogitar um erro quando se trata do roteiro de Steins;Gate.
E não bastando os inacreditáveis plots da série, temos um arco de desenvolvimento duplo que ocorre concomitantemente à evolução da trama e à preparação de outros plots (novamente, nunca é apenas uma camada): o arco do Okabe. Eu poderia resumir ele a algo como "assista por conta própria e experimente o que é a evolução real de um personagem", porém, estaria sendo injusto comigo mesmo, porque o fator que mais me motivou a escrever essa crítica foi esse arco. No início do anime nos é apresentado um estranho e peculiar cientistita japonês nomeado de Okabe Rintarou, o qual possuí um também estranho e peculiar laboratório composto por outos dois membros: Daru, conhecido como "super hackar", e Mayuri, uma gentil e inocente amiga de infânce de Okabe. No laboratório, eles testam equipamentos supostamente tecnologicamente avançados. Embora seja um local mais parecido com um mini-apartamento que foi utilizado por 20 anos como oficina e não com um laboratório, Daru e Okabe são extremamente inteligentes e realmente projetam e criam alguns objetos interessantes (enquanto Mayuri fica ao fundo compensando a aura nerd em demasia dos dois). Ao ser apresentado, Okabe apresenta diversos maneirismos e atitudes únicas do personagem, fatores que já estabelecem uma relação direta com o personagem: tudo aquilo que é novo é intrigante, e, se é intrigante o suficiente, por que não tentar entendê-lo? É apartir dessa ideia de peculiaridade do personagem que nos gradualmente, ao decorrer dos primeiros 11 episódios, aprendemos a gostar do personagem, a reconhecer tais pecualirades não apenas como esquizitices do personagem, mas sim como traços que componhem a sua personalidade animada, radiante e até despojada, mesmo ficando claro que ele não é o melhor cara do mundo quando se trata de relações interpessoais. No entanto, nunca é passada aquela ideia de pessoa isolada, que nega os demais em prol de uma ideia maluca da sua cabeça (a qual é muito presenta em cientistas malucos; geralmente, o personagem é um completo babaca), o que nos conecta de vez com o personagem. No entanto, tudo muda quando os efeitos dos D-mails começam a aparecer, tudo muda quando ele precisa a largar o seu estilo despreocupado com o mundo e começar a tomar decisões que vão alterar a sua vida e a vida de todos aqueles que ele ama. Inclusive as duas que ele mais ama. Mayuri e Kurisu são personagens chaves na história à medida que são elas, ou fatos que acontecem com elas, que guiam as tomadas de decisão de Okabe: ora a morte da Mayuri faz que Okabe decida ir de volta à linha Beta, ora Kurisu o faz entender de outra maneira a situação e o ajuda a superar os desafios dessa árdua caminhada. É ao longo dela, portanto, que temos o desenvolvimento desses dois como um casal e como figuras isoladas com um aumento considerado do "screen time" de ambos juntos, o que demonstra a inteção do roteiro em enfatizar eles como um casal. Mas lembram-se do que eu disse antes? Nunca é apenas uma camada. Não somente temos a intenção do casal pelo simples fato de ambos parecerem, e, quem sabe, serem feitos um para o outro, mas sim porque é desse desenvolvimento que o anime prepara o choque que tanto Okabe como nós iremos sentir: o da decisão entre quem irá viver e quem irá morrer. Vejam como aquelas ideias colocadas anteriormente sobre o porto seguro se conectam diretamente ao que acabara de ser exposta: é Kurisu quem serve de porto seguro, para a trama e para Okabe. É ela quem o ajuda nos momentos mais desesperadores, quem sorri para ele quando o mesmo só consegue ver uma linha que leva a um final desastroso. É, portanto, do desenvolvimento de um simples casal que o roteiro retira um rico arco de um dos personagens. Aliás, cito o romance dele com a Kurisu como o principal pois de fato ele o é, porém, cada personagem em específico da obra serve de desenvolvimento para o Okabe e cada linha temporal que ele volta ou avança apresenta uma direta alteração nele. Percebam como o anime dedicou um episódio inteiro apenas para ele e Ruka poderem ter seus conflitos e suas sub-tramas resolvidas. Nada é deixado para trás em Steins;Gate, bem como nada é de graça. Percebam como outro episódio é dedicado à explanação sobre a realidade da Moeka e sobre como ela foi induzida a realizar o ato que desencadeou toda a jornada de Okabe. As pontas das linhas da animação sempre se encontram devidamente amarradas.
No entanto, para completar o arco do personagem e separar, de uma vez por todas, Steins;Gate dos demais animes, temos a mensagem principal do anime. Percebam que eu sequer toquei nela ao longo da escrita, e isso se dá justamente porque o anime contém diversas mensagens, cada uma em sua devida camada de entretenimento. No entanto, foi após terminar o episódio 24, sentar e pensar um tanto sobre a obra que eu consegui enxergar o que o autor realmente quis passar para quem assiste a animação: muito mais do que uma obra sobre o tempo, sobre pulos, viagens e temáticas temporais, sobre um casal destinado a ficar junto, sobre como os humanos não devem brincar com o tempo achando que não haverão consequências futuras, Steins;Gate é sobre memórias. Não somente memórias, mas como essas memórias podem afetar uma pessoa. Como essas memórias moldam que nós, humanos, somos, como essas memórias são uma dádiva e uma maldição: esquecer elas pode ser doloroso, porém viver com elas pode ser tão doloroso quanto. Todos esses pontos convergem no que, para mim, foi o melhor momento do show: o episódio 22. Foi um dos únicos três momentos dentre os que eu já experimentei assistindo animes em que o pranto foi inevitável. Porque não somente é o ápice perfeito para um casal perfeito, não somente é um momento que todos pensávamos até então, não somente é um turbilhão de emoções: é sobre como esses momentos mágicos e líricos podem ser, em fato, um laço à realidade que vivemos que terá de ser partido de maneira dolorosa e melancólica. A dor de conhecer uma pessoa melhor do que ela mesma e ela sequer saber direito quem você é. A dor de ter que guardar as memórias vividas. A dor de ter que lidar com memórias que, como o nome sugere, são, agora, apenas memórias. Como bem dito por Kurisu, a Teoria da Relatividade é muito romântica. Mas muito triste.
Nada do que foi colocado seria tão efetivo se não tivéssemos uma brilhante trilha sonora de fundo. Em específico, devo citar a música que coloquei no início do texto. Essa é a OST que aparece no episódio 22, e justamente por ser o episódio mais emotivo e doloroso da série, essa OST carrega consigo um peso, uma clara dor, uma clara sensação de algo que ficou no passado. Ou melhor, em outra linha temporal. Algo que você amou e se agarrou com todas as forças, porém o destino inevitavelmente fez você perdê-lo. No geral, Steins;Gate tem muitas das melhores OSTs das animações, sempre cumprindo com o papel de reforçar o mood da situação.
Em suma, Steins;Gate é uma animação única pois consegue fazer muito bem tudo aquilo que se propõe a fazer: apresenta personagens incríveis e únicos, plots e twists de levar você do céu a terra em questão de segundos (os quais vão completamente te hipnotizar e forçá-lo a terminar o show sem pausas), arcos emocionais, principalmente o de Okabe, ímpares e cumpre a difícil missão de apelar o mínimo possível às convenções de obras do tipo. Se pudesse resumir o anime em uma palavra seria a palavra "único", pois diversas das características citadas não se encontram em outros animes ou, caso se encontrem, são minimizadas pela pressa do roteiro em querer demonstrar logo os plots da série. Não posso deixar de falar, antes de terminar o texto, sobre o passo do anime. Mesmo muitos criticando a primeira metade, ela, para mim, é o exemplo perfeito de como uma história deve ser feita. Sem pressa, demonstrando os personagens e dando a eles peso, importância, expressão, unicidade e humanidade. Steins;Gate é uma obra-prima do início ao fim e mesmo que possa apresentar algumas peças que, por se tratar de uma animação relativamente curta (lembremos que outras animações que fizeram algo parecido com Steins;Gate tiveram 40~50 para tal), podem faltar, as peças que se encontram montando o quebra-cabeça compensam completamente as que podem faltar. É como olhar uma Pixel Art a distância: um ou outro bloquinho faltando não retira a primazia do todo.
Minha nota perfeita é muito mais sobre como o anime me impactou do que seu número de acertos e erros, e é por isso que Steins;Gate segue sendo uma das quatro notas 10 na minha lista e meu terceiro anime preferido. Estonteante, imprevisível e apaixonante, certamente é um anime que te fará pensar sobre conceitos complexos, como viagens e saltos temporais, e, ao mesmo tempo, conceitos completamente humanos, como perda, memórias e escolhas.
Se tivesse acesso a uma máquina do tempo, buscaria alguma linha temporal em que o meu eu não se apaixonou completamente por Steins;Gate, porém, devo concordar com Okabe sobre como tudo parece convergir para um inevitável fim.
Escrita ao longo dos dias 14, 15 e 16 de maio de 2020, 16 anos antes da Terceira Grande Guerra.
Um dos poucos momentos na história da animação em que a perfeição foi alcançada. O final do episódio 24, junto com o episódio 22, são os melhores momentos que eu tive ao assistir uma animação japonesa ao longo das centenas assistidas.
submitted by epilef_backwards to u/epilef_backwards [link] [comments]


2020.05.01 00:44 TheCaraqmoranextdoor Guiazinho sobre Fake News. Minha abordagem e visão sobre o tema, e como combatê-la.

Acredito que a maioria de vocês compreendam como e para que(m) as notícias falsas trabalham. O risco de cair no óbvio é natural, mas com esse post eu gostaria de fazer o exercício da escrita e, talvez, ajudar a compreensão coletiva da força motriz do atual governo.
Vale notar que aqui escrevo minha visão e entendimento particular do fenômeno, de como fiz um apanhado de informações diferentes e juntei numa hipótese geral. As bases e conclusões são tirados de textos e debates que venho acompanhando sobre o assunto já há algum tempo.
Sem mais delongas, vamos a isto:
0. O Nascimento 
O processo todo começa de maneira dissimulada e insidiosa. Depois de um tempo, a partir de ligações lógicas muito simplórias, começam a tomar corpo e ficar cada vez mais sérias - as vezes sem sentido também.
Começa como uma piada, um relato de violência, um pânico com o estrangeiro. Conversas coloquiais, aquelas de botequim de quem não tem nada melhor a dizer e tem que manter a conversa rendendo enquanto a cerveja não acaba.
Um meme aparentemente inofensivo que exalta um político corrupto ou até mesmo vídeos informativos sobre o poderio militar de um país podem fazer parte de um esquema maior. Não quero dizer que obrigatoriamente fazem parte de uma grande conspiração mundial, mas, propositadamente ou não, lançam bases para o ataque aberto das fake news. É a preparação de um terreno para ser plantado.
Se você quiser fazer uso do método, você precisa de um ambiente propício. Esse ambiente pode ser muito bem fabricado, não importa se tem conexão com a realidade ou existe elos lógicos, ele só precisa existir na mente da população.
O que você precisa aqui é de propaganda. Muito melhor que você elaborar uma propaganda formal para TV, que é claramente verticalizada, de lenta elaboração e toda engessada, é fazer conteúdos imagéticos simples, toscos até, bem característicos da internet.
A circulação de memes ou de imagens que poderiam ser feitas por qualquer um tem uma penetração muito maior no imaginário da população. A aparente horizontalidade é outro pilar pra aceitação rápida e fácil por seus pares.
A propaganda boca a boca é a alma da fake news, ela confere o poder, ironicamente, da democracia para o convencimento de seus semelhantes. Claro que uma ajudinha da TV sempre é bom, principalmente se você for polêmico e controverso. Polêmica dá audiência, ambos saem “ganhando”.
1. O Público 
Vamos definir logo as coisas. Existem as pessoas que caem em fake news e pessoas que as fabricam. A convencida não o faz por mal, ela é levada por um caminho mais fácil de corrigir seus problemas; estas são mais fáceis de se arrepender. As fabricadoras não, elas tem consciência da mentira espalhada e ainda assim passam adiante porque vê algum lucro com toda essa situação. Como sempre existem os enganados e os enganadores.
As mentiras, difamações e notícias falsas são como uma carta sem remetente. Elas têm endereço certo de entrega, mas ninguém sabe quem enviou.
Toda fake news tem uma personalização na hora de ser enviada. A estratégia nunca é atacar todos com um conteúdo só, mas dividir a população em grupos compostos por personas, cada uma no seu quadrado e com sua vulnerabilidade exposta. Públicos diferentes reagem de maneiras distintas a cada estímulo ao qual são expostos. Logo, a personalização é fundamental para que a notícia faça o maior estrago possível.
Agora quem é esse público?! Todo e qualquer um que se julgue vulnerável.
Há muito mais tipos de personas, mas acho que já deu pra perceber que todas tem duas coisas básicas em comum: frustração e desejo de mudança/vingança.
Essa generalização nos leva ao próximo ponto do método.
2. Os Sentimentos 
Fake news não lidam com verdade ou mentira, fatos ou factoides, coerência ou incoerência. Esqueça a racionalidade, a checagem de notícias e a argumentação lógica. As Fake News miram nos sentimentos! O negócio é provocar reações profundas em seus receptores. Quando você atinge o sentimental de uma pessoa o racional é desligado e ela age no instinto. Por isso não adianta em nada apelar para a razão, estas pessoas estão sendo movidas pelas entranhas!
É aterrador, mas a racionalidade, a ciência e a verdade não tem chance mínima contra as fake news, não tem vez. Temos que aceitar esse fato para podermos compreender e reagir de maneira adequada a esse esquema.
O método tem primordialmente dois momentos, que sempre se confundem.
O coração da fake news é o estado de revolta constante imposto aos militantes. A dúvida é o sangue. A intenção é sempre instigar a cólera e a dubiedade. Cólera, não é a doença, é um estado psicológico no qual o indivíduo perde completamente as faculdades mentais e entra em modo berserker. A adrenalina é despejada a toda no sangue, a visão escurece e foca num ponto específico e o corpo se movimenta de modo automático para atacar seu alvo.
Imagine esse estado a todo momento, de forma mais incubada, mais omeopática, um rancor explosivo. É assim que as vítimas vivem todos os dias.
Uma dica breve, você consegue acalmar alguém que está com raiva. Você consegue dialogar com alguém que te odeia, mas você não deve sequer chegar perto de quem está em estado colérico, principalmente se ela portar uma arma. Pelo bem da sua saúde física.
Vale ressaltar que há uma outra tática muito bem executada pelo método para fidelizar essas pessoas. Inicialmente a tática é reunir as pessoas em grupos de perfis sempre mt semelhantes. Crentes com crentes no wpp, incels com outros incels nos chans e por aí vai.
As bolhas das mídias digitais são peça fundamental do meio onde será propagado as mentiras e organizar as vítimas. Sem elas talvez tivéssemos sim esse movimento global, mas de forma mais demorada e em menor escala. YouTube, grupos de Facebook - olá Cambridge Analytica, a precursora do mal - grupos de WhatsApp, Twitter, Chans, Fóruns online, Reddit... Todos esses sites e serviços são modos de nos conectarmos a nossos semelhantes e, claramente, o melhor método de disseminar as notícias falsas. As bolhas são o melhor meio para as fake news personalizadas serem espalhadas.
Além de facilitar o trabalho de distribuição de fake news, cria-se uma identidade e um sentimento de pertencimento a um grupo. Nesses tempos de globalização, sentir-se parte de um pequeno grupo é necessário para manter-se o engajamento desse público, dar uma cara e um objetivo comum para todos lutarem por ele.
Algo a se notar é a perda da identidade individual em prol de uma compartilhada. É uma característica meio fascista, meio comunista, é estranho pra quem supostamente luta pelas liberdades individuais. Não à toa aqui chama-se esse público de gado.
3. A manutenção 
A etapa anterior é fundamental para a manutenção. Se o indivíduo se sentir cada vez mais só numa causa, maior a chance dele a abandonar.
Imaginem o bater de palmas: começa quase sempre por poucos indivíduos, toma corpo muito rápido e depois diminui quando o ritmo decai. Ao passo que as pessoas vão vendo que os outros estão deixando de aplaudir ela para também. Morre assim as palmas. Morre o movimento.
Como não se pode deixar o gado morrer de inanição por causa da fome, existe um alimento básico e diário para o rebanho se manter forte e aguerrido.
3.1 O inimigo 
Por que dia sim, dia não o presidente solta uma controvérsia?! Então, é pra não deixar o movimento morrer, os sentimentos esfriarem. A guerra constante é fundamental pra manter a base atuante. A paranoia e a dúvida constante são fundamentais no psique da turba, nunca se esqueçam.
Mas guerra contra quem?
Contra quem simplesmente não importa. Por quê? Porque você pode eleger seu inimigo.
Os Comunistas, a esquerda, o PT, o Lula, a Rede Globo, o STF, os cientistas, a democracia, a constituição, o Congresso, o time do Vasco da Gama, o vizinho gato que troca de roupa com as cortinas fechadas, a ilha de Madagascar e o Rei Julian.
Não importa o nome, o inimigo tem que existir, mesmo que ele nem seja real. Você não mobiliza um exército pra sequer lutar. A movimentação e as batalhas tem que ser travadas todos os dias, é peça fundamental do método. Como disse anteriormente, se os militantes não estiverem sempre em batalha, a paz reina e as palmas cessam. O plano fracassa.
A parte interessante dessa guerra contra um moinho de vento é que ele retroalimenta todo o sistema de fake news. É um sistema simbiótico onde a mentira alimenta o sentimento negativo, que dá cacife para a inserção do discurso de ódio, que alimenta a ação da militância, que, obviamente, vai provocar uma defesa por parte do atacado. No momento que o inimigo reage o sistema volta pra primeira etapa e a roda volta a girar.
3.2 O Messias 
Todos nós quando estamos nos afogando temos o reflexo de procurar algo para se segurar e apoiar. Este mesmo reflexo é usado e abusado no funcionamento das fake news. Você está desesperado, em estado constante de dúvida, pra todo lugar que você olha tem alguém querendo te roubar, do seu vizinho ao seu político. A vida realmente parece sem saída.
“E conhecereis a Verdade, e a Verdade vos libertará.” João 8:32
No meio do caos aparece uma pessoa que te dá respostas. Que te dá soluções que satisfazem tuas necessidades, não só as físicas, mas os anseios inibidos de violência e justiça – vingança. Ele é quase um líder profético, ele nos abraça com suas soluções, seu vocabulário idêntico ao nosso mostra que é um de nós, ele passa por cima das regras e normas que tanto temos raiva. Ele é praticamente um mito vivo.
A crença, por necessidade ou por interesse, é manobrada com certa maestria pelos financiadores do método. Eles pinçam a crença, que no nosso caso é cegada propositadamente, e logo depois apresenta alguém na qual a pessoa possa depositar sua fé, sua mais pura confiança.
E quando me refiro a fé e crença, não é só dos religiosos, que, diga-se de passagem, são os maiores apoiadores do presidente atualmente, mas de qualquer um que veja nesta figura messiânica forjada uma possibilidade de mudança.
Existem os gamers e geeks que acreditam ser os impostos a maior barreira para consumirem suas mídias e gadgets. Os libertários de internet que culpam o Estado pela “falta de liberdade econômica” do mercado. Temos até mesmo os militaristas indignados que, para resolver a situação da violência, precisamos ser mais violentos ainda. A lista vai longe e todos estes grupos supracitados estão em condição vulnerável, tanto para acreditar quanto para seguir o Messias de fake news.
Como todo bom Messias, ele tem discípulos, apóstolos que são encarregados de espalhar sua palavra. Aqui coloco duas peças fundamentais, os digital influencers e os empresários financiadores de disparos em massa.
O Messias nem sempre tem tempo de discutir e promover a baderna necessária para estar sempre em voga. Para isso, seus apóstolos, nossos influencers, estão sempre ativos para fazer a defesa de seu patrão. Não se engane, eles são pagos e recebem informações e fake news de cima, algo realmente verticalizado, para que possa se criar mais uma narrativa da semana.
Os influencers gozam também de uma maior informalidade e proximidade de seu microcosmo. Podem ser ex-jornalistas ou ex-cientistas para dar aquele verniz formal pro resto da sociedade, mas a maioria são pessoas comuns. Novamente, essa aproximação e aparente democracia, ajuda na identificação dos seguidores e no seu acirramento. A pessoa não é um simples seguidor, ela é um membro de uma seita, ela se deixa cegar para participar do grupo e estar mais próximo de seu mestre.
Os empresários, amigos de seu Messias, são os grandes responsáveis pela fase de overload. Sem eles, os bots e as inundações de notícias falsas, que devem ser criadas, não existem. Obviamente nem tudo parte de cima pra baixo, nessa pirâmide disfarçada de plano 2D, as vezes você precisa de um empurrãozinho e os próprios membros fazem o trabalho de graça. Mas sempre precisa de um empurrão inicial!
Por isso bots e compartilhamentos em grupos são tão preciosos na formulação de uma mentira. A intenção é sempre fazer o volume vencer a qualidade. O objetivo, novamente, é por dúvida na cabeça dos seguidores e criar uma narrativa distorcida da realidade para que elas se esqueçam do erro do chefe supremo e embarquem em uma nova jornada. Todos os dias.
Sem dinheiro, as fake news têm os dias contados. Há sempre um gabinete, um grupo muito bem articulado para apontar e executar a ordem do dia.
E por último, todo Messias que se preze é perseguido e tentado calar. Ele até sofre tentativas de homicídio. Toda essa perseguição é assumida por seus seguidores, é algo como se “mexeu com ele, mexeu comigo”. Sua turba sente na pele os ataques que seu Mito sofre, merecidamente, por mais simples que seja, como uma discordância.
Coincidência com a realidade? Pois é, é porque é mesmo.
4. Falhas do método 
O problema maior do método é ao mesmo tempo uma de suas finalidades. Destruir, desagregar, explodir. Caos. Apesar do paradoxo, necessidade de agrupar as pessoas para que elas caotizem tudo, é nessa lógica que eles operam. E dá muito certo, muito mesmo, as eleições de vários países provam isso. Mas por quanto tempo?
Com o passar do tempo os grupos de WhatsApp ou Facebook começam a implodir. Ter debandadas e discussões cada vez mais acirradas. A radicalização é a tônica do processo. Nem todo mundo gosta de radicalismo, na verdade poucas são as pessoas naturalmente inclinadas para os extremos, vide nossa política em tempos normais. As pessoas são levadas para as pontas em situações muito adversas, como a que estamos vivendo.
Cansa estar sempre no extremo.
É cansativo a cada dia que passa ter que defender algo no qual não se aceita completamente. A falta de diálogo e somente a repetição uníssona de um discurso fixo e batido leva a estafa dos membros. Alguns aguentam mais por crença ou por lucro, outros menos, é natural.
A entropia destes agrupamentos é inevitável, afinal a destruição está marcada no DNA deles.
E quando de fato houver rachas teremos grupos mais e mais fanáticos e perigosos, outros arrependidos, outros envergonhados e outros mais moderados.
Podemos observar esse fato com a demissão do ministro símbolo do combate à corrupção. O mesmo fato também é interessante de se observar a lentidão das reações às acusações feitas pelo ex-ministro.
Foram horas de apagão nas redes bolsonaristas. Horas! Enquanto o presida sofria na TV e na internet, os influenciadores simplesmente não sabiam o que dizer, o que atacar, e realmente se atacar. Estavam sem norte, sem uma cabeça que os dissesse o que reproduzir. Somente depois do “discurso” presidencial o ataque a Sérgio Moro começou com força e com bots. A narrativa estava montada e o overload posto em prática.
Esse meio tempo clareia a organização por trás de difamações e fake news do atual governo. Se fosse para apostar, diria que nesse ínterim foi discutido na sala da injustiça qual caminho tomar. Seria melhor atacar alguém com fama e reputação impecável com seu público? Ou seria melhor tentar um diálogo e por panos quentes na situação?!
Como o método não é afeto ao diálogo, a campanha de difamação contra Moro foi executada. A aposta foi dobrada. É assim que se contém danos nessa lógica deturpada.
Aqui temos uma palpável derrota, uma grande falha no método de ação dos mentirosos. Eles sempre aceleram mais, não tem breque, é sempre pra frente, custe o que custar. Como disse anteriormente, pessoas vão ficar pelo caminho, a tendência natural é o desgaste, o descolamento destes grupos que ficam cada vez mais nucleares.
5. O que fazer 
A motivação para sair dessa vida é completamente intrínseca ao participante. Geralmente desapontamentos, discussões e estafa os levam a desistência. Somente um minion pode deixar de ser minion. Se ele não quiser e for até o fim, não tem jeito, seu conhecido ou parente tem alguma deturpação moral ou social. Pessoas assim existem e são aos montes.
Temos que saber que não será da noite pro dia. O desapontamento é gradual, é um processo que as vezes demora, as vezes é rápido e obrigatoriamente tem que partir do afetado.
Isso não quer dizer que devamos ficar de braços cruzados esperando as pessoas se tocarem do erro que elas fizeram.
Proponho que mantenhamos o combate armados do deboche, do uso de memes, de simplesmente reproduzir as falas descabidas do pres para seus seguidores. Descemos o nível, mas temos que impactar também o emocional do minion. Ciência e razão não funcionam com eles, simples assim. O impacto tem que ser no emocional!
Por em cheque suas crenças absurdas com uma torrente de absurdos dos mesmos me parece ser uma boa tática. O overload contrário dentro do habitat natural serve para gerar mais dissonância e confusão, portanto temos que fornecer soluções também. Soluções simples, mas de sinal trocado.
Evitar por políticos da oposição no meio também ajuda. Algum fala uma coisa importante?! Diz que foi o tio do amigo que é médico. Lembrem-se que a sensação de horizontalidade pega de jeito as pessoas. Pessoas desconhecidas falando contra, memes debochando, a verdade, mesmo que espremida pelo formato tem que prevalecer.
Essa é minha tática e já tenho posto em prática. Parecer amigável, mas inundar de controvérsias sobre o que acreditam. Não é porque a conversão é intrínseca que não podemos dar uma ajudinha. Pedra dura em água mole, tanto bate até que mole.
Vocês devem ter outras também, gostaria que adicionassem aqui. Quase todas são eficientes, apesar de não acreditar nem um pouco em checagem de fatos e afins.
O campo do jogo é o emocional, não nos esqueçamos.
submitted by TheCaraqmoranextdoor to brasil [link] [comments]


2020.03.01 23:50 tsmfan123 Fraude no número de espectadores em Portugal

Boas, venho aqui trazer algo que, para alguns nada quer dizer, no entanto penso que é algo útil para a comunidade do futebol ver como o número dos espectadores muda consoante campanhas, épocas etc. Venho aqui relatar, o que acho que é efetivamente uma fraude cometida pelo Boavista no jogo desta semana com o Gil Vicente. Com isto não pretendo atacar nenhum simpatizante, adepto ou sócio do Boavista, no entanto penso que chega a um ponto que ler as mesmas asneiras repetidas pela Internet fora cansa, e não sei até que ponto os acordos com os patrocionadores não são diferentes consoante o número oficial de espectadores. Nesta jornada tivemos um Boavista x Gil Vicente, e o número oficial foram 9558 (fonte: https://www.ligaportugal.pt/pt/liga/jogo/20192020/liganos/23/1 ) As bancadas do estádio estavam assim:
http://prntscr.com/ra0sij (apito inicial) [Bancada Nascente + Sul + Norte) http://prntscr.com/ra0ydx (fim do jogo já, unica foto que consegui encontrar) [Bancada Poente]
Ora bem, para quem não sabe (eu não sabia), o estádio do Bessa tem a seguinte estrutura: Capacidade Total: 28263 lugares
Bancada Nascente - 7530 (bancada que vemos na TV)
Nascente Nível 1 - 3760 Lugares (1880 lugares ocupados por estimativa da imagem) Nascente Nível 2 - 770 Lugares (385 lugares ocupados por estimativa da imagem) Nascente Nível 3 - 3000 Lugares ( 0 lugares)
Bancada Poente - 6533 (bancada de onde as camaras da tv filmam) Poente Nível 1 - 3900 Lugares (1950 lugares ocupados por estimativa da imagem) Poente Nível 2 - 460 Lugares (230 lugares ocupados por estimativa da imagem) Poente Nível 3 - 1500 Lugares (0 lugares)
Bancada Norte - 7200 Norte Nível 1 - 4200 Lugares -> Que estejam 100 adeptos do gil na totalidade desta bancada Norte Nível 2 - 3000 Lugares
Bancada Sul - 7000
Sul Nível 1 - 4000 Lugares -> Que estejam 500 pessoas na claque Sul Nível 2 - 3000 Lugares -> Fechada
Comunicação Social - 673 lugares (que sejam 200)
A parte da bancada da Poente e da Nascente nível 3 estão fechadas. A totalidade da bancada Norte levou cerca de 100 adeptos do gil. A bancada Sul é a bancada das claques, sendo que o nivel 2 está fechado e que (sendo generosos) vamos dizer que a claque tinha lá 500 pessoas. A comunicação social vamos assumir que tinha lá 200 pessoas porque era um jogo de cartaz. Nas fotos que vemos podemos ver que quer a Bancada Nascente, quer a Bancada Poente estão longe de estar cheias, vamos assumir que 50% de ambos os Niveis 2 (que são os camarotes) estão lotados, e que na bancada nascente e poente estavam também 50% lotados no Nivel 1.
Contas finais: ‭500(claque) + 200(C.S.) + 100(Gil) + 230(Camarotes Poente) + 1950 (Poente Nivel 1) + 385 (Camarotes Nascente ) + 1880 (Nascente Nivel 1) =‬ 5245 espectadores.
Estamos a falar de uma diferença de quase 50% em termos de espectadores do número anunciado. Existem mais jogos como este..mas visto que não tenho tempo nem vontade de estar a fazer estas contas para esses jogos/ir buscar fotos, fico a espera da vossa opinião neste assunto. Eu acho que isto é devido ao metodo de contagem dos clubes, sendo que uns clubes contam o que é efetivamente passado no torniquete, enquanto outros optam por contar Lugares Anuais + Convites + Bilhetes vendidos. Acho que devia existir uma preocupação maior em dar os números certos.Para dar um exemplo de um jogo que eu acho que foi anunciado um número abaixo do que foi anunciado dou este jogo: Poente: http://prntscr.com/ra15k8 Nascente: http://prntscr.com/ra15pb
Este jogo foi um Braga x Rangers na última quarta feira a tarde e teve supostamente 18000 espectadores. O estádio tem capacidade máxima de 30 286, por essas imagens parece que teve ligeiramente acima de 50% o numero de espectadores?
submitted by tsmfan123 to PrimeiraLiga [link] [comments]


2020.01.20 03:58 altovaliriano Arya Stark

Mais uma vez o “sábado de personagens” deslocado para o domingo. E mesmo assim atrasa...
Hoje, Arya Stark é a personagem da semana.
Arya é literalmente a filha do meio de Catelyn e Eddard. A terceira de cinco. A segunda do sexo feminino. Mas é a única criança de Catelyn que se parece com uma Stark. Esta constatação, isoladamente, já revela como Arya se diferencia de seus irmãos.
Porém, o caso de Arya vai mais além. Ela herdou o espírito selvagem da família de Eddard, sendo especialmente parecida com sua falecida tia Lyanna. Talvez por isso que Ned tenha tanta tolerância com Arya e seus ímpetos aventureiros e inclinações marciais. De todo modo, Ned não poderia alegar desconhecer que sua filha não aceita exercer os papéis que são relegados às mulheres nos Sete Reinos:
– E eu posso ser conselheira do rei, construir castelos ou me tornar Alta Septã?
– Você – disse Ned, dando-lhe um suave beijo na testa – casará com um rei e governará seu castelo, e seus filhos serão cavaleiros, príncipes e senhores e, sim, talvez mesmo um Alto Septão.
Arya fez uma careta.
– Não – ela protestou –, esta é a Sansa – dobrou a perna direita e voltou aos exercícios deequilíbrio. Ned suspirou e a deixou ali.
(AGOT, Eddard V)
A natureza diferenciada de Arya, porém, tem seus custos. E o principal custo é sua convivência com sua irmã Sansa. Martin chegou a declarar (vide seção abaixo) que Arya foi criada primeiro, mas que a personagem estava muito bem relacionada com os demais irmãos. Assim, ele sentiu que era necessário criar Sansa para atazana-la.
De fato, o papel de Sansa e Jeyne Poole é apenas o de ridicularizar Arya e fazer com que ela frequentemente sentisse que não tinha competência para desempenhar os papéis que eram esperados dela como mulher. Ao longo dos livros, estes sentimentos parecem não se alterar. De modo que fica cada vez mais evidente que o afeto que as irmãs nutrem uma pela outra é, no máximo, distante:
Sansa era educada demais para sorrir da desgraça da irmã, mas havia o sorriso afetado de Jeyne no seu lugar. (AGOT, Arya I)
Arya saíra ao senhor seu pai. Os cabelos eram de um castanho sem brilho, e o rosto, longo e solene. Jeyne costumava chamá-la Arya Cara de Cavalo, e relinchava sempre que ela se aproximava. (AGOT, Arya I)
Sansa sonhara em ter uma irmã como Margaery; bela e gentil, com todas as graças do mundo às suas ordens. Arya havia sido completamente insatisfatória no que tocava a ser irmã. (ASOS, Sansa II)
A Agulha era Robb, Bran e Rickon, a mãe e o pai, até Sansa. (AFFC, Arya II)
Dentre seus irmãos, Arya somente desfruta de um relacionamento próximo com seu “meio-irmão” Jon Snow. Não é coincidência que Jon seja outra pessoa por quem Sansa nutre um afeto distante. Arya e Jon dividem algumas características. Ambos não se adaptam bem à atual dinâmica familiar de Winterfell e são os parentes de Eddard que mais se assemelham a ele. Estas peculiaridades provavelmente foram as responsáveis por unir Jon e Arya.
Entretanto, muitos leitores enxergam mais do que isso. Há durante toda a saga diversos momentos em que os “meio-irmãos” pensam um no outro em contextos que sugerem inclinações românticas, ainda que platônicas.
GRRM afirma (vide seção abaixo) que tais indícios eram fortes no primeiro livro, quando ainda existia a idéia de tornar Jon e Arya um par romântico, mas que isso foi sumindo dos livros ao longo da saga. Tudo não poderia ser algum tipo de complexo fraterno.
Entretanto, não é o que se verifica nos livros seguintes. A última vez que Arya e Jon se viram foi no começo de A Guerra dos Tronos, mas eles ainda estão pensando carinhosamente um no outro mesmo nos mais recentes volumes da série:
Ygritte trotou para o lado de Jon enquanto este reduzia o passo do garrano. Ela dizia ser três anos mais velha do que ele, embora fosse quinze centímetros mais baixa; qualquer que fosse a sua idade, a garota era uma coisinha rija. Cobra das Pedras chamara-a de “esposa de lança” quando a tinham capturado no Passo dos Guinchos. Não era casada e sua arma favorita era um pequeno arco curvado feito de chifre e represeiro, mas “esposa de lança” ajustava-se a ela mesmo assim. Lembrava a Jon um pouco sua irmã, Arya*, embora esta fosse mais nova e provavelmente mais magra. Era difícil dizer se Ygritte era magra ou gorda, comtodas as*peles que usava.
(ASOS, Jon II)
Ela nunca se incomodara em ser bonita, mesmo quando era a estúpida Arya Stark. Apenas seu pai já lhe chamara daquilo. Ele, e Jon Snow, algumas vezes*. Sua mãe costumava dizer que ela poderia ser bonita se lavasse e escovasse o cabelo e tomasse mais cuidado com suas roupas, do jeito que a irmã fazia. Para a irmã, as amigas dela e todo o resto, ela fora apenas Ary a Cara de Cavalo. Mas estavam todos mortos agora, até mesmo Arya, todos menos seu meio-irmão Jon. Algumas noites, ela ouvia falarem dele nas tavernas e bordéis do Porto do Trapeiro. O Bastardo Negro da Muralha, os homens o chamavam.* Nem mesmo Jon teria reconhecido a Cega Beth, aposto. Aquilo a deixava triste*.*
(ADWD, A Garota Cega)
Em todo caso, qualquer que seja, foi este sentimento que moveu Jon Snow a abandonar seus votos e desertar a Patrulha. Assim, é algo que move Jon em direção à Arya e o leva a aceita-la da forma que ela é.
Tal qual Eddard, Jon não desdenha da aptidões de Arya. Ele foi, em verdade, o primeiro patrocinador delas, antes mesmo do pai. Ao presentar a “irmã” com Agulha, Jon semeou o terreno para que Eddard oferecesse a Arya um treinamento de dançarina da água. É notório que Eddard estava tentando desviar Arya de ambições maiores (como a cavalaria, por exemplo), mas a história de Agulha e o treinamento com a Syrio Forel forem responsáveis por plantar prenúncios frutíferos na história.
O primeiro foi tornar Braavos uma cidade com a qual Arya tinha uma ligeira familiaridade. Assim, quando ela tivesse que ir para lá, não parecesse um total tiro no escuro. A segunda é a frase que Jon Snow diz antes mesmo de presentar a irmã:
Quanto mais tempo ficar escondida, mais severa a penitência. Costurará durante todo o inverno. Quando chegar o degelo da primavera, encontrarão seu corpo ainda com uma agulha bem presa entre os dedos congelados.
(AGOT, Arya I)
Muitos leitores veem nesta frase um prenuncio de que Arya poderia morrer durante a Batalha pela Alvorada. Assim, caso se corpo fosse encontrado com a espada Agulha presa às suas mãos, saberíamos que as palavras inocente de Jon se provaram proféticas. Até mesmo poderia servir para que o corpo de Arya fosse identificado mesmo se ela estivesse com um rosto diferente.
Outro fato de nota que ocorreu a Arya antes de partir para Porto Real e todas as aventuras que se seguiram daí foi a adoção da loba gigante Nymeria. Ainda que soe natural que Arya daria um nome de uma mulher ousada para sua loba, a referência dornesa parece de alguma forma distante demais da realidade nortenha para que não haja algum significado nesta escolha... ou talvez seja apenas um detalhe de construção de mundo.
Qualquer que seja o caso, Nymeria e Arya foram separadas com pouco tempo de criação e adestramento. Este tempo,entretanto, foi suficiente para que o dom como troca-peles de Arya fosse despertado. O fato de que Nymeria conseguiu sobreviver ao ser forçada a fugir foi determinante para o desenvolvimento à distância das aptidões de Arya.
Plantadas estas idéias no leitor, Martin segue até o final de A Guerra dos Tronos fazendo com que Arya passe por horas de treinamento, ocasionalmente usando-a como espectadora de eventos inusitados, como o encontro entre Illyrio e Varys no subsolo da Fortaleza Vermelha. Um fato curioso deste encontro é que Arya observa bem a fisionomia de Illyrio, mas não a de Varys (que está disfarçado). Dessa forma, uma amiga me questionou se isso não seria um indício de que Arya poderia ter que acabar recusando uma missão da Casa do Preto e do Branco para matar Illyrio no futuro, pois o “conhece”. É uma questão a se pensar...
De toda forma, Arya presencia em mais vivacidade o massacre dos homens Stark no momento da prisão de seu pai, assim como está presente quando ele tem sua cabeça cortada. A fuga da Fortaleza Vermelha, inclusive, a provoca a matar uma pessoa pela primeira vez na vida: um cavalariço de sua idade que poderia denunciá-la.
Quando Yoren a extrai de Porto Real para leva-la ao Norte, Arya começa a ter que sobreviver em meio ao luto. Assim como Sansa, Arya é deixada em circunstância hostis. Durante os A Fúria dos Reis, ambas as garotas suportam muitos abusos e humilhações, mas ao menos Sansa pôde contar com relativo conforto. Da parte de Arya, ainda que ela desde pequena se sinta à vontade em meio à plebe, a jornada se prova particularmente árdua. Especialmente porque Arya se vê pela primeira vez vivendo sobre uma nova identidade.
Após a morte de Yoren, não demora para que o grupo de órfãos vire presa de Gregor Clegane e seu bando. Conforme se passam no cárcere, Arya começa a bolar sua famosa lista, com todas as pessoas que ela julga responsável por trazer sofrimento a ela e àqueles ao seu redor. O que é curioso é que, apesar de listar o Rei Joffrey entre os albos, a garota de 9 anos não tenha o discernimento de que sua lista somente mira em capangas e fantoches, mas esquece de vilões de verdade, como Tywin Lannister.
Essa falta de discernimento se repete quando Arya está em Harrenhal e Jaqen a oferece 3 mortes em troca das vidas que ela salvou do incêndio. Novamente, a garota Stark se limita a indicar nomes sem importância. Quando surge a ideia de nomear Tywin Lannister, sentimentos nacionalistas a fazem burlar a barganha de Jaqen para convencê-lo a ajudá-la na libertação dos prisioneiros nortenhos e dos homens Frey. Portanto, Arya não demonstra não empregar seu potencial assassino para grandes causas, atendo-se a pequenas vinganças e revanches.
Ainda assim, Jaqen entrega a Arya a moeda de ferro que mais tarde a levaria a Braavos para o treinamento junto aos homens sem rosto. O que causa curiosidade seria o motivo pelo qual Jaqen selecionou a menina. O perfil dela não combina com o da seita, como vemos ao longo de Festim dos Corvos e Dança dos Dragões. Sem falar que ele a presenciou fazendo uma barganha contra o próprio Jaqen.
Fora de Harrenhal, Arya acaba novamente sendo feita prisioneira alguns dias depois de partir. Mas dessa vez, é reconhecida e fica permanentemente na expectativa de ser levada a sua mãe, não importa se vendida ou simplesmente entregue. Mas o objetivo da viagem que Martin a impõe é conhecer os efeitos da guerra sobre as Terras Fluviais, sob o ponto de vista dos camponeses.
Antes que essa jornada termine, porém, duas coisas ocorrem: Arya é raptada por alguém em sua lista (Sandor Clegane) e Roose Bolton informa que encontrou Arya e vai enviá-la ao Norte.
Como GRRM gosta de lembrar as semelhanças entre Arya e Lyanna, não há como não enxergar em seu rapto ecos do rapto de sua tia por Rhaegar Targaryen. Talvez haja aqui algum paralelismo que estamos deixando de enxergar. Mas as distinções são bem claras. Sandor estava levando Arya de volta pra casa, enquanto Rhaegar estava levando Lyanna para longe do Norte. Um detalhe incidental nesta questão é que Sandor “morre” à beira do Tridente tal qual Rhaegar (ainda que este tenha morrido no vau rubi, local que Arya e Sandor evitaram).
Quanto ao segundo evento, a farsa de Jeyne Poole como a falsa Arya permitiria que a verdadeira se tornasse, de fato, ninguém. A intenção, claro, era fechar uma ponta para resgatar a história dali a 5 anos, quando Jeyne Poole já estivesse estabelecida como Arya. Neste futuro que nunca aconteceu, Arya haveria florescido, o que era a intenção de Martin. Ele sempre cita como as histórias dos adultos não tinha tempo para esperar que “Arya chegasse a puberdade”.
De fato, como Arya é comparada com Lyanna diversas vezes, seria de se esperar que a puberdade lhe avivasse a beleza selvagem e que já a víssemos em Braavos em estado avançado de seu treinamento. Se sabe que o primeiro capítulo de Arya em Os Ventos do Inverno foi escrito antes de Martin abandonar o salto de 5 anos, portanto, as circunstâncias que ela parece que vai viver agora aos 11 anos seriam aquelas que, originalmente, se pensava que ela viveria ao 16 anos (aproximadamente a mesma idade que Lyanna tinha quando morreu).
Porém, o caminho seguido em O Festim dos Corvos e A Dança dos Dragões foi acompanhar o treinamento de Arya desde o começo. Muitos leitores acusam estes capítulos de serem encheção de linguiça, mas eu os entendo apenas como lentos. Há 3 linhas mestras acontecendo neles: 1) modificações na política de Braavos, 2) conflitos internos da própria Arya não querendo abandonar sua herança Stark, 3) revelação de segredos da Casa do Preto e do Branco.
Caso o salto temporal houvesse ocorrido, eu imagino que os 2 primeiros itens poderiam ser contados facilmente via flashbacks, sem necessidade de presenciarmos as sementes serem plantadas (que é o que Martin parece ter feito ao longo de Festim e Dança). Porém, o terceiro item me parece ser o cerne dos capítulos de Arya, como ou sem salto temporal.
Era de se esperar que os sacerdotes não fiquem contando segredos a acólitos tão novos como Arya. Mas o Homem Gentil parece estar estranhamente aberto a instruir uma aprendiz com menos de 1 ano de Casa sobre a história da seita e lhe permitir fazer missões com rostos novos. E Arya não está se provando ser digna dessa confiança.
Bem, na série da HBO, a Casa do Preto e do Branco tentou eliminar Arya, mas ela simplesmente se mostrou superior ninguém sabe como. Em A Dança dos Dragões, Arya demonstrou estar um passo à frente do Homem Gentil entrando na pele de um gato de rua que a seguiu até o templo. Com este truque ela conseguiu descobrir que era o sacerdote quem a surrou quando estava cega.
Muitos leitores especulam que esta habilidade sobrenatural seria uma vantagem que Arya usaria para trapacear nos treinamentos, haja vista que não é uma habilidade pela qual Homens Sem Rosto são famosos. Daí, afirmam esses leitores, quando a convivência na Casa do Preto e do Branco se tornar insustentável e um Homem Sem Rosto for enviado para eliminar a discípula rebelde, os poderes de troca-pele são o diferencial que faria com que Arya sobrevivesse ao ataque do assassino e pudesse escapar de Braavos para Westeros.
O retorno de Arya a Westeros é outra icógnita. Atualmente não sabemos de motivos que a tirariam de Essos. Alguns apontam a morte de Jon Snow como o combustível. Mas eu costumo argumentar que Arya matou o cantor Dareon simplesmente por ele ser um desertor, como Jon. Outros acreditam que Arya saberá sobre o próprio casamento com Ramsay e virá a Westeros para desfazer a farsa. E, por fim, há aqueles que dizem que ela simplesmente voltará para matar Freys, Boltons e o restante de sua lista.
Porém, há um grande consenso que esta volta implicará em um encontro com sua mãe, agora na forma de Senhora Coração de Pedra. Alguns acreditam que este encontro será chocante o suficiente para mudar a cabeça de Arya com relação ao seu desejo de vingança. Outros acreditam que a confluência de objetivos só tornará tudo duplamente letal.
Bem, qualquer quer seja o desfecho da história, ainda não foi publicado. Nos resta especular.

Declarações de GRRM sobre Arya

PERGUNTAS

  1. Jon e Arya têm inclinações românticas reais (ainda que platônicas) um pelo outro? Ou é apenas Freud em ação?
  2. A frase de Jon sobre Arya ser encontrada congelada com agulha na mão é um presságio de que ela morrerá na batalha da alvorada?
  3. O fato de ter nomeado sua loba como Nymeria, revela que Arya teria alguma propensão para viajar a Dorne nos próximos livros?
  4. Os poderes de troca-pele de Arya são alguma forma de trapaça para o treinamento dos Homens Sem Rosto?
  5. O rapto de Arya por Sandor ecoa de alguma forma o rapto de Lyanna por Rhaegar?
  6. Você acha que os capítulos de Arya em Braavos estão mais para encheção de linguiça ou escalada de tensão?
  7. Que diferença você acha que o abandonado “salto temporal de 5 anos” faria na história de Arya pós-A Tormenta de Espadas?
  8. Você acredita que os poderes de troca-peles de Arya a farão uma assassina particularmente perigosa entre os Homens Sem Rosto?
  9. O que você acha que vai levar Arya de volta a Westeros?
  10. Você acredita que Arya se encontrará novamente com seus irmãos, Jeyne Poole ou Senhora Coração de Pedra? Caso positivo, que tipo de reação você espera que ela tenha nestes encontros?
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]